Tecnologia acelera e transforma o papel do CIO

daniel_burrus_3.jpg22/10/2013 - Alguma vez você desejou poder prever o futuro - e estar certo? Como seria se você pudesse ver claramente as mudanças que aconteceriam nos meses e anos seguintes e utilizasse essas informações para alcançar algum objetivo, ao invés de apenas seguir com sua rotina?

Segundo o autor Daniel Burrus você pode sim, prever o futuro com precisão suficiente para fazer toda a diferença. Na verdade, você pode aprimorar sua capacidade de desencadear uma visão exata sobre o futuro e usá-lo para produzir uma nova e diferente maneira de fazer as coisas, o que ele chamou de "Flash Foresight", título do best-seller americano da editora New York Times.

Trata-se de olhar para o futuro e transformá-lo em um novo paradigma para a resolução de problemas "impossíveis", desenterrando oportunidades "invisíveis" e desta forma administrar empresas que são extraordinariamente bem sucedidas no século 21. Nos últimos 25 anos, o autor vem estudando e aplicando sistematicamente esta previsão e descobriu sete princípios ou "gatilhos" que levam aos resultados prospectivos. Seguem os sete princípios:


1 - Comece com confiança (observe as tendências para ver o que está por vir)


Basta olhar para a Apple, que viu com precisão as tendências de aceleração da banda larga, a capacidade de processamento e a capacidade do armazenamento, para criar os mega sucessos iPod, iTunes, iPhone e iPad. Enquanto isso, Polaroid, Motorola e Kodak passaram anos agarrados a modelos analógicos, enquanto seus concorrentes triunfaram observando a chegada da era digital. Da mesma forma, a General Motors não conseguiu responder às tendências que eram evidentes há mais de uma década (aumento dos preços do petróleo, impulsionado pelo aumento da demanda global da China e da Índia e melhorar a qualidade dos rivais estrangeiros) e a Blockbuster, que perdeu mercado para o Netflix ao não perceber as possibilidades do mundo digital.

2 - Antecipar (base de suas estratégias sobre o que você sabe sobre o futuro)

Mudar de fora para dentro é tipicamente perturbador. Mudar de dentro para fora é proposital e construtivo. Este é o tipo de mudança que permite direcionar o seu futuro e aproveitar o seu destino. E a única maneira possível de operar esse tipo de mudança é se tornar previsível. Pergunte a si mesmo: "Quais os problemas que a minha empresa vai enfrentar nas próximas semanas, meses, anos? Quais problemas nossos clientes estão enfrentando? Quais problemas meu esposo, meus filhos, meus amigos estão enfrentando?

Em seguida, procure formas criativas para resolver esses problemas, antes que eles aconteçam. Outra boa pergunta a fazer é: "Qual é o meu futuro ideal daqui a 10, 15 e até 20 anos, a partir de agora? Quais passos devo tomar para moldar esse futuro agora?"

Quando você antecipa o futuro, desafios e oportunidades, você redefine o seu produto ou serviço, para capitalizar sobre as tendências que observa para entrar em novos mercados e tornar-se o líder. Lembre-se que a mudança vai acontecer quer você queira ou não. Da educação à saúde, da agricultura para a produção de energia, ela vai estourar em todos os setores e todas as instituições, mudando tudo, não deixando nada intacto em sua esteira. Vai atrapalhar catastroficamente cada aspecto de cada setor, em cada aspecto da atividade humana - exceto para aqueles que já perceberam a sua chegada.

3 - Transformar (use a tecnologia com vantagem)


Mudar significa fazer essencialmente a mesma coisa, introduzindo alguma variação, ou seja desenvolver um produto maior, menor, mais rápido, mais alto, mais longo. Aumentar o orçamento de marketing, desenvolver um novo slogan. Mas uma empresa não pode ser corrigida fazendo pequenas mudanças pequenas em seus produtos, nem a indústria da música gravada ou redes de televisão podem sobreviver simplesmente modificando. Abraçar a mudança já não é suficiente: é preciso transformar.
E transformar significa fazer algo totalmente e radicalmente diferente. No início de 1990, a livraria Barnes & Noble mudou a forma como compramos livros. Em meados da década de 1990, a Amazon transformou a maneira como compramos livros e em seguida, transformou o modo como fazemos compras. Portanto, pergunte a si mesmo: "Usando tendências rígidas, como posso transformar meu negócio nos próximos anos? "E igualmente importante: "Como posso oferecer aos meus clientes atuais e futuros, a capacidade de fazer o que eles não podem fazer, mas gostariam, sem saber que era possível? "Suas respostas a estas perguntas irão ajudá-lo a elaborar estratégias para transformar a maneira de vender, comercializar, comunicar, colaborar e inovar.

4 - Pegue o seu maior problema e ignore (não é um problema real de qualquer maneira)


Qual é o maior problema que você está enfrentando agora? Seja o que for, você tem que ter esse problema ... e ignorá-lo. Por quê? Porque ignorar aquele problema que você acabou de identificar? Não é problema seu. Na verdade, a chave para desvendar problemas mais difíceis de suas organizações, muitas vezes encontra-se em reconhecer que o problema enfrentado não é o problema real. O problema real está escondido atrás do que você acha que é o problema. Isto é o que aconteceu com a Eli Lilly. Para resolver o grande quebra-cabeças molecular, criar novos produtos farmacêuticos e melhorar a queda nos preços das ações, precisavam contratar pelo menos mais mil novos Ph.D. e eles não tinha dinheiro. O problema da Lilly era portanto: não há dinheiro.
Ou era? Ao desprezar o problema, eles perceberam que o seu verdadeiro desafio era resolver problemas moleculares. Então, eles criaram um fórum científico online chamado InnoCentive, Inc., onde eles postaram problemas moleculares de química com remuneração para quem pudesse resolvê-los. O site foi aberto para qualquer cientista com conexão de Internet, os problemas foram postados em mais de uma dúzia de idiomas, a empresa criou um pool de talentos globais, que logo encontraram soluções para os problemas. Como resultado, eles criaram novas drogas e a Lilly sobreviveu e prosperou.

Então, o que dizer do maior problema de vocês? Como Eli Lilly, se você mantiver o problema e olhar para ele a partir de ângulos diferentes, você pode muito bem achar que não é o seu verdadeiro problema - e que ao invés de tentar resolvê-lo, você pode se sair muito melhor, ignorando-o inteiramente.


5 - Vá na direção oposta (olhe para onde ninguém está olhando, veja o que ninguém mais está vendo e faça o que ninguém está fazendo)


Muitas vezes, ao procurar pelo problema que você quer resolver, nem sempre é fácil saber aonde procurar. Uma maneira de facilitar esta procura é notar aonde todo mundo está olhando - e depois olhar na direção oposta. Jeff Bezos, da Amazon observou o crescimento da Barnes & Noble, uma livraria tradicional, que passou a categoria de super loja e foi para o outro lado: ele não utilizou um espaço para desenvolver uma livraria e ainda a tornou completamente virtual. Então, pergunte a si mesmo: "Qual é a maneira de pensar a respeito de qualquer assunto no meu setor? "Então pense o contrário para ver novas oportunidades".

6 - Redefinir e reinventar (identificar e alavancar a singularidade de formas novas e poderosas)


No século 21, a única coisa que você depende é a transformação. Significa que você não pode ir para trás de ninguém, não pode ficar parado, não pode descansar, continuar a fazer o que você sempre fez, mesmo que você faça o seu melhor. A única maneira de sobreviver e prosperar é reinventar continuamente e redefinir. Reinventar e redefinir o que? Tudo.

Reinventar-se a si mesmo sempre foi uma estratégia poderosa. No passado corporativo reinvenção era uma opção, hoje é um imperativo. No passado, a estabilidade e a mudança eram dois estados contrastantes: quando se alcançava a estabilidade, você havia praticamente resolvido seu problema. Atualmente a mudança tornou-se parte integrante da estabilidade: alcançar a estabilidade só por abraçar a mudança, como um estado contínuo e permanente. Portanto, esqueça de competir, em vez disso, redefina tudo e qualquer coisa sobre o seu negócio.

7 - Direcione o seu futuro (ou alguém vai fazer isso para você)

Sua visão de futuro é uma profecia auto-realizável. Ao mudar a sua visão do futuro, você dirige o seu futuro. Previsão do começa com a certeza de encarar as tendências e com base nisso, aprender a antecipar com precisão. Ele também permite que você veja as tendências suaves, como fatores podem influenciar e moldar um futuro melhor. Estes são os passos importantes e vitais, mas há algo maior e mais abrangente: você precisa moldar ativamente o seu próprio futuro.

Dirigir seu futuro é o exercício consciente de sua capacidade criativa para imaginar e reescrever a sua vida, a carreira que envolve todos os outros princípios de previsão. O fato é que você se torna o que você sonha. Então, se você quer saber o que você está se tornando, você precisa se perguntar: "O que eu estou sonhando?"


Esta é a principal habilidade: a capacidade de projetar o futuro e em seguida, olhar para trás em sua posição atual, do ponto de vista do futuro - o que Daniel Burrus chama de "FutureView". Não é a mesma coisa que um objetivo, plano, ambição ou aspiração. Não é o que você espera ou está tentando criar - é a imagem que você realmente espera, para melhor ou para pior, do que você espera e acredita sobre o seu futuro.

Tornar-se consciente de sua própria FutureView coloca uma ferramenta estratégica extremamente poderosa em suas mãos. Dá-lhe os controles do seu próprio futuro. Seu "FutureView" determina quais ações você vai tomar, e as que você vai evitar tomar. Diferentes "FutureViews criam diferentes realidades. O que o seu "FutureView" diz sobre você, pergunta Burrus?

Traçe o seu curso


Segundo o autor, ter flashes precisos sobre o futuro são a chave para o sucesso da inovação. Comprometendo-se com estes sete princípios, você mantém a sua empresa e a si mesmo numa situação de vantagem para localizar a solução, antes do resto do mundo, que ainda nem sequer notou o problema que esta por vir.

Daniel Burrus é autor de seis livros, incluindo o New York Times best-seller "O Flash Foresight: como ver o invisível e realizar o impossível", bem como o aclamado "TechnoTrends".

Comentário (0) Hits: 1691

Apple é a marca mais valiosa do mundo

02/10/2013 - Segundo o relatório da Interbrand, empresa de consultoria que pertence ao Grupo Omnicom e publica o "Global Brands" desde 2000, a Cola-Cola (marca nº 1 há 13 anos), caiu para o 3º lugar.

A Apple não apenas substituiu a Coca-Cola como a primeira entre as 100 marcas mais valiosas do mundo, como esta é a primeira vez que a marca Coca-Cola não foi a número 1.

A chegada da Apple ao topo foi talvez, "uma questão de tempo, pois foi a marca número 2 no ano passado", disse Jez Frampton, CEO global da Interbrand, em uma recente entrevista.

O relatório de 2013 começa assim: "De vez em quando, uma empresa muda as nossas vidas, não apenas com seus produtos, mas com o seu ethos. É por isso que, após 13 anos da Coca-Cola no topo das Melhores Marcas Globais, a Interbrand anuncia um novo número 1, a Apple "

Veja mais em ingles:
http://www.interbrand.com/en/news-room/press-releases/2013-09-30-d355afc.aspx

Comentário (0) Hits: 1183

Desoneração inclui mídia

radiofusao.jpg06/04/2013 - As empresas jornalísticas e de radiodifusão foram incluídas nos setores beneficiados pela desoneração da folha de pagamento. O Diário Oficial da União trouxe a publicação da Medida Provisória 612, que estende o benefício a 14 setores, incluindo os de comunicação.

A desoneração substitui o recolhimento da previdência social, de 20% sobre a folha de pagamentos, por uma contribuição de 1% do faturamento. O benefício passa a valer a partir do próximo ano.

Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, a renúncia fiscal da desoneração deve somar R$ 5,4 bilhões em 2014.

Ilustração: revista ponto.com

Comentário (1) Hits: 1719

newsletter buton