Cinco benefícios da nuvem além do ROI

Fabio Costa, presidente da VMware no Brasil

02/10/2013 - O mercado global de computação em nuvem continua a crescer, isso é um fato. A consultoria Forrester Research, Inc., prevê que esse segmento deverá movimentar US$ 2,41 bilhões em 2020. São inúmeras as empresas de todos os portes e segmentos industriais que se beneficiam do aumento da produtividade com a computação em nuvem, que exige investimento modesto na sua configuração e operação.

Na América Latina, por exemplo, 44% das empresas implantaram ou estão expandindo uma solução em nuvem, enquanto 11% consideram-na sua principal iniciativa em 2013, segundo a IDC. A consultoria também previu que, até 2016, serão investidos na região cerca de US$ 1,4 bilhão nas soluções de cloud computing.

Computação em Nuvem

02/10/2013 - Computação em Nuvem na USP, publicados pela Revista USP

nuven_01.jpgApresentação

Nuvem-1

Nuvem-2

 

 

Comentário (0) Hits: 1702

Inclusão digital deve ser um direito fundamental

11/09/2013 - Pesquisa realizada na Faculdade de Direito (FD) da USP propõe que a inclusão digital seja considerada um direito fundamental, como o direito à água, à luz, à informação, à saúde, à privacidade, etc. "O direito à internet e às novas tecnologias digitais deve estar acima de todos os outros pois, nos dias atuais, é cada vez mais comum que seja por meio dele que os outros direitos funcionem adequadamente", aponta o autor do estudo, o advogado e historiador Victor Hugo Pereira Gonçalves.

Para o pesquisador, a falta de acesso à internet somente poderá ser solucionada quando a inclusão digital for considerada um direito fundamental. "É preciso empoderar as pessoas dos direitos fundamentais. E o Direito deve ser utilizado como uma ferramenta para isso ocorrer", completa. Segundo dados da pesquisa, atualmente mais de 80% da população não está incluída no acesso à internet e às tecnologias.

Inovação e empreendedorismo

Vanderlei Bagnato (*)

22/08/2013 - A USP, por meio da Agência USP de Inovação, tem o grande desafio de aproximar o conhecimento e as pesquisas desenvolvidas pelas universidades dos setores produtivos da economia paulista (e brasileira), como a indústria e o comércio. A árdua tarefa envolve a quebra de antigos paradigmas, tal a distância que esses dois setores tomaram ao longo de muitos anos, com resultados negativos para o desenvolvimento de inovação no país. Diante dos novos desafios globais, a aproximação é irreversível e necessária para garantir um ambiente propício para o crescimento dos setores produtivos da economia brasileira.

O papel de gerador de inovação já é comum nas universidades de outros países. Na década de 1980, durante estudos no MIT (Massachusetts Institute of Technology), convivemos com os padrões norte-americanos de incentivo ao empreendedorismo. Desde o início dos estudos, os alunos da instituição tinham a responsabilidade de gerar emprego, muito mais do que procurar uma vaga de trabalho numa grande corporação.

Aliança do Pacífico preocupa o Brasil

Sergio Leo

Do jornal Valor Econômico

09/06/2013 - México, Peru, Colômbia e Chile estão constituindo a chamada Aliança do Pacífico. Vista como ameaça ao Mercosul, por sua capacidade de criar uma zona de livre comércio, voltada para o imenso mercado asiático, a Aliança do Pacífico nasce com uma população equivalente a do Brasil e 33% do comércio da região.

Embora seja, por enquanto, um projeto em fase de implantação, a Aliança já assusta os empresários brasileiros, que veem na iniciativa aspectos que faltam na política comercial brasileira. Enquanto o Mercosul empaca em uma agenda de acesso a mercados típica do século passado, andinos e o México buscam seu lugar nas cadeias globais de produção.

O caminho verde da TI

Fabio Costa, presidente da VMware no Brasil

06/06/2013 - Empresas e empreendedores que assumem o conceito 'verde' em seus processos de produção partilham os mesmos objetivos: melhorar a eficiência, reduzir custos, reduzir o consumo de energia, melhorar a ecologia do planeta e evitar a emissão de resíduos tóxicos.

A tecnologia da informação (TI) pode contribuir nesse desafio mundial. Considere-se que a adoção de um modelo de negócio "verde" envolve a implantação de uma 'cultura' de transformação em gestão de negócios a partir da própria área de TI e causa impacto em todas as soluções tecnológicas aplicadas ao negócio.

newsletter buton