Atos apresenta oito novas ofertas para 2018

atos-cognitive.jpg20/04/2018 - São ofertas que utilizam IoT, Blockchain e cibersegurança desenvolvidas para otimizar a rotina de empresas e consumidores

A Atos anunciou o lançamento de oito novas ofertas para 2018. São soluções em diferentes áreas da tecnologia, desde comunicação e colaboração para digital workplace, passando pela utilização de blockchain para novas formas de pagamento, até soluções disruptivas para telefonia e cibersegurança.

Entre as novidades estão o Hoox K31 for Business, um novo modelo de smartphone com alta segurança contra ciberataques, a Worldline Coffe Machine, uma máquina de café conectada e o TOTAL eWallet, um sistema de pagamento para carros conectados. Algumas destas novidades já foram apresentadas no Mobile World Congress, evento realizado em fevereiro em Barcelona, outras devem ser levadas pela Atos a outros eventos durante o ano, tanto na Europa como no Brasil.

Telefonia ultra segura

O Hoox K31 é o novo modelo de smartphone ultra-seguro da linha Hoox for Business. Baseado em Android, o smartphone garante comunicações seguras em toda a cadeia de comunicação: aplicativos e infra-estrutura. Além disso, possui funções adicionais adaptadas para uso colaborativo como conferência de voz de múltiplos usuários, mensagens instantâneas de grupo com compartilhamento de arquivos e correio de voz. Com segurança de dados de ponta a ponta, o Hoox for Business atende às necessidades dos usuários mais exigentes com ampla proteção contra intercepção e intrusão, mesmo que o smartphone seja perdido ou roubado.

Pagamento em veículos conectados

A Worldline, líder europeia em serviços de pagamentos e transações financeiras, em parceria com a TOTAL, anuncia uma solução que permite aos motoristas pagar por bens e serviços sem sair de seu carro. O TOTAL eWallet é uma solução 100% digital e conectada que permite aos consumidores efetivar suas compras, por meio de dispositivos móveis, em apenas alguns clicks. A prova de conceito foi implementada para ilustrar o uso e a conveniência da solução para uma unidade de mercado, mas pode ser aplicada a muitos outros casos de uso como postos de combustíveis, carregadores de carros elétricos, estacionamento, pedágio, entre outros.

Rastreabilidade de alimentos via blockchain

O Origin é uma solução baseada em Blockchain que revoluciona o modo de fornecer rastreabilidade completa de produtos alimentares para os consumidores. Por meio deste aplicativo, é possível acessar as informações sobre cada etapa da jornada de um produto, desde a fazenda até a prateleira. Na loja, o consumidor capta as informações de um QR code para ver o histórico daquele produto e tomar decisões de compra. Esta solução foi apresentada, recentemente, durante a Conferência Global de Segurança Alimentar, em Tóquio.

NFV (Network Functions Virtualization)

Fruto de uma parceria entre a Atos, Dell EMC, Intel, Jupter Networks, Red Hat e VMware, esta solução acelera a entrega de valor do NFV (Network Functions Virtualization), conseguindo a flexibilidade para suportar qualquer NFV de qualquer fornecedor e a agilidade necessária para diminuir o custo, respondendo aos desafios de negócios que os operadores de telecomunicações enfrentam hoje para migrar as redes de telecomunicações de um modelo físico tradicional para um ambiente virtual moderno. A aliança nasceu de uma visão compartilhada de como ajudar empresas a obter benefícios comerciais de: Capex Reduzido, Opex Reduzido e maior agilidade do negócio.

Atos Codex para Telco

O Atos Codex é uma solução de análise de ponta a ponta totalmente integrada e cruzada. Disponível para empresas no Brasil, a ferramenta coloca as redes de telecomunicações no mercado com rapidez com análise de dados, computação cognitiva, aprendizado profundo e internet das coisas, alavancando dados de clientes e redes para gerar valor comercial. Os casos de uso incluem marketing contextual em tempo real (para varejo) e gerenciamento de multidões (análise de densidade e movimento) para grandes reuniões.

Blockchain para novos modelos comerciais

Devido ao crescente interesse por criptográficas, especialmente Bitcoin, a tecnologia subjacente Blockchain tornou-se um assunto de interesse. Atos está usando o Blockchain para construir redes privadas, com permissão para fins de rastreabilidade, em uma variedade de setores, como varejo, transporte e cadeia de suprimentos. Os potenciais benefícios do Blockchain, contrariamente ao que se costuma pensar, são mais do que apenas financeiros: eles se estendem a muitos domínios como IOT, governo, saúde, varejo, fabricação, energia, cadeia de suprimentos e educação.

Atos Digital Workplace

As soluções de colaboração da Atos estão transformando o local de trabalho para os ambientes digitais com o Circuit. Esta solução reúne voz, videoconferência HD, bate-papo, compartilhamento e gerenciamento de dados em tempo real em um único aplicativo, permitindo que funcionários em todo o mundo se conectem e compartilhem informações facilmente. A Atos também oferece o OpenScape, ferramenta de gerenciamento de chamadas e soluções de colaboração social VoIP de nível carrier totalmente gerenciado - voz, vídeo, compartilhamento de tela, bate-papo, compartilhamento de arquivos e muito mais.

Máquina de café conectada da Worldline

A máquina de café Proof of Concept (PoV), criada pela Worldline, líder europeia para serviços de pagamentos e transações financeiras, está ligada a um terminal de pagamento baseado em Android e permite pagamentos seguros via Internet das Coisas (IoT). Além disso, fornece novas interações com chatbots e aplicativos Web Progressivos, prometendo revolucionar a indústria de pagamentos. Esta máquina chega para ser a próxima fronteira em pagamentos com soluções de pagamento seguro da IoT.

Comentário (0) Hits: 36

Inteligência robótica vai concorrer com os jornalistas

knowhere_news.jpgPor Kristin Houser, do portal www.futurism.com
09/04/2018 - Quer que sua notícia seja produzida sem “bias” ou sem distorções, com a frieza de um robô? Você talvez queira conhecer o site recém-lançado Knowhere News. Ele é resultado do trabalho de uma startup que combina tecnologias de aprendizagem de máquinas (machine learning) e jornalistas humanos para dar maior confiabilidade aos fatos em reportagens e notícias de cunho popular.

Eis como funciona. Primeiro, o software de Inteligência Artificial do site (IA) escolhe uma reportagem ou notícia baseada no que é mais popular na Internet agora. Uma vez escolhido um tópico, ele consulta mais de mil fontes de notícias para coletar outros detalhes. Os recursos de IA consultam tanto os sites esquerdistas (liberais, nos EUA) quanto os direitistas ou conservadores.

A partir daí, as ferramentas de IA escrevem sua própria versão "imparcial" da reportagem ou notícia baseada no que tenha apurado. Às vezes tão rapidamente, como em 60 segundos. A IA conclui, então, que a notícia contém os fatos mais básicos, e busca remover qualquer viés potencial. A IA também leva em conta a "confiabilidade" de cada fonte, algo que os criadores do Knowhere tenham determinado previamente.

Isso evita que um site de alta reputação no tocante à confiabilidade não seja ofuscado por outro mais afoito e menos comprometido com os fatos.

Leia mais aqui:

Comentário (0) Hits: 205

Prepare-se para as oportunidades da Internet das Coisas

iot2.jpg*Por Flávio Stecca
16/04/2018 - Quando o Google comprou a empresa de termostatos conectados à internet Nest por US$ 3.2 bilhões e a Amazon lançou a caixa de som inteligente Echo, em 2014, o mundo passou a conhecer uma expressão até então restrita aos laboratórios do Vale do Silício: a 'internet das coisas'. Era uma forma de designar toda uma geração de dispositivos ligados à internet, de uma geladeira que avisa quando falta leite ao chaveiro que emite sinais de localização para ajudar seu 'dono' que perdeu as chaves. Apesar da 'Internet of Things' (IoT) ter nascido com foco nos aparelhos de uso doméstico, essa revolução já derrubou as paredes das casas inteligentes e está se espalhando rapidamente por todas as áreas de negócios.

As possibilidades que a internet das coisas abre são gigantescas e animadoras! Aqui no Brasil, o estudo contratado pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para embasar o Plano Nacional da Internet das Coisas, estima que essas tecnologias poderão gerar entre U$ 50 e U$ 200 bilhões por ano, até 2025. Trazendo para a perspectiva atual, basta ver a rápida evolução conceitual e tecnológica do próprio Amazon Echo: se em sua primeira versão o dispositivo respondia a simples comandos de voz por meio de sua assistente pessoal, a simpática Alexa. Hoje, com a ajuda de algoritmos de inteligência artificial, o aparelho executa tarefas de complexidade bem maior. Quer comprar um ingresso para o show da sua banda favorita? A Alexa pode fazer isso antes mesmo de você verbalizar o desejo, ao saber que a sua banda favorita tocará na sua cidade. Vai receber um casal de amigos para um jantar? A Alexa pode se conectar ao serviço de delivery do seu restaurante favorito e fazer o pedido.

Se as possibilidades de novos serviços e produtos que surgem com a sofisticação da Alexa já são impressionantes, imagine quando essa tecnologia atingir todo o resto da economia, presente em muito mais objetos e equipamentos conectados à internet. Basta imaginar que hoje, de acordo com a Internet World Stats, temos 3,8 bilhões de pessoas conectadas à internet, cerca de 51% da população mundial. O número de aparelhos conectados crescerá bem mais rápido e em progressão geométrica: a previsão é que em 2020 tenhamos mais de 20 bilhões desses objetos conectados. E com a tecnologia conhecida como 'machine learning', essas coisas estarão 'pensando' suas próprias ideias, baseando seu aprendizado em análises de dados e no comportamento de seus usuários.

As empresas que levarão vantagem sobre a concorrência serão aquelas que conseguirem não apenas reunir todos esses dados coletados por suas máquinas inteligentes, mas analisá-los e processá-los para oferecer serviços que melhorem a vida de seus usuários. Dados coletados e analisados sob um o contexto correto podem fornecer possibilidades surpreendentes. Além de casas inteligentes, já temos lojas inteligentes, estoques inteligentes, linhas de montagem inteligentes, supply chains inteligentes. É por isso que temos que estar preparados: produtos mais inteligentes, segmentados, customizados tornam consumidores mais exigentes com o anseio de atendimento eficiente e personalizado.

Há diversas áreas em que a IoT será disruptiva para as empresas. Vai melhorar o processo de tomada de decisões, que passará a ser mais baseada em dados objetivos 'colhidos' pelos próprios produtos, desde a sua elaboração na linha de montagem até à forma com que seus consumidores os utilizam. Isso terá impacto direto também na melhoria da gestão das empresas, reduzindo custos operacionais e otimizando os gastos.

E quais empresas vão conseguir fazer isso bem e surfar essa onda de oportunidades?

Na Movile, nos esforçamos muito para enxergar as disrupções causadas pela tecnologia como oportunidade de crescimento e aprendizagem. Porém, não é somente com uma visão de futuro que se cria uma empresa inovadora. Fomentamos a cultura de errar e aprender rápido, por isso trabalhamos desenvolvendo centenas de pilotos sempre com propósito de fazer a vida de um bilhão de pessoas melhor. Acreditamos que se aprendermos um pouco sobre nossos usuários em cada piloto e trabalharmos duro para resolvermos os problemas e corrigirmos os erros, vamos construir algo que agrega valor na vida das pessoas. Um exemplo disso é o recém-lançado assistente de voz da PlayKids para o Google Home e dispositivos Android. A nossa ideia ao lançar essa feature é oferecer mais uma possibilidade de interação para as crianças. Hoje, a PlayKids é uma plataforma educativa na qual elas interagem com jogos, músicas, vídeos, livros seja pelo tablet ou smart tv's. Com o assistente de voz do Google, agora elas passam a interagir com a música em um outro formato ainda mais intuitivo. Além da PlayKids, outro serviço é o Rapiddo Click, desenvolvido pela Rapiddo Entregas: por meio de um botão, é possível convocar motoboys cadastrados com uma economia de até 98% do tempo. A novidade tem como foco os restaurantes e serviços de delivery com grande demanda, mas o maior beneficiário será mesmo o cliente final, que receberá sua entrega com mais rapidez. O iFood também apresentou uma solução semelhante para facilitar a vida dos seus usuários: já é possível pedir o delivery do seu prato favorito apertando apenas um simples botão.

Para mim, uma das maiores oportunidades está em quais novas estratégias e modelos de negócios surgirão com essa onda de inovação. Pensar em como catapultar negócios atuais, como encontrar sinergias e complementaridade com o que já dá certo hoje, ou como viabilizar modelos até então inviáveis anteriormente por limitações tecnológicas.

A IoT evoluirá de maneira tão surpreendente que assistiremos a uma revolução dentro da revolução. As coisas não apenas poderão trocar informações entre si, mas realizar transações entre elas. Como isso vai mudar a criação de novos produtos? E a legislação? E a publicidade? Teremos que criar campanhas de marketing específicas para máquinas? Veremos objetos comprando outros objetos, criando uma economia paralela totalmente nova?

Depois de derrubar as paredes das casas inteligentes, prepare-se para a Internet das Coisas bater à porta da sua empresa. Pode ser um mensageiro com uma notícia ruim, ou uma oportunidade pela qual você esperou a vida toda.

*Flávio Stecca é CTO da Movile

Comentário (0) Hits: 284

Algar Tech inicia sua atuação no inovaBra habitat

inova_bra_algar.jpg13/04/2018 - A ideia é que o ambiente seja usado para estreitar o relacionamento com o ecossistema de inovação, encontros com clientes, prospects e outros parceiros para desenvolvimento de projetos relacionados ao aprimoramento da experiência dos clientes e usuários finais.

Inteligência Artificial, Design de Serviço, Advanced Analytics, IoT e Plataformas Digitais são algumas das frentes escolhidas pela Algar Tech para auxiliar na construção das melhores jornadas dos seus clientes. Além disso, a companhia participará da seleção de startups que compartilharão esse espaço de inovação, bem como fará parte do Conselho do inovaBra habitat.

Mais que um espaço físico, a presença da companhia em um ambiente que estimula a geração de novas ideias em conjunto e onde os projetos serão desenvolvidos por meio de parcerias e utilização de metodologias ágeis, reforça o seu compromisso com o desenvolvimento dos mercados de gestão de relacionamento com clientes e ambiente de tecnologia e a imersão na transformação digital dos seus clientes.

"Estamos muito otimistas com essa novidade", afirma Marco Aurélio Matos, CDO da Algar Tech. "É uma grande oportunidade de ampliarmos nosso ecossistema de inovação com criação de soluções disruptivas que vão aprimorar e até mesmo transformar nosso portfólio de ofertas, para atender nossos clientes nesta jornada de transformação digital", acrescenta o executivo.

Recentemente, a Algar Tech lançou metodologias ágeis e próprias de inovação e transformação digital, que facilitam o entendimento do negócio dos clientes e a aplicação de modelos de negócio sob medida, com foco em resultados. "Somos percursores em transformação digital nas soluções de atendimento com foco em eficiência e na melhor experiência do consumidor e usuários de tecnologia. Iniciativas desenvolvidas a partir da nossa atuação com os habitantes do inovaBra nos ajudarão a manter esse protagonismo", enfatiza Matos.

A Algar Tech investe em inovação incremental, colaborativa e disruptiva para fortalecer a jornada de transformação digital dos negócios. Em seu Innovation Lab em Uberlândia (MG) são realizadas várias atividades como palestras, workshops, apresentações de cases, oficinas de metodologias ágeis, maratona de programação (hackathon), projetos de cocriação, práticas de mercado e soluções/tendências em tecnologia, engajando associados (como são tratados seus funcionários), clientes e parceiros.

Sobre o inovaBra habitat

Inaugurado em fevereiro, o inovaBra habitat é o ambiente de co-inovação do Bradesco dedicado à geração de negócios de alto impacto baseados em tecnologias digitais disruptivas, como Blockchain, Big Data e Algoritmos, Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Open API e Plataformas Digitais. O espaço, localizado estrategicamente em um dos polos culturais de São Paulo, reúne empresas, startups, investidores, mentores e empreendedores para gerar novos negócios e buscar soluções inovadoras com base no networking e na colaboração.

Comentário (0) Hits: 313

Inteligência Artificial na indústria de telecomunicações

sas_luiz_riscado 1.jpg*Por Luiz Riscado
12/04/2018 - Quem participou do Mobile World Congress este ano, em Barcelona, certamente voltou para casa com importantes reflexões. O congresso foi cenário de um debate amplo sobre as forças que transformarão o ecossistema de telecomunicações no futuro próximo e que serão responsáveis por gerar as maiores oportunidades e ameaças para essa indústria.

Alguns temas já estavam no radar do setor, como a quarta revolução industrial e o potencial do 5G. Mas o centro das atenções deste ano, sem dúvida, foi a inteligência artificial – e as possibilidades que ela proporciona uma vez conectada às redes de telecomunicações.

A constatação geral é simples: agregar inteligência à montanha de dados gerados diariamente por uma operadora será um fator crucial para seu sucesso e para garantir o retorno dos grandes investimentos necessários para a expansão do 5G.

Telecom em três momentos

Nas últimas edições do MWC, foi possível observar três grandes ondas de evolução no diagnóstico sobre o que definirá o sucesso ou o fracasso do setor nos próximos anos. Foram elas:

1 – Desenvolvimento tecnológico e velocidade de transmissão: No início desta década, cerca de 70% da agenda do congresso era dedicada a apresentar os avanços em redes, transporte e acesso. O lançamento e os primeiros anos da rede 3G marcaram esse estágio. A convicção era de que o desenvolvimento da infraestrutura, com velocidades de transmissão cada vez maiores a custos reduzidos seriam os elementos-chave da indústria.

2 – Rentabilização de redes: Em um segundo momento, com a queda das receitas de voz e a comoditização da oferta de dados, o caminho parecia ser o desenvolvimento de formas criativas e eficientes para rentabilizar as redes, com um esforço especial em conhecer e acompanhar a jornada e a experiência dos clientes. Assim, os debates no Mobile World Congress eram divididos entre tecnologia de redes e aplicações, serviços e formas de monetização. O Analytics também entrou em pauta como o caminho para o sucesso da indústria, em paralelo ao lançamento e consolidação do 4G;

3 – 5G e IoT - Com o 5G cada vez mais em alta, a estimativa é de que, até 2025, 1,2 bilhão de usuários tenham acesso a esse serviço. Entre os assuntos relevantes para a indústria, apenas 30% dos temas tratam de tecnologias de rede. O restante reúne discussões sobre geração de receita e serviços de valor agregado, tais como Internet das Coisas, realidade aumentada, carros autônomos, cidades inteligentes, entre outros. Evidente que a inteligência analítica é o combustível para alimentar as decisões ligadas a todos esses temas.

O que esperar do futuro

Quem já atua desenvolvendo e aperfeiçoando técnicas de Inteligência Artificial em suas soluções, terá vantagem no desafio de tornar a conectividade das redes e dos serviços de telecom cada vez mais inteligentes. A Inteligência Artificial e o Machine Learning são elementos evolutivos em relação à jornada de implementação de plataforma analítica que as operadoras brasileiras estão usando nos últimos cinco anos.

Quanto à Inteligência Artificial, boa parte da energia dedicada a ela está empregada na camada de interação com as máquinas. E todos os dispositivos envolvidos nas redes de telecom tendem a ter as capacidades desse tipo de inteligência como tecnologia embarcada.

Para uma empresa de telecom, o verdadeiro valor da Inteligência Artificial se traduz em gerar receita para o negócio, além de ajudar na redução dos custos operacionais. Isso é possível ao se aplicar os ciclos analíticos que permitem a uma operadora automatizar seus processos orientados a dados.

Os requisitos para o sucesso em Inteligência Artificial - ganho de escala e self-service analytics, por exemplo - serão uma realidade em pouco tempo, com custos cada vez menores. Isso é o que chamamos de Advanced Analytics.

Há muito trabalho a ser feito e a essência disso é a estruturação dos processos para automação do ciclo analítico. Para as empresas já envolvidas com a chamada “terceira onda”, quanto antes elas adotarem a conectividade inteligente em sua oferta de serviços, maior será seu diferencial competitivo.

* Luiz Riscado é diretor comercial do SAS Brasil

Comentário (0) Hits: 337

Como a IoT pode ajudar nos desafios das cidades?

iot.jpg*Por Gabriel Dias
11/04/2018 - Atualmente, mais da metade da população mundial reside em áreas urbanas, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). A perspectiva é que até 2050, mais de 70% se concentre nas cidades, sendo que a média do crescimento anual dos moradores dessas regiões é de 1,8%. Diante desse panorama, é fácil compreender porque temas como mobilidade, saúde, energia e água são tão emergenciais para as políticas públicas, já que o aumento populacional traz necessidades, tanto na adequação da infraestrutura quanto na prestação de serviços.

Em resposta ao número de desafios apresentados, a Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), se consolida como uma grande catalizadora para a promoção de serviços melhores, assertivos, inteligentes e eficazes aos municípios, auxiliando no aprimoramento da qualidade de vida dos cidadãos e proporcionando facilidades à gestão administrativa e aos processos operacionais, principalmente nas grandes metrópoles.

No Brasil, a aplicação de soluções IoT voltadas para a criação de uma cidade inteligente já está em andamento. O Smart City Laguna, projeto que está em construção, ficará em São Gonçalo do Amarante, no Ceará, e a expectativa é alta para o impacto que seu desenvolvimento poderá ter na sociedade.

Confira algumas das demandas que as soluções com Internet das Coisas podem suprir!

Energia

A IoT pode ser utilizada para auxiliar o monitoramento de instalações elétricas, por exemplo, com tecnologias de rede inteligente, medição otimizada e plataformas para a iluminação de vias. Essas tecnologias permitem que o uso da eletricidade seja mais eficiente pela aplicação de análises preditivas aos dados coletados por sensores, sejam eles nos painéis de eletricidade, nos bairros, nas ruas ou nas residências.

A disponibilidade, em tempo real, de informações sobre a qualidade do serviço podem ser fundamentais para resolver problemas de fornecimento e gerenciamento de energia em cidades de grande porte. Por outro lado, em cidades menores, os governantes podem reduzir gastos e melhorar o direcionamento de seus investimentos com base na necessidade real dos moradores.

Mobilidade

A experiência de transporte da população pode ter sua performance aprimorada por meio da análise dos dados dos sistemas de relatórios das vias de tráfego, que podem ser obtidos com o uso de sensores em câmeras de vídeo e veículos de transporte coletivo. É possível analisar o tempo de trajeto, quantidade de carros, quantidade de passageiros, entre outras informações.

Assim, a aplicação de tecnologias IoT na resolução das demandas de transporte permite que os investimentos sejam melhor direcionados, de acordo com as reais necessidades de cada percurso.

Saúde

Por meio do monitoramento da qualidade do ar, temperatura e outras situações climáticas, a IoT permite que os órgãos responsáveis sejam capazes de rastrear as condições ambientais em toda a cidade, permitindo a atuação com soluções para melhorar a qualidade de vida da população e, consequentemente, a situação da saúde pública.

Com o monitoramento das condições climáticas da cidade, os moradores podem ser incentivados a compartilharem os dados coletados por seus smartphones e smartwatches. O cruzamento dessas informações deve ajudar governantes a encontrar regiões que devem receber prioridade no investimento em infraestrutura de parques e outros espaços públicos projetados para a prática de esportes.

Coleta de lixo

Com o uso de dispositivos IoT capazes de monitorar os níveis de lixeiras públicas, o sistema de zeladoria das cidades pode ser otimizado. A automatização do acompanhamento facilita o planejamento da logística de coleta e limpeza das vias públicas, seja buscando a melhor periodicidade de execução desses serviços ou simplesmente encontrando uma rota que prioriza o esvaziamento de lixeiras com menos espaço disponível.

Manutenção de instalações

Com a tecnologia atual, é possível criar sensores capazes de detectar vazamentos de água, falhas elétricas ou até mesmo problemas em tubulações de gás. Ao conectar esses sensores à uma plataforma na Internet, os responsáveis pela manutenção dessas instalações podem tomar providências ágeis em caso de emergências.

Nesse caso, além de gerar uma economia para os recursos públicos, a IoT também pode ajudar a salvar vidas que estariam em risco por conta de acidentes provocados pela reação tardia a alguma dessas eventualidades. Por fim, a maturidade do processo de manutenção pode ajudar a melhorar o planejamento de manutenções em que é possível prever problemas de antemão.

*Gabriel Dias é Head de Internet das Coisas da Semantix, empresa especializada em Big Data, Inteligência Artificial, Internet das Coisas e Análise de dados

Comentário (0) Hits: 342

newsletter buton