telequestCBN Facebook Youtube

O perigo silencioso das baterias de íons de lítio

bateria_litio.jpg23/11/2016 - Dezenas de gases perigosos são produzidos pelas baterias encontradas em bilhões de dispositivos de consumo, tais como smartphones e tablets, de acordo com um novo estudo. A pesquisa, publicada na revista da Elsevier Nano Energy, identificou mais de 100 gases tóxicos liberados pelas baterias de lítio - inclusive o monóxido de carbono.
 
Os gases são potencialmente fatais e podem causar fortes irritações na pele, nos olhos e nas vias respiratórias, além de prejudicar o meio-ambiente de modo geral. Os pesquisadores responsáveis por este estudo - do Instituto de Defesa NBC (Institute of NBC Defence) e da Universidade de Tsinghua (Tsinghua University), na China - afirmam que muitas pessoas podem ainda não estar cientes dos perigos de superaquecer, danificar ou utilizar carregadores de procedência duvidosa para carregar seus dispositivos recarregáveis.
 
No novo estudo publicada pela Elsevier, os pesquisadores investigaram um tipo de bateria recarregável conhecido como baterias de “íons de lítio”, que é utilizada em dois bilhões de dispositivo a cada ano.
 
“Hoje em dia, as baterias de íons de lítio estão sendo ativamente promovidas por diversos governos em todo o mundo como uma solução de energia viável para alimentar praticamente tudo - desde veículos elétricos até dispositivos móveis. A bateria de íons de lítio é usada por milhões de famílias. Portanto, é indispensável que o público em geral compreenda os riscos por trás desta fonte de energia”, explicou o Dr. Jie Sun, autor líder e professor do Instituto de Defesa NBC (Institute of NBC Defence).
 
Os perigos relacionados à explosão de baterias levaram os fabricantes a realizar o recall de milhões de dispositivos: a Dell fez o recall de quatro milhões de laptops em 2006 e, neste mês, milhões de dispositivos Samsung Galaxy Note 7 foram convocados para recall após relatos de incêndio em sua bateria. Mas as ameaças impostas pelas emissões de gases tóxicos e a fonte dessas emissões ainda não são bem compreendidas.
 
O Dr. Sun e seus colegas identificaram diversos fatores que podem causar um aumento da concentração de gases tóxicos emitidos. Uma bateria totalmente carregada libera mais gases tóxicos do que uma bateria com 50% de carga, por exemplo. Os químicos contidos nas baterias e sua capacidade de liberar carga também afetam as concentrações e os tipos de gases tóxicos liberados.
 
Identificar os gases produzidos e as razões de sua emissão fornece aos fabricantes uma melhor compreensão de como reduzir as emissões tóxicas e proteger o público em geral, uma vez que as baterias de íon de lítio são utilizadas em uma ampla gama de ambientes distintos.
 
“Tais substâncias perigosas, em especial o monóxido de carbono, têm o potencial de causar danos graves dentro de um curto período de tempo, se vazar dentro de um ambiente pequeno e vedado, tal como o interior de um carro ou o compartimento de um avião”, disse o Dr. Sun.
 
Quase 20.000 baterias de íons de lítio foram aquecidas até o ponto de combustão no estudo, o que fez com que a maioria dos dispositivos explodisse e todos eles, sem exceção, liberassem uma série de gases tóxicos. As baterias podem ser expostas a tais temperaturas extremas no mundo real, por exemplo, se passarem por um superaquecimento ou forem danificadas de alguma maneira.
 
Os pesquisadores pretendem agora desenvolver uma técnica de detecção para melhorar a segurança das baterias de íons de lítio, de modo que elas possam ser usadas com segurança para alimentar os veículos elétricos do futuro.
 
“Esperamos que esta pesquisa permita que a indústria de baterias de íons de lítio - assim como setor de veículos elétricos - continue a crescer e se desenvolver com uma maior compreensão dos perigos em potencial e das maneiras de combater estes problemas”, concluiu Sun.
 

Comentário (0) Hits: 3037

Zenfone 3 tem ótimo custo-benefício

zenfone3_3.jpgEthevaldo Siqueira
12/11/2016 - Nas últimas semanas eu testei o smartphone que não foi nenhum iPhone 7 Plus, nem Galaxy S 7, nem LG 5,  nem o Pixel do Google,  nem o Moto Z, foi o Zenfone 3. E explico que minha avaliação positiva tem base na relação custo-benefício desse smartphone.

Com os recursos que oferece, o Zenfone 3 está praticamente no mesmo nível de qualidade e funcionalidade dos mais avançados smartphones disponíveis no mercado brasileiro e custa muito menos. Seu preço é de: R$ 1.499.

Dentre os principais recursos desse smartphone estão a tela do Zenfone 3 de alta definição, com vidro de alta resistência e sua câmera de 16MP que tem sistema avançado de foco automático contínuo, para conseguir um foco preciso em apenas 0,03 segundo (3 centésimos de segundo).

Além disso, o smartphone oferece gráficos com qualidade de PC e até 4GB de RAM, um sensor de impressão digital embutido que está posicionado na parte traseira do telefone, exatamente ao alcance do dedo do usuário para desbloquear o telefone em apenas uma fração de segundo.  


Comentário (1) Hits: 3016

Eu acredito nos fones de ouvido sem fio. E você?

airpods.jpgEthevaldo Siqueira
16/09/2016 - Se você pensa que a Apple é uma empresa de tecnologia, você está totalmente errado. Mude de ideia. A empresa fundada por Steve Jobs é uma companhia voltada para o consumo e para a experiência do usuário.

Pense nisso antes de julgar o novíssimo AirPod, os fones de ouvido sem fio que dominarão os iPhones 7 e 7 Plus. E, pode apostar, a maioria dos smartphones daqui a dois anos eliminará os tradicionais fones de ouvido com fio e usará dispositivos equivalentes aos AirPods.

 

Esse é um debate acalorado no Vale do Silício. Jornalistas da área de eletrônica de entretenimento e consumo discutem e se dividem em dois grupos discordantes sobre o tema.

Se duvida, leia https://medium.com/chris-messina/silicon-valley-is-all-wrong-about-the-airpods-8204ede08f0f

Comentário (0) Hits: 3158

Amazon Echo parece ter um futuro promissor

28/09/2016 - Não importa como eles são chamados: alto-falantes inteligentes, assistentes virtuais, robôs domésticos – os alto-falantes inteligentes Amazon Echo estão em ascensão.

alto-falante de voz inteligente surpreende com uma interface mais natural para controlar os dispositivos da Internet das Coisas. Analistas esperam que a interface de voz estará presente em centros de automação residencial, set-top boxes de TVs, hubs de controle ambiental e muito mais. Esta é a avaliação do site EETimes.

A segunda geração do Amazon Echo, cujo preço acaba de cair de US$ 89,99 para US$ 49,99 em comparação com a sua primeira versão, estará à venda no mercado americano no próximo mês.

Veja a matéria completa aqui

 

Comentário (0) Hits: 3180

Mercado brasileiro de tablets cresce 3%, revela IDC

idc_tablets.jpg26/09/2016 - Entre os meses de abril e junho foram comercializados 860 mil equipamentos; Crescimento é de 3% em relação ao primeiro trimestre de 2016

Durante o segundo semestre de 2016, o mercado de tablets voltou a apresentar taxas de crescimento em relação ao trimestre anterior, de acordo com dados do estudo IDC Brazil Tablets Tracker, realizado pela IDC Brasil líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações. No período, foram comercializados 860 mil equipamentos, incluindo os notebooks 2 em 1, ou seja, 3% a mais do que no primeiro trimestre.

“A expectativa é de que o mercado continue apresentando taxas elevadas nos próximos trimestres, principalmente por conta do Dia das Crianças e do Natal. O público infantil é o foco dos fabricantes que apostam em modelos cada vez mais personalizados para uma faixa etária que ainda não utiliza o celular. Além disso, a Black Friday também deve vir com bons preços e promoções”, conta Wellington La Falce, analista de mercado da IDC Brasil (foto).

O ticket médio dos tablets, em 2015 era de R$ 428. Neste ano, está em torno de R$ 443. “Com a estabilidade do dólar, os preços devem ficar mais atrativos. Porém, estamos falando de um equipamento que depende muito do câmbio. Então, nossa previsão para este ano é de uma elevação de aproximadamente 17% no valor investido para adquirir o produto”, completa o analista da IDC Brasil.
 
Quando comparado o segundo trimestre de 2016 com o mesmo período de 2015, o mercado de tablets apresentou queda de 32%. Segundo La Falce, a categoria perdeu espaço para os smartphones com tela grande. “Antes, o tablet de 7 polegadas era padrão e os smartphones tinham 4 polegadas. Hoje, os celulares têm telas maiores e se tornaram mais atrativos. Houve uma canibalização dos tablets, já que não conseguimos mais justificar a compra de dois aparelhos tão similares. Além disso, muitos fabricantes abandonaram o Brasil. Atualmente, apenas três marcas concentram 75% de todo o mercado”.

Ainda de acordo com o estudo da IDC, em 2016 devem ser comercializados 4 milhões de dispositivos, ou seja, 30% a menos do que em 2015. Já para 2017, a expectativa é de que a categoria atinja 3.6 milhões de produtos vendidos.

 

 

 

Comentário (0) Hits: 3174

Incerto lançamento do Galaxy Note 7 no Brasil

galaxy-note7.jpgEthevaldo Siqueira
15/09/2016 - A Samsung deveria lançar o modelo este mês no país. A fabricante anunciou um recall mundial após problemas de explosões de baterias na hora do carregamento.

Existem defeitos de fabricação nas baterias de Íons de Lítio, que aumentam o risco de explosão, e o caso mais recente é o das baterias do Galaxy Note 7, da Samsung.

Aconselho quem, eventualmente, tenha comprado esse aparelho fora do País, que pare de usá-lo por uma questão de segurança, embora até agora, o número confirmado de explosões de baterias foi de 35, segundo a Samsung. A empresa estima que a probabilidade de explosão é de 24 em cada milhão de baterias (ou de um telefone em cada 41.666).

Nem todas as baterias de íon de lítio existentes no mercado também correm o risco de explodir. Segundo especialistas, apenas aquelas que não passaram por um controle de qualidade adequado, e apresentam defeitos de fabricação.

Foi divulgado um comunicado da Samsung na Europa e nos Estados Unidos na semana passada sobre o problema do smartphone. Segundo a BBC e o jornal Financial Times, a Samsung pediu aos proprietários do Galaxy Note 7 para que deixem de usá-lo e troquem o aparelho porque eles correm o risco de explodir.

E a empresa prometeu fazer o recall desse smartphone e começará a trocar os aparelhos vendidos por novos Galaxy Note 7 a partir do dia 19 de setembro.

No sábado, os Emirados Árabes Unidos proibiram o uso desse Galaxy Note 7 nas companhias aéreas Emirates e Etihad. Três companhias aéreas australianas também proibiram o uso desse aparelho.


Comentário (0) Hits: 3234

newsletter buton