"Se Londres fosse a Síria": o vídeo arrasa na web

save.jpg07/03/2014 - A instituição de caridade britânica Save the Children lançou nessa quarta-feira (05) um vídeo que mostra a dura realidade de uma guerra na visão de uma criança. Depois que foi divulgado na internet, a campanha ja ultrapassou os 4 milhões de visualizações.

No vídeo, a atriz de 9 anos mostra como seria a rotina de uma menina síria antes e durante a guerra civil. No início, a personagem brinca no parque. Com o passar dos dias, a brincadeira muda e ela passa a fugir de bombas e procurar esconderijos para se abrigar. A ideia da ONG é sensibilizar pais e avós ao redor do mundo.


Três anos de guerra civil devastou a vida de toda uma geração de crianças. E custou a vida de mais de 11.000 crianças e transformou mais de 1 milhão em refugiados. E submeteu-os a trauma, bombardeio indiscriminado e até mesmo tortura. Save the Children preparou este video para ajudar as crianças sírias que estão em péssimas condições de vida e sem futuro.

Assista o vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=RBQ-IoHfimQ

Comentário (0) Hits: 1103

"Selfie" de Ellen no Oscar bate recorde no Twitter

selfie.jpgReuters
04/03/2014 - Um autorretrato feito no domingo com a apresentadora Ellen DeGeneres que incluiu estrelas como Meryl Streep, Jennifer Lawrence e Bradley Cooper durante a cerimônia do Oscar rapidamente tornou-se a imagem mais compartilhada da história do Twitter.


"Recebemos um email do Twitter e nós arrasamos e quebramos o Twitter. Fizemos história", escreveu DeGeneres pouco depois que o acesso ao site de microblogs foi interrompido por causa do elevado número de compartilhamentos da imagem.

Kevin Spacey, Julia Roberts, Brad Pitt, Angelina Jolie e a nova vencedora do Oscar Lupita Nyong'o também aparecem na imagem, que foi feita por Cooper depois que DeGeneres sentou-se junto às estrelas que participaram da cerimônia de entrega dos prêmios do cinema norte-americano.
(Por Lisa Baertlein)

Legenda: Ellen DeGeneres tira uma foto em grupo durante a cerimônia do Oscar em Hollywood. Um autorretrato feito no domingo com a apresentadora Ellen DeGeneres que incluiu estrelas como Meryl Streep, Jennifer Lawrence e Bradley Cooper durante a cerimônia do Oscar rapidamente tornou-se a imagem mais compartilhada da história do Twitter. Foto: Lucy Nicholson

Comentário (0) Hits: 818

Filme "Ela" ganha Oscar de Roteiro Original

her.jpg04/03/2014 - O filme "Ela" ganhou o Oscar de roteiro original, aborda a inteligência artificial, que não está tão distante quanto se imagina.

Theodore (Joaquin Phoenix) é um escritor solitário, que acaba de comprar um novo sistema operacional para seu computador.
Para a sua surpresa, ele acaba se apaixonando pela voz deste programa, dando início a uma relação amorosa entre ambos.

Esta história de amor incomum explora a relação entre o homem contemporâneo e a tecnologia.

Enquanto isso pode parecer ficção científica e estar muito distante da realidade, o Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia, perguntou a opinião da vice-presidente e Gartner Fellow, Jackie Fenn, sobre a inteligência artificial e se esta é a direção que IA está seguindo. Jackie afirmou que o dia em que seu computador conhecerá você melhor do que outro ser humano não está tão longe de chegar quanto se pensa.

 

Legenda: Joaquin Phoenix vive um homem atormentado em 'Ela', de Spike Jonze, Warner Bros
Foto: Divulgação Picture

 

 

Could "Her" Happen? Academy Award Nominated Movie Premise Around Artificial Intelligence Not As Far Off As Some People May Think

The Academy Awards are Sunday night, and Best Picture nominee, "Her" has some people wondering if the movie is more science fiction or reality. The story centres on a man who falls in love with an intelligent computer operating system (OS) with a female voice and personality. While this may seem like science-fiction and a long way off, we asked Jackie Fenn, vice president and Gartner Fellow, for her thoughts on artificial intelligence and if this is the direction artificial intelligence is heading. Ms Fenn said the day when your computer will know you better than any human is not as far off as you may think.

Q: Is an artificially intelligent operating system like the one depicted in the film a possibility?
A: Many of the capabilities of Samantha, the intelligent OS in the movie "Her", are already here, including speech and natural language recognition, and some conversational abilities. Much of the recent progress is due to advances in machine learning, whereby the system doesn't have to be pre-programmed for every eventuality, but learns from experience. There are already virtual personalities such as Cleverbot that learn from their discussions with humans, with impressive results as shown by this YouTube video of two Cleverbots conversing.

Once the computer can get smarter from new information, there's nothing to stop it becoming as good as, and eventually better than, a person doing the same task. We've already seen it in tasks as 'uniquely human' as grading student essays and figuring out which wine will age the best. Every day there's a new example of a task that we would have thought only a human could do, except now a machine can do it better. So what's to stop an OS from becoming a better companion than most humans? The more it interacts with you, the more it learns about what pleases you and what doesn't, until it knows you better than you know yourself.

Humour and creativity will be among the more challenging areas for artificial intelligence, but even here researchers are experimenting with clever algorithms and deep learning. If a computer can learn what makes people laugh – and more importantly what makes you laugh – based on watching and analysing over time, there is no theoretical reason that a computer couldn't eventually display and respond to humour. Similarly with music or art – by experimenting, analysing and learning, it could figure out which compositions create the best emotional resonance in the human brain.

Once an artificially intelligent computer achieves these milestones, we get to the thorny challenge of consciousness and will. If an artificial intelligence computer exhibits its own unique goals and emotions in an appropriate way, how will we ever tell if it is conscious or not? Even if our philosophy of life doesn't allow us to credit an inanimate object with consciousness (although what if the computer or robot was built from live tissue?), it may not matter. Dutch scientists found that people hesitated in switching off a cute robot cat begging for mercy, and took nearly three times as long when the cat was perceived as intelligent and agreeable. The way we react to a funny, smart and helpful entity is hardwired into the human brain, so we may have less choice than we imagine about how we relate to our future artificial intelligence companions.


Q: While society grapples with the recent stigma of surveillance and identity theft threatening to undo some of the latest innovations in human-computer interaction, other natural user interface technologies are making their way into the forefront. In particular, interest is bubbling over efforts to improve natural-language speech recognition and, more ambitiously, to ascertain mood or emotion by interfacing with brain waves. How will these technologies develop and be used?

A: In the movie, Samantha's input was limited to voice and video, which already provides a wealth of information about a person's emotional state that goes beyond what other humans might detect. For example, micro expressions that reveal a person's true feelings last less than a fifth of a second and are not usually noticeable by others, but a computer analysing a video stream could easily spot them.

In a world of cheap sensors and quantified-self aficionados, computers will be able to track a person's vital signs such as heart rate, blood pressure, temperature and so on, and see how they change based on a person's activities or sensory stimuli.

Put that together with the advances in brain-computer interfaces that determine intent and emotion directly from brain signals, and your OS will be able to figure out your needs without the need for a conversation. Right now, much of the focus is on reading brain signals, but technologies such as transcranial stimulation have the potential to change brain states as well. If you wanted it to, your OS would be able to put you in a more focused or cheerful state of mind if it noticed you getting too distracted or grumpy.

Q: In the 2013 Emerging Technologies Hype Cycle, enterprises were encouraged to look beyond the narrow perspective that only sees a future in which machines and computers replace humans. In fact, by observing how emerging technologies are being used by early adopters, there are actually three main trends at work. These are augmenting humans with technology; machines replacing humans; and humans and machines working alongside each other. How should enterprises approach these trends?
A: The first thing is to acknowledge that artificial intelligence and smart machines - including robots – are going to represent a juggernaut trend for the next decade. Re-evaluate tasks that you thought only humans could do – can you redesign how processes are performed and decisions are made within your enterprise based on new smart technologies? You'll need to reassess this every year or two as the capabilities improve.

Look in particular at how to balance tasks between humans, software and robots to take best advantage of the abilities of each. There are still many challenging endeavours – including chess - where the best solution is a human working together with a computer.


Hire an ethicist or two, as ethical tradeoffs are going to be one of the few areas that remain firmly in the domain of humans. Computers may be able to answer a question faster and more accurately than any person, but it's going to be the humans who decide what the right question to ask is.

Comentário (0) Hits: 1703

RoboCop de José Padilha questiona tecnologia

robocop3.jpg13/02/2014 - RoboCop que o holandês Paul Verhoeven dirigiu em 1987, era uma obra singular, graças ao seu futuro bem definido e a idéia quase patriótica de um policial assassinado e transformado em um ser meio humano meio robô, para conter a onda de violência fora de controle de Detroit.

Com um olhar atento e pensativo no nosso relacionamento com a tecnologia, o filme de Padilha oferece um estudo sofisticado do personagem, que questiona se o esforço da humanidade para conter a violência, tanto na vida real quanto no filme, está se tornando obsoleto.

robocop2.jpgJoel Kinnaman estrela como Alex Murphy, um policial incorruptível e implacável, que está na mira de um traficante de armas chamado Antoine Vallon (Patrick Garrow). Depois de ser vítima de um carro-bomba, Murphy é transformado em um cyborg chamado RoboCop, a mando de Raymond Sellars (Michael Keaton), da Omnicorp, a organização que os produz e quer literalmente, colocar um rosto humano sobre as máquinas que sua corporação constrói.


Mas quando as características humanas de Murphy começam a minar a sua programação, ele se vê envolvido em uma batalha para manter a sua identidade, enquanto a Omnicorp mantém sua imagem, para manipular a opinião pública.


Padilha e o roteirista Joshua Zetumer questionam o uso da força, numa era onde a precisão de ataques aéreos e inteligência artificial já são uma realidade, e as qualidades humanas essenciais, como compaixão, são impedimentos para o tipo de eficiência que seria facilitada pelo uso da tecnologia.


Padilha faz então a pergunta: O que faz de um homem, um homem?
RoboCop do brasileiro José Padilha estréia nos EUA hoje, 12 de fevereiro e no Brasil, sexta-feira, 21.

Assista o trailer:

http://www.youtube.com/watch?v=UuVphAuRo7Q

Fotos cortesia da Columbia Pictures e MGM Pictures.

Comentário (0) Hits: 1177

Singularidade é tema de filme de baixo orçamento

computer_chess.jpg03/02/2014 - O festival de Sundance do ano passado exibiu um filme que é um pequeno achado: "Computer Chess" (algo como "xadrez de computador"). Ele faz parte da onda recente de filmes que tratam do tema da singularidade –o momento em que os computadores ficam mais inteligentes que nós, humanos ""e inclui produções como "Her", do diretor Spike Jonze e "Transcendence", com Johnny Depp.

A diferença é que, com baixíssimo orçamento, "Computer Chess" subverte todos os clichês sobre o tema. A história se passa não no futuro, mas sim no começo dos anos 1980, em um campeonato de xadrez em que computadores "vintage" jogam entre si. A máquina vencedora desafia então um enxadrista humano, que naquela época não tinha qualquer dificuldades para vencê-la.

Só que coisas estranhas começam a acontecer, ilustrando a ideia principal do filme: que assim como nós humanos não temos hoje qualquer chance contra o computador no xadrez, no futuro não teremos também em cada vez mais territórios.

O filme é dirigido pelo inquieto Andrew Bujalwski, que usou uma câmera Sony AVC-3260 fabricada em 1968 para reforçar o clima vintage.

Dá para assistir pela Amazon e ver a trama mostrando mesmo programadores experientes do MIT como ingênuos em relação ao potencial das máquinas que tinham nas mãos. O que nos leva a perguntar hoje, quando carregamos computadores antes impensáveis no bolso, se não seremos também surpreendidos por nossa própria ingenuidade com relação à tecnologia. Faz todo o sentido o cinema estar preocupado com essa questão.

JÁ ERA
 Apogeu dos blogs de moda
JÁ É
 Semana de moda de Nova York banindo blogs de moda
JÁ VEM
 Outros eventos limitando a participação dos blogs de moda

Comentário (0) Hits: 932

Propaganda do Macintosh, da Apple faz 30 anos

apple2_1984.jpg24/01/2014 - Esse comercial foi ao ar em janeiro de 1984, no intervalo do Super Bowl (a final do campeonato de futebol americano), para apresentar o lançamento do Macintosh e tornou-se um dos mais aclamados da história da publicidade.

A Apple gastou 1,5 milhões de dólares neste anúncio de 1 minuto, a produção e direção ficou por conta de Ridley Scott, consagrado por filmes clássicos como Alien (1979) e Blade Runner (1982). O cenário do anúncio é o sombrio mundo descrito por George Orwell no livro 1984, no qual o Grande Irmão (Big Brother) reunia a população mentalmente escravizada para sessões diárias de lavagem cerebral.

A narrativa e a cinematografia eram totalmente inovadoras para a época, ao ponto de comentaristas de TV exclamarem "O que raios foi aquilo?" após o término do comercial, que estreou durante o terceiro quarto do Super Bowl XVIII em 22 de janeiro de 1984.


Com uma única emissão, o anúncio gerou milhões de dólares em cobertura gratuita e repetições nos canais de TV por todos os EUA e até por países afora, tornando-se um marco histórico para publicitários, empresas e público.

Assista o comercial:
http://www.youtube.com/watch?v=rgG9FC-YLLg

Comentário (0) Hits: 1677

newsletter buton