Chromebook: vendas chegarão a 5,2 milhões

11/08/2014 - Segundo o Gartner, as vendas do Chromebook devem quase triplicar até 2017. Em 2014, as vendas para os consumidores serão responsáveis por mais da metade do Chromebook

As vendas do Chromebooks* atingirão 5,2 milhões de unidades em 2014, um aumento de 79% a partir de 2013, segundo o Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia. Em 2017, as vendas do Chromebooks serão definidas para quase triplicar e alcançar 14,4 milhões de unidades.

* A Chromebook é um dispositivo de computação móvel que executa o Google Chrome OS e principalmente usa a nuvem para armazenamento.

Gartner Says Chromebook Sales Will Reach 5.2 Million Units in 2014

Chromebook Sales Expected to Nearly Triple by 2017
In 2014, Sales to Consumers Will Account for Over Half of All Chromebook Sales

Egham, UK, 11th August, 2014 — Sales of Chromebooks* will reach 5.2 million units in 2014, a 79 per cent increase from 2013, according to Gartner, Inc. By 2017, sales of Chromebooks are set to nearly triple to reach 14.4 million units.

"Competition in the Chromebook market is intensifying as more vendors launch Chromebooks, with eight models in the market in 2014," said Isabelle Durand, principal analyst at Gartner. "Now that the PC market is no longer growing strongly, vendors are searching for new business opportunities. They launched Chromebooks to revive interest in sub-$300 portable PCs once the netbook bubble had burst."

Demand for Chromebooks is mainly driven by the education sector in the US. Gartner estimates that the education sector accounted for nearly 85 per cent of Chromebook sales in 2013. In addition, of the 2.9 million Chromebooks sold during 2013, 82 per cent were sold in North America, making it the major market for Chromebooks globally.


While Chromebooks are primarily used by the education sector, they will also have a place in businesses for specific workers, such as staff in banking, financial services, estate agents and hotel receptionists. "So far, businesses have looked at Chromebooks, but not bought many," said Ms Durand. "By adopting Chromebooks and cloud computing, businesses can benefit; they can shift their focus from managing devices to managing something much more important — their data."

These devices also encourage more collaboration and sharing of content. As more users work collaboratively in the cloud, collaborative working practices are likely to become more common which may further increase the appeal of Chromebooks and similar devices.
In 2011, Samsung and Acer, very consumer-focused vendors, were the first vendors to invest in Chromebooks, and were the two dominant leaders in the market in 2013 (see Figure 1) "While there is less presence in the business market, and a limited product portfolio for midsize businesses, Chromebooks could open doors to the business market," said Ms Durand.

Chromebook.jpgFigure 1. Chromebook Vendors' Shares of Unit Sales to End Users, Worldwide, 2013

Source: Gartner (July 2014)

By selling 1.7 million units in 2013, Samsung led the Chromebook market globally. It was especially dominant in the education market, having the most popular devices in primary and secondary schools. Acer, which had a 21.4 per cent market share in 2013, designs Chromebooks with a consistent focus on delivering the best value for money. It uses Intel, rather than ARM-based, CPUs because its target consumers are price-sensitive.

HP was the No. 3 vendor, with a 6.8 per cent share of Chromebook shipments, and Lenovo (which did not enter the market until last year) accounted for 6.7 per cent of shipments in 2013. HP was the only vendor to launch a Chromebook with a 14-inch screen. HP positions itself as a provider of solutions and services for businesses, and its large installed customer base in the business and education markets should provide it with a strong competitive advantage in the Chromebook market going forward. Lenovo's Chromebooks are very rugged, compared with the competition, and therefore ideal for primary and secondary school pupils. However, Lenovo needs to manage its devices portfolio in such a way as to avoid selling so many Chromebooks that it undermines sales of its other ThinkPads — which provide better margins.


Chromebooks will remain a niche market during the next five years. To reach a wider audience, vendors need to offer better features that address cloud-based usage patterns: faster connectivity, faster memory access, faster and larger solid-state drives, and strong user support in the education, business and consumer segments. "Making a competitive Chromebook is not just a matter of hardware and price; what is most important is to show how the device's cloud-based architecture provides genuine advantages to users," said Ms Durand.


More detailed analysis is available in the report "Competitive Landscape: Chromebooks, Worldwide." The report is available on Gartner's web site at http://www.gartner.com/document/2811820.


*A Chromebook is a mobile computing device that runs Google Chrome OS and mainly uses the cloud for storage. All applications are accessed or downloaded from the Google Play store, for which a wireless Internet connection through a Wi-Fi or cellular network is required. Local storage capacity is small (up to 16GB), and mostly uses solid-state drives.

Sobre o Gartner

O Gartner, Inc. (NYSE: IT) é líder mundial no fornecimento de pesquisas e aconselhamento na área de tecnologia da informação. Fornece análises de TI necessárias para seus clientes fazerem as escolhas certas todos os dias. Para obter mais informações, visite www.gartner.com.

Comentário (0) Hits: 627

Smart TVs da LG vendem mais de 1 milhão de unidades

LGwebOS_futebol2.jpg02/07/2014 - A LG Electronics anunciou que já vendeu mais de um milhão de unidades de suas Smart TVs com webOS desde o lançamento da linha, em março. Com uma experiência de usuário mais intuitiva, a LG espera vender 10 milhões de unidades até o primeiro semestre de 2015.

"Alcançar a marca de um milhão de unidades em apenas três meses é uma conquista significativa no mercado de televisores", disse In-kyu Lee vice-presidente sênior e presidente da divisão de TVs da LG Electronics Home Entertainment Company. "Em vez de continuarmos adicionando mais e mais funções em nossas Smart TVs, que poucas pessoas utilizarão, decidimos mirar na simplicidade com nossa linha 2014 de Smart TVs com webOS. Os consumidores parecem concordar com nosso ponto de vista, de que esse é o caminho certo para a evolução das Smart TVs de agora em diante."

As Smart TVs da LG ganharam o selo oficial de aprovação da Underwriters Laboratories e da Intertek, organizações internacionais de teste e certificação de produtos. Essas duas organizações influentes – bem como a maioria dos veículos especializados – consideraram a interface de usuário conveniente da LG uma evolução de peso no desenvolvimento de Smart TVs.

Acompanhe as informações nos canais LG:
Site: http://www.lge.com/br
UHD: http://www.lge.com/br/ultra-hd/st
OLED: http://www.lge.com/br/oled/index.html
Todos os Televisores: http://www.lge.com/br/tv/todos-os-televisores

Comentário (0) Hits: 1681

Site divulga os streamings dos jogos Copa

copa.jpg25/06/2014 - A Akamai, distribuidora de conteúdo, aceleração e segurança, disponibiliza números sobre o tráfego de dados e streaming de cada jogo do campeonato mundial de futebol. A partida Brasil x México, por exemplo, superou os streamings dos jogos até o momento, com 4,59 terabits por segundo.

Veja que interessante:
http://www.akamai.com/worldcup?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=worldcup&utm_term=microsite&date=061914

Sobre a Akamai - A Akamai é detentora de uma rede mundial de cerca de 140 mil servidores. Por meio de sua estrutura, a Akamai é responsável por mais de 30% de todo o tráfego de internet mundial. Como uma de suas soluções principais, a empresa possui a Akamai Intelligent Platform, que provê amplo alcance, confiabilidade, segurança, visibilidade e conhecimento únicos no mercado. Para mais informações sobre a empresa, acesse: blogs.akamai.com e siga @Akamai no Twitter.

No Brasil, a empresa é representada pela Exceda, soluções de segurança e web performance para empresas que utilizam a internet como ferramenta de negócios.

Comentário (0) Hits: 800

Tendência: TV paga que oferece 'TV everywhere'

tv_everywhere3.jpgTela Viva News
23/05/2014 -  A Viacom publicou nesta quinta-feira, dia 22, resultados do seu estudo "TV Here, There, (Not Quite) Everywhere", que explorou o comportamento de usuários de aplicativos e sites de TV everywhere (TVE).

Segundo o estudo, quem utiliza esse serviço tende a assistir também mais conteúdo televisivo em outras plataformas de distribuição. Os dados também mostram que assinantes são mais fiéis a operadoras que oferecem serviços de TV everywhere.


O estudo considerou como consumidor de TV everywhere quem assiste a filmes ou programas completos em aplicativos ou sites que funcionem por autenticação ou que exijam log-in com informações do assinante de TV paga.

Foram realizadas pesquisas online com 1.300 telespectadores entre 13 e 49 anos e 600 crianças entre 2 e 12 anos. Entre os participantes, havia pessoas que utilizavam e pessoas que não utilizavam serviços de TV everywhere.


Segundo a Viacom, 64% dos entrevistados que utilizaram os serviços passaram a consumir mais conteúdo televisivo. Além disso, 98% responderam que plataformas de TV everywhere agregam valor ao serviço de TV paga, sendo que 67% disseram que "agrega muito valor". A grande maioria (93%) disse ser mais provável manter sua assinatura de TV se o operador oferecer serviço de TVE, e 68% disseram ter uma impressão mais favorável das empresas que oferecem o serviço.


Mobilidade e flexibilidade


Entre os entrevistados que afirmaram usar serviços de TV everywhere, 31% disseram utilizar para assistir um mesmo episódio mais de uma vez, e 22% disseram que usam para assistir a um programa desde sua primeira temporada.

Mais de um terço apontou não poder assistir ao programa na grade linear como um dos motivos para utilizar o serviço, e 28% disse utilizar por estarem longe de casa. Estar com todas as televisões da casa ocupadas e poder mudar de cômodo sem parar de assistir um programa foram apontados como motivos para usar o TV Everywhere por 22% dos entrevistados.


Mais que dois terços responderam preferir utilizar o serviço de TV everywhere a serviços de terceiros ou sites grátis porque eles oferecem mais programas (42%), possuem as séries que eles querem assistir (38%) e proporcionam conteúdo exclusivo (23%).


Barreiras para adoção


Apenas 19% dos usuários entrevistados disseram não ter problemas com seus serviços de TVE. Entre os 81% restantes, o problema mais citado foi a demora para carregar o conteúdo (24%), seguido pela paralisação da imagem ou queda do sinal (23%).


Entre os que não utilizam o serviço, as maiores barreiras apontadas foram: não ver necessidade de utilizar a plataforma, preocupações com custos adicionais e não saber da existência do serviço.


O serviço perfeito


Ao serem questionados sobre quais qualidades são necessárias para que um serviço de TV everywhere ofereça uma boa experiência, a maioria entre aqueles que usam o serviço apontou flexibilidade, portfólio de conteúdo extenso, busca e recomendação de conteúdo inteligente e perfis múltiplos e customizáveis.


No quesito flexibilidade, os usuários responderam que desejam poder parar e voltar a assistir o conteúdo depois no mesmo ponto (66%), poder assistir em qualquer dispositivo (64%) e utilizar o serviço com redes Wi-Fi fora da própria residência (60%).


Em relação ao conteúdo, a maior parte dos usuários pediu acesso imediato a episódios recentes (65%), antigas temporadas dos programas (62%), conteúdo sem data de expiração (62%) e TV ao vivo (56%).


Na busca, os usuários recomendaram caixas de pesquisa para encontrar programas específicos (68%), conteúdo organizado (59%) e a possibilidade de criar suas próprias listas de exibição (55%).


Por fim, poder criar diferentes perfis em uma mesma conta (48%) e a possibilidade de personaliza-los (52%) também foram apontadas como características importantes.

http://www.telaviva.com.br/22/05/2014/assinante-e-mais-fiel-a-servicos-de-tv-paga-que-oferecem-tv-everywhere-diz-estudo/tl/378699/news.aspx?__akacao=1932667&__akcnt=88ee5b19&__akvkey=5e29&utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=TELA+VIVA+News+-+23%2F05%2F2014+00%3A30

 

 

Comentário (0) Hits: 2457

Teste de velocidade: Moto E vs Galaxy S5

motoexgalaxy2.jpg22/05/2014 - Você pode comprar 6 smartphones Moto E pelo preço de um Galaxy S5, mas quanto a performance do Galaxy S5 é superior ao Moto E?

Bom a julgar pelo vídeo divulgado pelo Phone Arena, a performance do Moto E superou expectativas: a experiência do Android supera o TouchWiz, mesmo quando ele é impulsionado pelo mais potente chipset Snapdragon disponível atualmente no mercado.

O novo smartphone de baixo custo da Motorola vem com uma versão do Android quase pura, com poucas modificações. Já o S5 vem com a interface da Samsung, a TouchWiz, que traz aquele visual completamente diferente do Nexus.

A TouchWiz traz uma grande quantidade de recursos que no final não ajudam muito a maioria das pessoas, ou seja, pouca gente usa. Como se não fosse suficiente, a interface é capaz de deixar o sistema extremamente lento e carregado.

O vídeo demonstra que as animações do Moto E são uma fração de um segundo mais rápidas, assim como acesso aos aplicativos, incluindo a entrar no modo da câmera.

Assista e compare:
https://www.youtube.com/watch?v=3P9vDAY0U0A

 

Comentário (0) Hits: 1407

Brics vendem 44% dos smartphones do mundo

brics_smartphones.jpg16/05/2014 - No primeiro trimestre de 2013 as lojas dos países que compõem o grupo dos Brics (Brasil, Rússia, Índia e China) venderam 123,4 milhões de smartphones, de acordo com um relatório da consultoria Canalys.

Divulgado nesta segunda-feira (12), o documento mostra que as vendas globais de celulares inteligentes chegou a 259 milhões, dos quais 44% correspondem ao volume dos países emergentes.

O trimestre marcou a primeira vez em que todos os Brics passaram a compor a lista dos dez maiores mercados de smartphone. Entre janeiro e março, a Rússia ficou em décimo, o Brasil em oitavo lugar, a Índia em terceiro e a China, em primeiro.

Não à toa são chinesas metade das dez maiores fabricantes de celulares. A Huawei é a terceira, a Lenovo é a segunda, a Xiaomi é a sexta, a Yolong é a oitava e a ZTE, a nona. É no país que a tendência de smartphones de telas grandes ganha força.

A venda de celulares inteligentes com telas maiores de 5 polegadas cresceu 369% no primeiro trimestre em comparação ao mesmo período de 2013. Com isso, 34% dos smartphones já possuem essa configuração. Na China, a porcentagem é maior, de 39%.

Segundo a Canalys, o segmento das telas grandes em celulares ainda liderado pela Samsung, que lançou a moda com a linha Galaxy de smartphones. Ainda assim, Lenovo, Huawei, LG e Sony possuem aparelhos nessa linha, diz a consultoria. Essa onda levou a Apple a aumentar a tela do iPhone 5 e o mercado especula que o próximo aparelho deva ser ainda maior.

http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2014/05/no-1-trimestre-brics-vendem-44-dos-smartphones-do-mundo.html

Comentário (0) Hits: 738

newsletter buton