Glenn e Laura de volta aos EUA. Serão presos?

jornalistas_snowden.jpgEthevaldo Siqueira
12/04/2014 - Chegaram nesta sexta-feira à noite a Nova York os jornalistas Glenn Greenwald e Laura Poitras que divulgaram as denúncias de Edward Snowden sobre a espionagem maciça conduzida pela Agência Norte-Americana de Segurança (NSA). Os jornalistas vão receber o prêmio Polk por reportagem na área de segurança.

Os jornais Washington Post e o britânico The Guardian são os dois mais fortes candidatos ao Prêmio Pulitzer – que será anunciado na segunda-feira.

http://www.nytimes.com/2014/04/12/business/journalists-who-broke-news-on-nsa-surveillance-return-to-the-us.html?hp


Foto de Brian Harkin, The New York Times, de 11-04-2014

 

 

Comentário (0) Hits: 673

Aplicativo, hospital e urso conectam crianças doentes

hospital.jpgBrasilpost
11/04/2014 - O Hospital Amaral Carvalho, de Jaú, em São Paulo, desenvolveu um brinquedo que promete trazer mais felicidade às crianças com câncer, que estão internadas em isolamento.

Os antigos ursinhos unem-se à tecnologia dos dias de hoje e dão origem ao Elo, que leva mensagens de áudio de familiares de amigos, via Whatsapp, às crianças do hospital. Assista ao vídeo até o final. Os créditos são especiais.

 

Comentário (0) Hits: 1394

ONU discute desafios do planeta em Nova York

onu_7bi.jpg09/04/2014 - Em 2011, a população do planeta chegou a 7 bilhões. Em 2050, estima-se que será de 9,6 bilhões de pessoas. A Comissão das Nações Unidas sobre População e Desenvolvimento começou, nesta segunda-feira (7), um balanço dos avanços e desafios desde a histórica Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (ICPD, na sigla em inglês), realizada na cidade de Cairo (Egito) em 1994. Durante uma semana, em Nova York, na sede da ONU, Países-membros avaliarão as medidas tomadas nos últimos 20 anos para implementar o plano de 1994, que estabeleceu que o aumento do acesso à saúde e educação e a proteção dos direitos humanos ajudaria a garantir um futuro melhor, levando a um crescimento populacional mais sustentável.

Na abertura, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que o programa de ação da ICDP "tem contribuído para avanços significativos". "Menos pessoas estão vivendo em extrema pobreza. A igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres estão ganhando terreno em todo o mundo. Mais pessoas estão vivendo mais, vidas mais saudáveis. Mais meninas estão na escola. Menos mulheres estão morrendo na gravidez e no parto. Há mais leis para proteger e defender os direitos humanos", acrescentou, lembrando que ainda restam dezenas de desafios a serem enfrentados.

O documento de revisão da ICPD, publicado pela ONU em fevereiro, mostra que ainda há muito a ser feito. Enormes desigualdades na implementação dos direitos humanos, e no acesso a serviços essenciais, assim como novos desafios relacionados ao crescimento da população, a mudança das estruturas etárias, a rápida urbanização e migração estão entre os assuntos a serem discutidos no encontro da Comissão.


Desde 1994 , a população mundial cresceu de 5,7 para 7,2 bilhões de pessoas. Mas, apesar da diminuição no ritmo de crescimento demográfico, as projeções da ONU sugerem que a população mundial poderá atingir 9,6 bilhões em 2050, com a maior parte do aumento concentrado nos países mais pobres.


De acordo com um relatório preparado pelo secretário-geral para a Comissão, o estado atual da população do mundo é de diversidade sem precedentes e de mudança, que se reflete em novos padrões de envelhecimento, fecundidade, mortalidade, migração e urbanização. Os idosos são o grupo etário que mais cresce no mundo: o número de pessoas com mais de 60 anos quase duplicou entre 1994 e 2014, e as pessoas mais velhas já superam as crianças menores de cinco anos. Acredita-es que em 2050 os idosos serão 21% da população mundial.

Foto: ONU/Rick Bajornas

http://www.onu.org.br/em-nova-york-onu-discute-desafios-populacionais-do-planeta-20-anos-apos-conferencia-sobre-tema/

Comentário (0) Hits: 898

Receita aperta o cerco às importações via web

importacao2.jpgLink, Estadão
08/04/2014 - Em janeiro e fevereiro deste ano, as compras de mercadorias feitas por brasileiros no exterior via internet e entregues pela via postal deram um salto da ordem de 40% sobre o ano passado, e alertaram a máquina de arrecadação do Fisco, que já prepara ações para atacar esse "nicho". O País tem recebido perto de 1,7 milhão de pacotes a cada mês, quando no início de 2013 o volume era da ordem de 1,2 milhão. No ano passado, foram 18,8 milhões no total, segundo dados da Receita Federal.

A maior parte dessa farra de consumo tem chegado ao comprador sem a cobrança de tributos, mas isso está prestes a mudar. Um sistema que está sendo montado em parceria com os Correios e a Receita vai automatizar a fiscalização, que hoje é feita por amostragem.

E, ao contrário do que muita gente pensa, o que se adquire de estabelecimentos comerciais no exterior é sujeito a tributação, independentemente do valor. Há exceções, como livros, periódicos, medicamentos com receita médica e bens enviados por pessoa física de valor até US$ 50,00.

O sistema deverá entrar em teste em setembro deste ano, segundo informou a chefe da Divisão de Controles Aduaneiros Especiais da Receita, Edna Beltrão Moratto. A previsão é que seja implantado em janeiro de 2015.

Segundo Edna, os impostos federais incidentes sobre as compras no exterior pela via postal são de 60%. Mas ainda tem o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é estadual. Os Correios poderão ser incumbidos de recolher essa parte.

A expectativa do governo é que, por outro lado, a liberação das mercadorias se torne mais rápida. Hoje, quando um produto chega e cai na amostragem, é calculado o valor do imposto e o comprador recebe um comunicado dos Correios em casa. Ele deve recolher o tributo e retirar a mercadoria na agência.

Com o novo sistema, o governo vai saber o que está sendo comprado antes mesmo de a mercadoria chegar, segundo explicou José Ademar de Souza, do Departamento Internacional dos Correios. "A partir da compra, o site repassa antecipadamente as informações para a Receita", informou.

Os dados, explicou ele, podem ser fornecidos tanto pelo exportador quanto pelo operador logístico – no caso, o correio do país de onde a mercadoria vem. Existe uma legislação internacional que prevê a troca de informações entre os serviços postais.

"Temos a possibilidade de, a partir da informação, fazer a parte da tributação", explicou Souza. "E fazer uma interação com o cliente via internet." A ideia é permitir que ele pague os tributos via internet e receba o bem em casa, em vez de ter de buscá-lo nos Correios.

Edna explicou que o sistema terá filtros para detectar as mercadorias que exigirão mais atenção dos fiscais. Por exemplo, se a compra está subfaturada, ou seja, com um valor declarado baixo, para diminuir o valor do imposto a pagar. Para isso, a Receita se baseia num parâmetro internacional de preços e outras fontes de informação. "Às vezes, a mercadoria está lá com um valor muito menor do que o que a loja anuncia no site", exemplificou Edna.

Hoje, todas as compras que chegam ao País passam por uma análise da Receita e, às vezes, de outros órgãos do governo, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Todos os pacotes passam por um raio X, onde se verifica se a mercadoria não é de importação proibida – como armas e drogas.

http://blogs.estadao.com.br/link/receita-vai-apertar-cerco-as-importacoes-via-web/

Comentário (0) Hits: 669

O cinema daqui a 50 anos segundo o NAB Show

chris-cookson_nab2_2014.jpgEthevaldo Siqueira
07/04/2014 - Como será o cinema daqui a 50 anos? Esse foi o tema do keynote speaker Chris Cookson, da empresa Innovative Technologies, ao falar no sábado (5 de abril), na abertura do NAB Show, de Las Vegas.

Antes do cinema do futuro, uma palavra sobre esta experiência fascinante, que vivo aqui como jornalista especializado em tecnologia. Sei que, no futuro, ela talvez seja rotina na vida dos jornalistas num horizonte de 10 ou 15 anos: cobrir um evento que se realiza a 10 mil km de distância, diante de meu desktop ou de um terminal de multimídia, sem sair de meu escritório.

Durante 20 anos, eu cobria de forma presencial este NAB Show, um evento que se tornou o maior do mundo nas áreas de radiodifusão (broadcasting, ou rádio e TV abertos) e cinema, mídia e entretenimento, cobrindo as três grandes vertentes do mundo das comunicações: tecnologia, mercado e regulação. O tema deste ano é "Oportunidade de Canais" – mostrando as alternativas de Rádio, TV Aberta, TV por Assinatura, Cinema, Home Theater, IPTV e outras formas de multimídia.

"A story teller"

Para falar do cinema do futuro, a primeira dificuldade enfrentada por Chris Cookson é conceituar o que será o cinema em 2064. "Mesmo hoje não é tão fácil dizer o que é cinema. As pessoas vêem produtos do cinema em seus laptops, tablets e smartphones. Eu diria, portanto, que o cinema se transformou numa espécie de story teller ou contador de histórias. Seu grande desafio está na forma cada vez mais criativa de levar essas histórias até à mente dos expectadores."
Segundo prevê Chris Cookson, num horizonte de 50 anos, chegaremos ao limite de definição perceptível pelo olho humano. Muito mais do que as imagens de Ultra High Definition, chegaremos às imagens de Ultra High Realism, que envolve a visão tridimensional sem necessidade de óculos ou outros dispositivos especiais.

Na realidade, haverá muitas formas diferentes cinemas, em função dos modelos de negócios, e não apenas em função das tecnologias e ferramentas utilizadas. As aplicações da tecnologias permitirão o uso do cinema de 2064 e de telões de alto padrão visual tanto para fins educacionais, para treinamento, para palestras ou para puro entretenimento, como em grandes shows ao ar livres ou espetáculos esportivos – em especial os grandes campeonatos de futebol ou as Olimpíadas.

Nas salas de cinema do futuro ou mesmo nos super home theaters domésticos a melhor aplicação dos recursos tecnológicos será para obter o máximo de resultado da imensão do expectador na imagem do cinema ou da TV.


A primeira área de grandes transformações no cinema será em displays ou telas. Teremos que ir muito além do que temos hoje – com tecnologias de LED ou OLED – para aprimorar cada dia mais a imagem, o brilho, as cores e os contrastes. Partimos do 4K, que ainda está na infância, para dar o salto de maior impacto no 8K.


Para entender corretamente esses novos conceitos de super alta definição (Super High Definition), devemos relembrar que, no jargão de TV, a imagem padrão de High Defintion é chamada de 2K porque é formada por 2 milhões de pixels ou 2 megapixels, resultado de 1080 linhas de 1920 pixels cada linha. Multiplique 1080 por 1920 e obterá o número 2.073.600, que arredondamos para 2 milhões.


E 4K? Nesse caso, temos que dobrar o número de pixels tanto das linhas horizontais quanto das verticais. É o quadrado de dois (2²) ou quatro vezes mais densa, pois seu número total de pixels resulta da multiplicação de 2.160 linhas (2x1080) por 3.840 (2x1.920 pixels), o que perfaz um total de 8.294.000 pixels (que é arrendondado para 8 milhões ou 8 megapixels).


A imagem de TV 8K, por sua vez, será o resultado da multiplicação de 4.320 linhas de 7.680 pixels cada uma, porque estamos multiplicando tudo por quatro: 4x1.080 linhas por 4x1.920 pixels (ou seja:), que perfaz 33.177.600 pixels (arredondados para 32 megapixels). Se compararmos a densidade da imagem 8K com a de 2K (da HD convencional), concluiremos que ela tem 16 vezes mais densidade.


Reunião de 94 mil profissionais

Segundo Gordon Smith, presidente a Associação dos Radiodifusores dos Estados Unidos (NAB, sigla de National Association of Broadcasters), o evento recebe este ano a visita de 94.000 participantes – inclusive 3.000 brasileiros – dos segmentos de radiodifusão e multimídia. Aliás, o Brasil tem seu pavilhão, para dar um panorama da TV e do radio brasileiros, em especial o padrão de TV digital nipo-brasileiro ISDB-T, bem como o software de comunicação interativa Ginga.

Comentário (0) Hits: 5278

Médica identifica paciente com 'WhatsAppite'

whats_apping2.jpgEstadão, por Bruno Capelas
27/03/2014 - WhatsApp pode causar lesão por esforço repetitivo, fique atento! Você é daqueles que passa o dia inteiro trocando mensagens no WhatsApp, twittando ou curtindo posts no Facebook com o smartphone? Cuidado: você pode acabar lesionando seu corpo com o que uma médica espanhola identificou em uma paciente como 'WhatsAppite' – ou uma lesão por esforço repetitivo no pulso causada pela frequência excessiva com que se digita com as mãos.

Publicado no jornal médico britânico The Lancet, o caso da médica espanhola Inés Fernandez-Guerrero fala sobre uma paciente que não tinha nenhum histórico de trauma nas mãos, mas passou seis horas de seu dia de Natal em 2013 respondendo a mensagens que havia recebido no WhatsApp. "Ela fazia movimentos contínuos com as mãos e os polegares para enviar as mensagens", diz a doutora em seu relatório médico.

http://blogs.estadao.com.br/link/medica-espanhola-identifica-paciente-com-whatsappite/

Comentário (0) Hits: 771

newsletter buton