Machine Learning: estudos mostram os resultados da AI

ai.jpg*Por Simon Blake
27/02/2018 - Imagine um porto, com containers marítimos balançando no ar. Imagine o caos que seria criado se um dos guindastes falhasse, despejando muitas toneladas de carga nas pessoas e nos containers abaixo. Agora, avance rapidamente para um futuro definido por inteligência de machine learning (ML). Uma caixa de controle e um sistema de alerta automatizado notificam os engenheiros de que o guindaste está com problemas. Na inspeção, nada é óbvio… mas, ao longo do tempo, o sistema identificou que o guincho poderá apresentar falha se a velocidade do vento permanecer acima de certo limite durante certo número de horas. O guindaste ‘aprendeu’ suas próprias fraquezas.

Esse tipo de visão nos diz que a ML oferece à humanidade a chance de livrar-se das nossas atividades mais perigosas e mundanas. Tarefas repetitivas podem ser realizadas e aprimoradas, ao mesmo tempo em que ambientes complexos podem ser compreendidos e gerenciados. ML capacitará máquinas e robôs de software a capturarem informações e adaptarem processos em conformidade com elas muito mais rapidamente do que nós conseguimos introduzir tais avanços em seu código.

Aprendendo sobre machine learning

Analisando de maneira simples, a ML é o meio pelo qual máquinas usam dados para ‘aprender’. Ou, nas palavras do Gartner, operar com ou sem supervisão, com base em aulas fornecidas por novas informações. A “decisão” de efetuar uma ação específica é determinada por laços de feedback que validarão ou invalidarão essa ação. Esse é um importante desenvolvimento na maneira como as máquinas trabalharão para nós. Tanto assim que, na 2017 Global Digital IQ Survey da PWC, mais de metade (54%) das organizações pesquisadas já estão fazendo investimentos substanciais em inteligência artificial – da qual a ML é uma das principais disciplinas. O número salta para quase dois terços (63%) em um período de três anos. Isso é um bocado de investimento em nossa nova família robótica. De fato, o valor desse setor em evolução é enorme. Segundo a IDC, os investimentos em IA e sistemas cognitivos atingirá USD 12,5 bilhões neste ano de 2017.

Porém, exatamente em que essas empresas estão investindo? Nós identificamos quatro áreas nas quais a ML realmente transformará o nosso mundo:

1. Máquinas que eliminam o risco

Dos usos de ML que exploramos aqui, talvez o mais valioso seja a redução do risco. Em contextos mais industriais, como locais com maquinaria pesada ou ambientes operacionais perigosos, a ML tem a capacidade de reduzir o risco de incidentes catastróficos causados por falhas de equipamentos. Ela deverá também permitir uma confiabilidade muito maior em instalações como hospitais – nas quais as falhas de sistemas operacionais ou de energia podem ter consequências terríveis – graças a uma abordagem mais adaptável e inteligente à automação.

Essa evolução também aprimorará a infraestrutura crítica de TI que suporta as operações de negócios, o desempenho das aplicações e a disponibilidade. Tomemos como exemplo uma organização de serviços financeiros, na qual a liderança no negócio tem a expectativa de downtime zero e latência ultrabaixa nas suas negociações. A perspectiva de uma falta de energia elétrica é motivo de pesadelos para o CIO. A ML tem o potencial de redefinir os sistemas críticos dos quais essas organizações dependem. Por exemplo, o nobreak do futuro alertará preventivamente as equipes de engenharia e poderá ter a capacidade de autodiagnostico e resolução de problemas. Com os sistemas corretos em operação, as perdas criadas por faltas de energia poderiam ser eliminadas.

2. Máquinas que nos mantêm seguros

O cenário da segurança é implacável. À medida que a tecnologia de defesa avança, igualmente avançam os hackers que a atacam. Desde a prevalência de dispositivos endpoint, como smartphones e tablets, com suas vulnerabilidades específicas, até a revolução da nuvem e as alterações de protocolos de segurança, há muitas possibilidades contra as quais os profissionais de segurança batalharem. A ML poderá ajudar a fornecer algumas das respostas. O Gartner identificou que existe a probabilidade de um significante aumento na inclusão de capacidades de ML nos produtos para detecção de ameaças e gestão de segurança.

A mitigação de riscos de cibersegurança exigirá maior quantidade de analytics e reações em tempo real – para entender padrões de tráfego incomuns ou fluxo de dados para fora da rede –, que, por sua vez, exigirão uma velocidade de ação simplesmente impossível para os seres humanos ou para a tecnologia atual. Embora os seres humanos permaneçam no controle da cibersegurança hoje, é provável que, em breve, veremos robôs assumindo a liderança. É claro que os que os hackers podem fazer com essa mesma tecnologia é outra questão…

3. Máquinas cuidando de sua própria vida

Muitas empresas viverão ou morrerão conforme sua capacidade de controlar custos e gerenciar adequadamente a sua cadeia de suprimentos. Entretanto, para um significante número de organizações, isso depende de uma combinação de insight humano e automação de máquinas rápidas, mas não inteligentes. Cadeias de suprimentos e logística podem tornar-se repletos de ineficiências devidas a erro humano, à complexidade dos dados e ao desafio de “não saber o que você não sabe”. A ML oferece uma oportunidade de remover os elos fracos da cadeia e aumentar enormemente a abrangência e a velocidade dos cálculos envolvidos nesse processo – particularmente no tocante a identificar tendências que possam não ter sido descobertas de outra maneira.

À medida que a implementação das tecnologias de Internet das Coisas (IoT) continuar acelerada, o número de fontes de dados disponíveis aumentará enormemente. No futuro, as capacidades de navegação em veículos serão aprimoradas, os armazéns serão automatizados e o planejamento logístico ‘inteligente’ se tornará quase perfeito. Com o tempo, poderemos ver robôs adquirindo bens em nome de uma empresa e recebendo-os de outra que usa uma cadeia de suprimentos totalmente automatizada, baseada em ML. Muito diferente de um espaço comoditizado, a logística de cadeia de suprimentos poderá tornar-se, no futuro, um foco de empreendedores em tecnologia e superastros do desenvolvimento de aplicações.

4. Máquinas que contam histórias

Embora hoje estejamos batalhando com os dados necessários à tomada de decisões comerciais informadas, a ML revolucionará a maneira como as organizações compreendem seus clientes. Porém, não será somente em termos de análise de dados que a ML causará um rebuliço. De fato, papéis tradicionalmente associados a seres humanos inteligentes e criativos poderão, em breve, ser assumidos por nossos amigos robóticos. A revista Wired relata que robôs poderão, em breve, ser repórteres esportivos no Reino Unido – um conceito que poderá provocar uivos de desespero de torcedores da nação inteira. A ideia de máquinas capazes de nos contar histórias ao mesmo tempo em que processam volumes gigantescos de dados abre um grande número de novas oportunidades. Assim, no futuro poderá ser mais fácil criar campanhas de marketing precisas e impactantes – mas (pelo menos por enquanto) ainda necessitamos daquele público humano para consumir os produtos!

Aprendendo a mudar

Mesmo neste ponto embrionário, está claro por que a ML costuma ser encarada com um misto de fascínio e medo. Os dois sentimentos podem ser justificados. Entretanto, apesar de todas as dúvidas que possam permanecer acerca da substituição de conjuntos de habilidades humanas por automação, é provável que a ML transforme profundamente muitas empresas. Isso emergirá por meio de experimentos em áreas de ‘habilidades interpessoais’ como a de marketing, bem como redefinindo fundamentalmente a maneira pela qual ambientes comandados por física e engenharia podem ser gerenciados.

A ML imporá às equipes de TI pressões para fornecerem uma infraestrutura otimizada, mas também as ajudará a cumprirem seus papéis. Ela permitirá uma abordagem mais preditiva à gestão de TI e oferecerá maneiras adaptativas de operar sistemas de energia e refrigeração. Para equipes enfrentando uma falta de habilidades, a automação baseada em ML removerá uma parte do desafio do headcount. Quer apreciem ou detestem esses conceitos, os profissionais de TI precisam abraçá-los, porque estarão na vanguarda dessa evolução.

*Simon Blake é Diretor de Marketing da Vertiv EMEA

Comentário (0) Hits: 698

InovaBra Habitat, um projeto inovador do Bradesco

inovabra_habitat_3.jpgPor Ethevaldo Siqueira e Thais Sogayar
07/02/2018 - Num edifício de 11 andares, inteiramente dedicado ao fomento do empreendedorismo, à promoção de negócios e à inovação cooperativa, o Bradesco lançou nesta quarta-feira (7 de fevereiro) o inovaBra habitat. Esse espaço é dedicado à coinovação e à geração de negócios de alto impacto, baseados em tecnologias digitais disruptivas como Blockchain, Big Data e Algoritmos, Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Open API e Plataformas Digitais.

Situado no grande centro econômico de inovação e cultura de São Paulo, a região da Avenida Paulista – entre as ruas Angélica e Consolação, o novo ambiente busca proporcionar o desenvolvimento de coinovação pela interação, aonde todos os habitantes encontram um ambiente propício a conexões: corporações têm acesso a soluções entregues por startups, e investidores encontram boas opções de investimentos, por exemplo. O espaço já conta com mais de 600 habitantes, entre eles: startups, universidades, investimentos, grandes corporações e os principais parceiros tecnológicos do Bradesco.

"O que diferencia o inovaBra habitat de outros ambientes de coworking é o fato de ser um espaço de colaboração voltado para a inovação e com o apoio de curadoria especializada, que engloba a integração entre demanda, tecnologia e capital, para promover a inovação nos mais diversos segmentos. Uma oportunidade real para grandes empresas atuarem conjuntamente com startups já maduras em seus segmentos", afirma Maurício Minas, vice-presidente do Bradesco.

O inovaBra habitat oferece uma infraestrutura de serviços alinhada aos mais altos padrões mundiais. São 22 mil m² - sendo 10 andares, um auditório para 150 pessoas, sky longe, sala para ideação, design thinking, espaço para criação de conteúdos (creators) e área de convivência com supermercado, farmácia, café premium e agência do Banco.

Na gestão do espaço físico e relacionamento entre os frequentadores, o Bradesco se uniu à WeWork, rede global de espaços de trabalho presente em 65 cidades e 20 países. A comunidade conta com mais de 200 mil membros globalmente – empreendedores, freelancers, artistas e pequenos negócios até grandes corporações. Presente no Brasil desde julho de 2017, a empresa conta com prédios em São Paulo e Rio de Janeiro.

"Para nós é uma grande honra poder fazer parte de um projeto tão importante e com potencial de impacto social e econômico tão significativo quanto o habitat. Além de passarem a fazer parte desse ecossistema, essas empresas de grande relevância também integram, a partir de agora, a comunidade global da WeWork", declara Lucas Mendes, diretor geral da companhia no Brasil. A parceria permite que os integrantes do habitat utilizem os mais de 200 prédios da WeWork, espalhados em todo mundo, com apenas uma reserva por meio do APP.

Mentoria

Para promover de fato as conexões entre os diversos públicos do habitat, o Bradesco conta com a expertise de empresas de consultoria, referências mundiais no segmento de inovação e parceiras do Bradesco de longa data, que com a assistência de consultores especializados no papel de advisors, auxiliam na mentoria, curadoria de entrada e apoio à geração de negócios entre os habitantes.

"É um ponto fundamental para que o habitat atinja seu grande objetivo, que é o de gerar valor para todos os habitantes do espaço e, consequentemente, à sociedade, com a oferta de produtos e serviços que facilitarão a vida das pessoas", comenta Minas.

O inovaBra habitat também promoverá ao longo de todo ano uma intensa agenda de atividades junto a profissionais renomados de diferentes áreas, com eventos diários, entre workshop, dinâmicas de grupo e iniciativas voltadas para a coinovação. Já passou pelo espaço, por exemplo, Rebecca Liao, ex-assessora da Hillary Clinton e uma das exponenciais autoridades do assunto Blockchain.

Em paralelo ao habitat, o Bradesco também inaugurou recentemente o inovaBra lab, laboratório colaborativo, cujo principal objetivo é acelerar o desenvolvimento de inovação do Banco juntamente com parceiros de tecnologia. No espaço são realizadas experimentação, prototipação, provas de conceitos e outras atividades.

"Ideias e soluções criadas no habitat que tenham potencial e sejam de interesse ao core business do Banco poderão, inclusive, ser desenvolvidas posteriormente no lab", enfatiza Maurício Minas.

"Inovar de maneira colaborativa nos proporciona muito mais amplitude e agilidade para endereçar os constantes desafios das áreas de negócio do Banco. As corporações têm um dilema comum: investir internamente em inovação ou comprar tecnologias de outras empresas. Restringir-se a uma opção não é mais viável, o ideal é manter em equilíbrio essas duas forças", conclui Minas.

O habitat e o lab integram a plataforma inovaBra de inovação do Bradesco, um ecossistema de programas que abrangem aquisições estratégicas, investimentos, inovação interna e coinovação. Para mais detalhes acesse www.inovabra.com.br

A estratégia do inovaBra, segundo Maurício Minas

Maurício Minas, vice-presidente executivo do Bradesco, fez um breve histórico dos projetos de inovação do Banco, reunidos sob a designação geral de inovaBra: "Um dos objetivos do banco é desenvolver plataformas de serviços e isso não se faz mais sozinho, nós precisamos de parcerias. Nós não pensamos mais o mundo contido dentro do Bradesco. Percebemos que as startups que estão aqui, são necessárias para a nossa jornada a médio e longo prazo".

Há 4 anos atrás, surgiu ideia de criar esse guarda-chuva chamado inovaBra, composto por 8 instrumentos, que são as plataformas e os modelos que nos ajudam a acelerar a inovação. Esse processo começou internamente, primeiro com o design thinking aplicado dentro da empresa, como polos de inovação espalhados pela companhia, de maneira que isso não estivesse restrito a uma área específica, mas do banco como um todo.

A partir daí, o Bradesco passou para um projeto de inovação aberta, com a criação do inovaBra Startups, convidando as Fintechs a participarem de um programa com o banco, aonde nós iremos acelerar não ofertando dinheiro, mas ofertando o mercado. Para Maurício Minas, essa é uma iniciativa de grande sucesso, pois quase 3 mil startups passaram pelo programa nos últimos três anos e meio, e o volume continua aumentando.

O outro instrumento é o inovabra Lab – criado e instalado em Aphaville, como um ecossistema físico e digital, onde todos os laboratórios do banco foram consolidados em 16 laboratórios em um único espaço físico. A relação entre o Bradesco e seus parceiros de tecnologia – que, historicamente, ajudam o Banco a fazer a alavancagem da inovação – mudou, porque naquele espaço existe o que Minas chama de um ecossistema do Bradesco, incluindo pessoal da área de negócios, tecnologia digital, pessoal de inovação. E, com isso, foi possível acelerar o processo de inovação com muita eficiência.

No inovaBra venture, o Bradesco investiu dinheiro e apostou em algumas startups, para ajudar o processo de aceleração.

No Exterior, o Bradesco criou o inovaBra international, um hub integrado por sete pessoas do banco, que trabalham em Nova York. E esse número tende a crescer, sendo que o próximo polo será em Londres. Esse trabalho é feito em colaboração com outros bancos internacionais, com o objetivo de desenvolver modelos de negócios, plataformas e serviços que possam ser compartilhados. Com esse processo, ganhamos uma alavancagem tanto em relação ao tempo, quanto em recursos financeiros.

Quando começamos a pensar no habitat, nós não queríamos somente um espaço de cooworking, embora esse aspecto seja fundamental. É tão importante que estabelecemos uma relação com quem talvez seja o melhor cooworking no mundo que é o WeWork.

 lucas_mauricio_walkiria.jpgLuca Cavalcanti, diretor executivo do Bradesco, Maurício Minas, vice-presidente do Bradesco e Walkiria Schirrmeister Marchetti, diretora executiva do banco

Comentário (0) Hits: 857

Como viabilizar as Cidades Inteligentes?

smart city_2.jpg*Por Samir El Rashidy
19/02/2018 - Em cerca de 30 anos, a população urbana mundial crescerá 30%. Isso representa 2 bilhões de indivíduos**. O número, por si só, já chama a atenção. Mas tente abstrair essa informação considerando a cidade na qual você vive: ano após ano, novos milhares de pessoas disputarão, com você, espaço no transporte público, no sistema de Saúde, em restaurantes, em parques, no trânsito. Das horas dedicadas ao trabalho aos momentos de lazer, haverá mais indivíduos se esbarrando em calçadas, seguindo seus próprios caminhos e objetivos. A demanda por recursos também avança: o consumo de energia vai subir 36% até 2035, em um ambiente no qual a emissão de gases do efeito estufa aumentou 7 vezes no último século.

Sem otimização, organização e redução de desperdícios, fica difícil não projetar um futuro distópico, imerso no caos. Agregar tecnologia aos serviços públicos, sob o conceito de cidade inteligente (smart city) e Internet das Coisas (IoT, ou Internet of Things), não é uma mera evolução. É questão de sobrevivência de todo um sistema.

Quando se fala em cidade inteligente, não se trata só de ofertar conexão de alta capacidade em Wi-FI em ambientes públicos. O objetivo é repensar o funcionamento da cidade, de forma integrada e com auxílio da tecnologia, para que haja o mínimo desperdício de tempo, recursos e que permita uma conectividade de forma fácil, segura e rápida de qualquer lugar do planeta. Trata-se de otimizar a capacidade gerencial e a qualidade de vida dos cidadãos, com auxílio da digitalização.

Essa transformação demanda a mudança estrutural da gestão política da cidade e de empresas nos mais diversos setores, como construção, telecomunicações, energia, dentre outras, para incorporar a tecnologia na construção de edifícios conectados e eco-friendly e veículos com eficiência energética. O Gartner estima que até 2020, serão 1,39 bilhão de sensores conectados nas cidades para alcançar metas de sustentabilidade e mudanças climáticas, representando 20% de todas as coisas conectadas em uso.

Um bom exemplo na América Latina é a cidade de Medellín, na Colômbia, que em 2013 recebeu o título de "cidade mais inovadora do planeta" pelo The Wall Street Journal e o Urban Land Institute. Para ser considerada pioneira e referência no conceito, o governo local investiu na transformação de processos que facilitam o dia a dia aumentam a qualidade de vida de seus moradores em diversos âmbitos, como é o exemplo da implementação de escadas rolantes nos morros da cidade e a adoção do processo de telemedicina, que conecta pessoas em vilarejos com médicos e assistentes sociais e evita horas de viagens e deslocamentos. Além do benefício à população, a cidade conseguiu atrair atenção mundial por conta do pioneirismo, o que resultou na conquista de mais recursos. O projeto continua em expansão, atingindo, atualmente, as áreas de segurança pública, mobilidade urbana e conservação do meio ambiente.

Para que exemplos como esse sejam cada vez mais recorrentes e o conceito de cidade inteligente saia do papel de forma maciça, contudo, é preciso que o mercado evolua do discurso sobre futurologia para a aplicação efetiva, em um ambiente real, construído do zero. Esse novo modelo de cidade pode ser aplicado em uma área geográfica ainda não explorada de uma metrópole - um bairro afastado, por exemplo . Para tal, precisamos ter um forte, complexo e robusto aparato tecnológico, considerando alguns aspectos:

Conectividade: para as cidades físicas, é essencial a construção de estradas e avenidas como primeiro passo, para que as mesmas cresçam e prosperem. O mesmo vale para a digitalização das cidades quando se trata de conectividade. Palavras como banda larga, fibra óptica e Wi-Fi resumem a garantia de conexão à internet - o primeiro passo de uma cidade inteligente. Graças à evolução das tecnologias, já somos capazes de garantir conectividade através de redes híbridas, utilizando o que há de melhor em conexões satelitais, redes MPLS e a própria internet (banda larga ou até mesmo 3G/4G). Com isso, os diferentes equipamentos de IoT se tornam inteligentes e geram dados e comunicação machine to machine (M2M) que otimizam processos e garantem informação em tempo real a todos os envolvidos: dos cidadãos aos gestores;

Segurança da informação: com cada vez mais dependência dos recursos digitais, os processos da cidade ficarão mais expostos ao cibercrime - deixando governos mais vulneráveis a todo o tipo de ameaça. Para garantir a segurança do sistema e dos cidadãos, é necessário um forte aparato tecnológico, que trabalhe na detecção proativa - baseada no comportamento da rede ou de usuários da mesma - na prevenção, remediação e reeducação cognitiva da própria rede para prevenir invasões, alterações nas dinâmicas dos serviços públicos e roubo de informações;

Visibilidade: os gestores precisam saber o que está acontecendo em todo o ambiente da smart city. Isso é possível como tecnologias de monitoração, análise de tráfego e otimização de consumação de banda. Com uma visão generalizada sobre o funcionamento e demanda dos serviços, é possível identificar pontos de melhorias e otimização de processos, assim como entender para que e como está sendo utilizada a rede.

Acesso à nuvem: todos estamos ligados s à nuvem de alguma forma - pessoas, empresas e "coisas". Portanto, é importante que as cidades inteligentes estejam prontas para essa conexão aos diversos provedores de serviço em cloud de forma rápida, segura e transparente para seus cidadãos.

Entre o caos projetado para o futuro e a maior qualidade de vida nas cidades, independentemente do aumento populacional, a tecnologia é fator crucial. Não existem dúvidas: as cidades serão inteligentes. A dúvida é: quão rápidos chegaremos lá e quais as cidades que oferecerão a melhor qualidade de vida para seus habitantes.

*Samir El Rashidy é Diretor de Pré-vendas e Parcerias para América Latina da Orange Business Services
**Smart Cities & Smart Territories: How IoT is helping cities get smarter - Orange Business Services

Comentário (0) Hits: 823

Brasil terá Centro de Referência de Smart Cities

qualcomm_iot.jpgDa Redação
05/02/2018 - A Qualcomm Incorporated, por meio de sua subsidiária Qualcomm Serviços de Telecomunicações Ltda., anunciou nesta segunda-feira (05-02-2018) a intenção de criar um Centro de Referência para o desenvolvimento de soluções para cidades inteligentes no Brasil. A iniciativa tem como objetivo fomentar o ecossistema e acelerar a adoção de Internet das Coisas no Brasil.

O Centro de Referência para Cidades Inteligentes funcionaria como uma colaboração público-privada com um centro de pesquisa ou universidade a serem selecionados. O objetivo principal deste centro de referência é demonstrar o que existe de mais avançado em soluções para cidades inteligentes e apoiar administradores públicos no entendimento do potencial e na aplicação destas novas soluções para cidades brasileiras.

"A Qualcomm Technologies entrega diariamente mais de um milhão de chips para Internet das Coisas e tem amplas condições de apoiar o ecossistema nacional de IoT", afirmou Rafael Steinhauser, vice-presidente sênior e presidente da Qualcomm para a América Latina. "A Internet das Coisas pode melhorar a produtividade do país, além de abrir grandes oportunidades de qualidade de vida e econômicas. Com soluções sendo desenvolvidas localmente, temos maior capacidade de atender as demandas específicas do brasileiro para a implementação da tecnologia".

Em outubro do ano passado, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apresentaram o estudo "Internet das Coisas: um plano de ação para o Brasil", que inclui um plano de ação detalhado para o fomento e implantação de novas tecnologias no país. De acordo com o relatório, a aplicação de tecnologias de Internet das Coisas pode gerar um impacto econômico de US$ 50 a 200 bilhões por ano até 2025, o que representa cerca de 10% do PIB do país.

Comentário (0) Hits: 756

Ambisoni: áudio high definittion ao ar livre

ambisonic_2.jpgPor Ethevaldo Siqueira
12/02/2018 - Imagine ouvir o melhor som de uma orquestra – seja de música erudita ou jazz – ao ar livre, num grande jardim ou num bosque. E tudo isso com o melhor sistema de áudio e caixas acústicas já criados.

Essa é, pelo menos, a promessa da AmbiSounic Systems (TechHome-Mark of Excellence), que apresenta os alto-falantes highend mais sofisticados, com os equipamentos do Immersive HD Landscape Series, modelo 6.5HD-AW-L, que “fornece o melhor em áudio de alta definição para qualquer paisagem ou ambiente externo”.

O conjunto apresenta um Ribbon Magnético Planar de 6 polegadas e um woofer de 6.5 polegadas em configuração coaxial verdadeira, capaz de produzir um padrão de cobertura perfeitamente simétrico e menor distorção devido ao efeito do filtro acústico do alinhamento.

http://ambisonicsystems.com/

 

Comentário (0) Hits: 759

Mercado de Bitcoin vai do zero ao infinito!

bitcoin.jpg*Por Guto Schiavon
24/01/2018 - Para fazer uma analogia entre o passado e o presente, é necessário entender como funciona o sistema financeiro tradicional, que nada mais é do que a junção mundial de acordos jurídicos, instituições e agentes econômicos formais e informais que, em conjunto, facilitam as transações internacionais de capital financeiro para fins de investimento e financiamento do comércio.

Desde sua criação no fim do século XIX, durante a primeira onda de globalização econômica, sua evolução é marcada pelo estabelecimento de bancos centrais, tratados multilaterais e organizações intergovernamentais visando melhorar a transparência, a regulamentação e a eficácia dos mercados internacionais. Ao longo dos anos, nossa sociedade evoluiu no pensamento, na medicina, na ciência e principalmente na inovação tecnológica, seja por meio do boom dos aplicativos ou novidades que alteraram nossa forma de se relacionar com o mundo.

Em 2009, um programador ou um grupo que utiliza o pseudônimo Satoshi Nakamoto, criou a criptomoeda bitcoin, que hoje é considerada a primeira moeda digital mundial descentralizada e responsável pelo ressurgimento do movimento do sistema bancário livre. Com a sua invenção, a intenção era que as pessoas tivessem uma alternativa ao modelo tradicional financeiro utilizado atualmente.

Crescimento

2017 foi uma data de grande surpresa para os investidores da moeda. Neste ano, não se imaginava um crescimento de 1900% no preço da criptomoeda, que em sua criação valia zero e só em 2010, começou a ser comercializada por U$0,39. E é por este motivo que podemos afirmar que o bitcoin vai do zero ao infinito por sua trajetória de evolução sem limite de teto, presente há nove anos no mercado mundial.

Além do aumento na procura, foram apresentadas discussões calorosas sobre a escalabilidade da moeda, passando por Segwit (Segregated Witnesses), que visa melhorar o tamanho das transações, Lightning Network, que aumentará a escalabilidade do bitcoin, e aumento de bloco, que acabou gerando forks, como o Bitcoin Cash.

Durante o ano passado, a grande valorização se deu por conta de regulações pró-mercado como anúncio feito pelo governo do Japão, que passou a regulamentar o investimento com abertura de mercado da moeda de forma nacional, e também de medidas restritivas, como houve na China, que possuía grande parte do mercado de investidores da moeda migrados para ilha japonesa. No Brasil, por exemplo, o mercado de bitcoin transacionou cerca de R$8,2 bilhões. Só a nossa empresa foi responsável por 48% destas transações. A expectativa é que esse número cresça mais de dez vezes, podendo chegar a R$100 bilhões nos próximos anos.

O risco do investidor

Podemos dizer que o risco do investidor vem diminuindo ano a ano, e isso é comprovado pelo volume de transações realizadas por todo o mundo. O bitcoin ainda é um investimento de alto risco devido a sua volatilidade, mas com o passar dos anos esse parâmetro vem diminuindo com o aumento da base de usuários e adoção de novos segmentos, desde a negociação em mercados tradicionais quanto ao uso do blockchain. Outro exemplo prático é a aceitação. No Brasil, por exemplo, até dupla sertaneja aceita bitcoin como forma de pagamento. Nos EUA, o setor imobiliário aderiu pagamento via moeda digital. Atualmente, diversas empresas criam sistemas de pagamentos em bitcoin dando evidência de que o investimento já está incorporado na sociedade mesmo de forma lenta.

Todo esse cenário de crescimento da criptomoeda, faz com que nossa empresa se prepare para um crescimento mínimo de 500%, o que reflete uma projeção até no quadro de funcionários da startup. Antes tínhamos cerca de 30 colaboradores e hoje estamos caminhando para 300.

Diante disso, esperamos que o Segwit seja largamente adotado, diminuindo as taxas de rede, além das soluções de Lighning Network que estão sendo testadas. Com ambas as tecnologias, o bitcoin deve alcançar uma escalabilidade e taxas muito menores, melhorando a vida dos usuários para uma melhor adoção do mercado. Em relação ao preço, não temos como prever, mas acreditamos que com as melhorias e com a aquisição de novos segmentos, o bitcoin continue sendo o investimento do ano.

Diante disso, esperamos que o Segwit seja largamente adotado, diminuindo as taxas de rede, além das soluções de Lighning Network, que estão sendo testadas. Com ambas as tecnologias, o bitcoin deve alcançar uma escalabilidade e taxas muito menores, melhorando a vida dos usuários para uma melhor adoção do mercado. Em relação ao preço, não temos como prever, mas acreditamos que com as melhorias e com a aquisição de novos segmentos, o bitcoin continue sendo o investimento do ano.

Para finalizar, acredito que o ponto chave será a regulamentação da moeda, que deverá vir ainda em 2018. Embora a criptomoeda tenha alcançado credibilidade no mundo financeiro, um dos gargalos são as altas taxas e a lentidão de confirmação da transação, que traz desconforto para os usuários. Tenho certeza que com toda essas novidades, a escalabilidade do bitcoin irá melhorar, ajudando-o a se tornar de fato uma rede de pagamentos segura.

* Guto Schiavon é sócio fundador da FOXBIT, uma das maiores corretora de bitcoins do Brasil.

Comentário (0) Hits: 919

newsletter buton