Vazamento mostra os péssimos hábitos dos usuários em relação a senhas

*Por Flávio Shiga
20/07/2017 - Desde o dia 9 de julho, cibercriminosos estão divulgando uma lista com centenas de senhas e nomes de usuários de sites de e-commerce e de um intermediador financeiro no Pastebin, site que permite publicar informações de forma anônima.

O número de senhas e nomes de usuários chegou a mais de 700, incluindo ainda alguns números de CPF. Entre os sites atingidos, estão marcas como Magazine Luiza, Ponto Frio, Extra e PagSeguro.

Segundo Flávio Shiga, sócio e gerente de serviços da iBLISS Digital Security, que teve acesso a lotes de dados vazados, as informações divulgadas, apesar de não terem sido obtidas por meio do acesso não autorizado, uma "invasão" aos portais das empresas, indicam os péssimos hábitos dos usuários em relação a senhas, especialmente dentro das empresas, já que os dados mostram que alguns usuários se cadastram em sites de compras usando o e-mail corporativo.

"Outra constatação preocupante é o fato de algumas dessas senhas dar acesso aos e-mails expostos, mostrando que muitos usuários usam a mesma senha para se cadastrar em vários serviços", explica Shiga. "Se essas senhas forem as mesmas usadas também no e-mail corporativo cadastrado, algumas empresas podem estar em risco após esse vazamento".

O impacto da Inteligência Artificial na indústria financeira

*Por Regina Giovanolli
19/07/2017 - De todas as importantes tendências tecnológicas que impactam a indústria financeira, a chamada Inteligência Artificial (I.A.) vem dando o que falar. Assim como sua "prima" Blockchain, a I.A. traz à tona questões de grande impacto na sociedade e na economia global.

Estamos falando de disrupção generalizada não só dos modelos de negócios, mas também do mercado de trabalho com enormes mudanças previstas no conjunto de habilidades necessárias para prosperar neste novo cenário.

A Inteligência Artificial é a combinação de múltiplas tecnologias que permitem que as máquinas percebam, compreendam e atuem – e aprendam por conta própria ou complementem as atividades humanas.

O sucesso da I.A. depende da relação simbiótica entre o homem e a máquina, de estratégia e de um constante exercício de aprendizagem. Ainda são seres humanos que a projetam.

O futuro é dos mais ágeis

*Por Felipe Schumaher
14/07/2017 - Um estudo realizado pelo SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), apontou oportunidades em 50 nichos do varejo e mostrou que no Brasil, por exemplo, os donos de pequenos negócios precisam saber atuar principalmente no mercado online. Para esses pequenos empreendedores, atuar no ambiente digital é a melhor maneira de se iniciar uma operação com um investimento baixo.

Dessa maneira, é possível entregar um produto ou serviço de forma mais personalizada, agregando valor a sua marca e também tendo notoriedade no mercado que escolheu atuar. O que percebo é que em tempos de crise, é mais vantajoso ser rápido, e a época em que somente o grande ganhava do pequeno, já acabou. Atualmente, vemos que o serviço mais rápido se sobressai e isso é algo que acontece independentemente do tamanho do seu negócio.

Hoje, com os avanços tecnológicos, é possível ter atuação em um mercado nichado e grande ao mesmo tempo. Ser muito bom em um setor e se tornar relevante para esse público é muito melhor que ser mediano em vários. Procuro sempre dizer que analisar o seu terreno de atuação e propor melhorias ao segmento é uma forma de também evoluirmos o negócio.

É preciso enxergar o futuro da experiência do cliente

*Por Guilherme Porto
13/07/2017 - Trabalhar com a experiência do cliente hoje não se resume mais a atender bem, realizar uma venda ou responder às dúvidas com relação a determinado produto ou serviço. É preciso interagir e conhecer todo o histórico do cliente e aproveitar todos os dados captados para o planejamento de estratégias futuras. Mas como fazer isso? A análise preditiva pode ser uma das soluções.

É possível usar esse tipo de análise para resolver problemas que antes não eram percebidos. Ela ajuda a descobrir hábitos do passado que podem sinalizar o que está por vir e, com isso, identificar oportunidades de negócio ou até mesmo uma provável crise. A análise preditiva, que pode ser realizada por meio de ferramentas avançadas aplicadas em toda a base de interação com o cliente, será capaz de apontar padrões ocultos que o especialista humano não identifica, resultado de matemática aplicada. Ou seja, ela transforma dados comuns em informações analíticas para a tomada de decisão ou estratégia.

Se antes especialistas atuavam com base no histórico do cliente e usavam as informações coletadas somente no SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) para influenciar as operações, hoje contamos com a tecnologia para nos auxiliar na previsão de tendências e em como aprimorar a experiência do cliente nos mais diversos canais. Tudo isso tendo em vista a quantidade de dados que podemos extrair e que nem sempre temos como analisar e entender.

Realmente precisamos de mais escolas?

*Por Mateus Azevedo
11/07/2017 - Em uma dinâmica de grupo, enquanto explicava um pouco da vaga, um dos candidatos levanta a mão e pergunta: "Posso ir no banheiro?" Achei graça, me senti igual ao meu antigo professor de ciências do ensino médio. À noite, comentando sobre o fato com algumas pessoas, pensei: o que leva alguém a manter esse comportamento por tanto tempo após a formação no colégio? Fui pesquisar um pouco sobre a origem e evolução da escola para ver se entendia um pouco do fenômeno.

A metodologia educacional que temos no Brasil foi criada na Prússia (hoje, região da Alemanha e Polônia) em 1806. O estado assumia a criação e educação das crianças desde cedo com o objetivo de criar soldados e cidadãos leais e obedientes. Por isso, a escola foi estruturada do jeito que é: dividida em blocos de aulas com horários pré-determinados, alertas entre aulas e rigidez nas regras. Esse fator também explica a existência da estrutura hierárquica de comando (diretor, coordenador, professor, monitor de corredor...), a divisão feita por classes de pessoas da mesma idade e não por interesse ou habilidade, e um conteúdo universal definido pelo Estado.

Após dois séculos, tudo evoluiu: os automóveis, a comunicação, a forma de trabalhar, relacionamentos, etc. Entretanto, o sistema de educação prevalece o mesmo. Com tanta tecnologia e a quantidade de informação ao alcance das mãos, não é de se estranhar que tantas crianças e jovens sejam diagnosticados com TDAH? Será que elas estão sendo estimuladas da maneira correta? Pois é.

Como a inteligência artificial afetará a área de publicidade digital?

*Por Celso Vergeiro
10/07/2017 - Durante os últimos anos, vimos uma verdadeira revolução tecnológica acontecer em diversos segmentos. E na área da publicidade digital isso não foi diferente. Já falamos em outros artigos sobre a implementação do streaming nas campanhas para as televisões, que proporcionam maior agilidade, segurança e custo reduzido na hora de enviar o material para as emissoras. Agora é hora de mostrar como a inteligência artificial pode colaborar para um trabalho cada vez mais completo e eficaz.

É fato que a demanda nas agências de publicidade é enorme e, muitas vezes, o conteúdo audiovisual necessita alcançar um público mais abrangente por meio de múltiplas plataformas. Essa necessidade fez com que os anunciantes aumentassem consideravelmente o volume de informações para a criação de suas campanhas. Consequentemente, a quantidade de dados que precisam ser capturados, entendidos e mensurados, também crescem. É aí que a inteligência artificial entra para ajudar a entender e extrair os melhores insights para as peças publicitárias.

newsletter buton