telequestCBN Facebook Youtube

Como a invasão no LinkedIn pode impactar sua empresa

*Por Eduardo Bernuy Lopes
09/05/2017 - Não sei se você vai se lembrar, mas em 2012 os dados do LinkedIn foram vazados por hackers. Na época, cerca de 7 milhões de pessoas tiveram suas contas bloqueadas. Agora um fato mais interessante ainda, em maio de 2016, você e outras milhões de pessoas tiveram que alterar a senha do LinkedIn assim que entraram em suas contas. E o porquê disso? Na época, mais de 117 milhões de pessoas tiveram seus dados (login e senha) vazados e comercializados na Deep Web.

A maior rede social corporativa do mundo voltou a tocar no assunto por meio de um pronunciamento de sua equipe de segurança alegando que o "estrago" foi maior do que imaginavam, e aproximadamente 117 milhões de usuários precisaram mudar suas senhas de acesso.

Mas isso não acontece só com os usuários do LinkedIn. Aplicativos, redes sociais, sites como Dropbox, Adobe, MySpace foram invadidos e até mesmo uma conta de e-mail está vulnerável a ataques de hackers. O objetivo desse roubo de informações é disponibilizar e vender na deep web. Por que eles vendem esses dados? O que fazem com a minha senha do Adobe, por exemplo?

A resposta é mais simples do que parece. Grande parte dos usuários da internet usam a mesma senha para todas as suas contas: Instagram, Facebook, e-mail corporativo, etc. Com esses dados, um hacker – e não precisa ser o melhor deles – consegue acesso direto às informações, ERP, Intranet e outras ferramentas internas de qualquer empresa em que a pessoa trabalha. Uma etapa do processo liga à outra.

Vamos considerar o caso do LinkedIn. O primeiro passo do hacker é adquirir o login e senha do João, por exemplo. Se o e-mail que o João usa para acessar o LinkedIn é o corporativo, cabe usar a técnica de "tentativa e erro" para encontrar a senha do e-mail corporativo de João. Se João tem acesso às informações privilegiadas, o hacker terá acesso a tudo.

 

No caso dos dados inseridos no cadastro do Adobe a situação é ainda pior, pois quem busca informações sobre esses aplicativos são pessoas ligadas à TI da empresa. A chance de se corromper dados privilegiados é grande e o impacto gerado será maior ainda.

E como é possível evitar essa exposição? Com segurança. A primeira recomendação é que o e-mail corporativo deve ser utilizado única e exclusivamente para assuntos da empresa. Ele não deve ser "linkado" a uma rede social. A segunda recomendação é usar uma senha para cada conta virtual e mudá-la com frequência (1x por mês, por exemplo).

E se seus dados forem corrompidos, o que fazer?

Nesse caso, o primeiro passo é fazer um processo que chamamos de "De => Para", em que é possível correlacionar os dados e e-mails corporativos da empresa com os dados de logins e senhas que vazaram dessas redes sociais e outras aplicações. Em seguida, em conjunto com a área de TI, é solicitado que as senhas sejam alteradas o mais rápido possível, e em depois, é feito um monitoramento em cima dessas contas. Ainda nessa altura do processo, verifica-se se dados institucionais e corporativos também vazaram, utilizando o Threat Analytics. Dessa forma é possível investigar fóruns, canais de troca de mensagens e dados, páginas que não são indexadas pelo Google e outras fontes (.onion e etc).

A toque de caixa, fica aqui uma lição: LinkedIn não é corporativo. LinkedIn é uma rede social. Afinal, se você deixar a empresa, sua conta do LinkedIn permanecerá. Preste atenção!

*Eduardo Bernuy Lopes é Gerente de Segurança da Informação da REDBELT

Deixar seu comentário

0
termos e condições.
  • Nenhum comentário encontrado

newsletter buton