O mundo terá 7 bilhões de celulares em 2014

uit_dados2.jpg07/05/2014 - O mundo terá no final de 2014 a impressionante marca de 7 bilhões de celulares em serviço e 3 bilhões de usuários de internet, segundo dados divulgados pela UIT–União Internacional de Telecomunicações, agência especializada das Nações Unidas que normatiza esse setor.

Os acessos em banda larga móvel chegarão a 2,3 bilhões globalmente. Cinquenta e cinco por cento dessas assinaturas são esperados para estar no mundo em desenvolvimento.

É um balanço oportuno, porque neste sábado, 17 de maio, é comemorado, tradicionalmente, o Dia Mundial das Telecomunicações pela UIT. Aliás, o novo nome dessa data é agora Dia Internacional da Sociedade de Informação, levando em conta as chamadas Tecnologias da Informação e das Comunicações.

Segundo a UIT, esse setor é hoje o mais dinâmico do desenvolvimento tecnológico mundial. O secretário-geral da entidade, Hamadoun I. Touré, ressalta que "os números recém divulgados confirmam, mais uma vez, que as tecnologias de informação e comunicação continuam a ser os principais motores da sociedade da informação ".

Já o Diretor de Desenvolvimento das Telecomunicações da UIT Bureau, Brahima Sanou, afirma que, "se quisermos compreender a sociedade da informação, temos que medir isso. Sem medição não podemos acompanhar o progresso ou identificar as lacunas que exigem nossa atenção. "

A telefonia fixa em retrocesso

Os resultados mostram que a penetração de telefonia fixa diminuiu ao longo dos últimos cinco anos. Até o final de 2014, haverá cerca de 100 milhões de assinantes de telefonia fixa menos do que em 2009.

Usuários de celular

Já as assinaturas de serviço celular deve chegar a quase 7 bilhões até o final de 2014, e 3,6 bilhões delas estarão na região da Ásia-Pacífico. O aumento deve-se principalmente ao crescimento no mundo em desenvolvimento, onde as assinaturas móveis de celular serão responsáveis por 78% o do total do mundo. Os dados mostram que as taxas de crescimento dos acessos via celular atingiram o seu nível mais baixo: 2,6% a nível mundial, o que indica que o mercado está se aproximando de níveis de saturação, afirmou a UIT.

A África e a região Ásia-Pacífico, onde a penetração atingirá 69% e 89%, respectivamente, até o final de 2014, são as regiões com o maior crescimento de acessos de telefonia móvel (e as taxas de penetração mais baixa).

As taxas de penetração na Comunidade de Estados Independentes (CEI, sigla que representa os países ex-integrantes da antiga União Soviética, exceto as repúblicas bálticas: Estônia, Letônia e Lituânia), nos Estados Árabes, nas Américas e na Europa atingiram níveis acima de 100%, e devem crescer menos de dois por cento em 2014. A região com a maior taxa de penetração da telefonia móvel celular é a CEI.

Banda larga fixa desacelera nos emergentes

Até o final de 2014, a penetração da banda larga fixa terá atingido cerca de 10% a nível mundial. Quarenta e quatro por cento de todas as assinaturas de banda larga fixa – se na Ásia e no Pacífico, e 25 por cento estão na Europa. Em contraste, a África é responsável por menos de 0,5%o de subscrições fixas de banda do mundo, e, apesar do crescimento de dois dígitos ao longo dos últimos quatro anos, a penetração em África continua a ser muito baixa.

África, Estados Árabes, e CEI são as únicas regiões com taxas de crescimento de penetração da banda larga fixa de dois dígitos. A região das Américas se destaca com o menor crescimento da penetração da banda larga fixa, estimada em 2,5% e atingindo uma taxa de cerca de 17% de penetração até o final de 2014. A penetração da banda larga fixa da Europa é muito maior em comparação com outras regiões e quase três vezes mais elevada que a média global.

2,3 bilhões de usuários de banda larga móvel

Globalmente, a penetração de banda larga móvel chegará a 32% até o final de 2014. Nos países desenvolvidos, a penetração de banda larga móvel chegará a 84%, um nível quatro vezes maior do que nos países em desenvolvimento (21%). O número de assinaturas de banda larga móvel chegará a 2,3 bilhões no mundo e 55% de todas as assinaturas móveis de banda larga deverão estar no mundo em desenvolvimento.

Os níveis de penetração de banda larga móvel são mais elevados da Europa (64%) e nas Américas (59%), seguido pelo CEI (49%), os Estados Árabes (25%), Ásia-Pacífico (23%) e África (19%).

Web universaliza em países desenvolvidos

Até o final de 2014, 44% das famílias de todo o mundo terão acesso à Internet. Perto de um terço (31%) das famílias nos países em desenvolvimento estarão conectadas à Internet, em comparação com 78% nos países desenvolvidos. A análise mostra que o acesso à Internet em ambiente doméstico está se aproximando de níveis de saturação nos países desenvolvidos. Mais de um em cada dois domicílios na CEI será conectado à Internet. Na África , apenas cerca de um em cada dez domicílios estará conectado à Internet. No entanto, o acesso à Internet em casas na África continua a crescer a taxas de dois dígitos.

Três bilhões de usuários da Internet

Até o final de 2014, o número de usuários da Internet a nível mundial terá atingido quase 3 bilhões. Dois terços dos usuários de internet de todo o mundo serão de países em desenvolvimento. Isso corresponde a uma penetração da Internet pelo usuário de 40% a nível mundial, 78% nos países desenvolvidos e 32% nos países em desenvolvimento. Mais de 90% das pessoas que ainda não estão usando a Internet são de países em desenvolvimento. Na África, quase 20% da população estará online até o final de 2014, contra 10% em 2010.

Nas Américas, perto de duas em cada três pessoas estarão usando a Internet até o final de 2014, a segunda maior taxa de penetração após Europa. A penetração da Internet na Europa vai chegar a 75% (ou três em cada quatro pessoas) até o final de 2014, a mais alta em todo o mundo. Um terço da população da Ásia e do Pacífico estará online até o final de 2014 e cerca de 45% dos utilizadores da Internet de todo o mundo será da região Ásia -Pacífico.

Comentário (0) Hits: 1207

Anatel licita direitos de exploração de satélite

nss-7.jpg06/05/2014 - A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) licitou hoje, 6 de maio, em Brasília, por R$ 153,15 milhões, quatro direitos de exploração de satélites. O objetivo da licitação é reforçar a infraestrutura de telecomunicações do País.

A Hispamar Satélites S.A. ofereceu R$ 65 milhões pelo primeiro direito de exploração de satélite licitado para operar a banda Ku planejada - o que representou um ágio de 431,8% sobre o preço mínimo.

A SES DTH do Brasil LTDA apresentou as melhores ofertas para o segundo e terceiro direitos de exploração de satélite. Com a proposta de R$ 33 milhões (ágio de 170% sobre o preço mínimo), a empresa obteve o segundo direito para operar nas bandas C, Ku e Ka. A banda Ka permite o provimento de banda larga. A banda C e a banda Ku possibilitam diversas aplicações em telecomunicações. Pelo terceiro direito, com a oferta de 26,8 milhões (ágio de 119,3%) a empresa poderá operar na banda Ku planejada.

As adquirentes do primeiro e terceiro direito de exploração de satélite escolheram as faixas planejadas para o Brasil do apêndice 30/30A do regulamento de radiocomunicação da UIT (União Internacional de Telecomunicações) destinadas no país para provimento de DTH (TV por assinatura via satélite).

A Eutelsat do Brasil LTDA apresentou a melhor oferta pelo quarto direito de exploração: 28,35 milhões, o que representou um ágio de 131,9% sobre o preço mínimo. O futuro satélite deverá operar nas frequências planejadas para o Brasil no apêndice 30B do regulamento de radiocomunicação da UIT. Essas faixas de radiofrequências podem atender a todos os serviços fixos de telecomunicações.

Todos os direitos de exploração abrangerão 15 anos e serão prorrogáveis por igual período.

Na última terça-feira, 29 de abril, sete empresas entregaram os documentos de identificação e habilitação, além das propostas de preço.

Veja abaixo a lista de proponentes, por ordem alfabética:
• Eutelsat do Brasil LTDA
• Hispamar Satélites S.A.
• Inmarsat Navigation Ventures Limited
• SES DTH do Brasil LTDA
• Star One S.A.
• Star Satellite Communications Company
• Telesat Brasil Capacidade de Satélites LTDA

O preço mínimo de referência por direito de exploração foi fixado em R$ 12.223.484,27. As condições para participação constam do Edital de Licitação nº 1/2014 - SCD, que tem como objeto conferir até quatro Direitos de Exploração de Satélite Brasileiro para Transporte de Sinais de Telecomunicações, com 15 anos de duração, prorrogáveis por igual período.

Matéria atualizada às 21:25hs

Comentário (0) Hits: 1043

Hoje é o Dia Nacional das Comunicações

rondom2.jpg05/05/2014 - Em homenagem ao Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, Patrono das Comunicações no Brasil, o dia 5 de maio, dia de seu nascimento, é o Dia das Comunicações.

Ouça o podcast de Ethevaldo Siqueira:
As três grandes contribuições de Marechal Rondon ao Brasil
http://www.telequest.com.br/portal/index.php/podcasts/mais-recentes/1549-as-tres-grandes-contribuicoes-de-marechal-rondon-ao-brasil

 

 

Comentário (0) Hits: 1235

Viber encerra ação de ligações gratuitas

viber.jpgPor Rafael Romer, Canaltech
02/05/2014 - A Viber anunciou nesta semana que encerraria a ação de ligações gratuitas e ilimitadas para telefones fixos no Brasil, depois de nove semanas no ar.

A ação foi anunciada em fevereiro, pouco tempo depois da empresa começar as suas operações no país, e resultou em um aumento da sua base de usuários de 60%, que saltou de 10 milhões no início do ano para os atuais 16 milhões.

A empresa aproveitou o momento de dúvida de alguns usuários logo após o anúncio feito pelo Facebook da aquisição do WhatsApp, principal concorrente do Viber e líder do mercado de mensagens intantâneas.

"Havia muita insegurança sobre o futuro do WhatsApp em relação à privacidade e outras questões, e a gente começou a experimentar uma taxa acelerada de crescimento no Brasil", afirmou o Country Manager do Viber no país, Luiz Felipe Barros, ao Canaltech. "Alguns dias depois o WhatsApp ficou horas fora do ar e isso fez muitas pessoas baixarem o Viber". No mundo, o aplicativo cresceu sua base de 300 milhões para 400 milhões de usuários no mesmo período.

De acordo com dados divulgados pela empresa, os usuários brasileiros fizeram mais de 40 milhões de ligações que somaram 170 milhões de minutos durante a ação. O aplicativo também viu um crescimento no envio de mensagens de texto, principal percentual de uso do app, e em grupos, que aumentou em uma média de 25% por semana.

Com o fim da ação, o recurso que que permite ligações para telefones fixos e móveis, o Vibe Out, volta a ser pago no país. As funções de envio de mensagens, conversas em grupo e ligações VoIP de Viber para Viber continuam gratuitas.

Estratégia de crescimento

De acordo com Barros, a empresa já tem outras iniciativas de marketing planejadas para sustentar o crescimento do aplicativo, que agora conta com uma equipe de cinco pessoas na operação brasileira.

No segundo semestre, a empresa deve começar a implantar uma estratégia de games casuais dentro da plataforma, que visa não só expandir o número de usuários, mas trazer receitas através de compras dentro do app (In-App Purchase). De acordo com o executivo, os jogos serão uma parte separada dentro do app e não deverão incomodar usuários que não quiserem interagir.

O Viber também prevê umas série de recursos locais, como stickers (adesivos customizados para ilustrar as mensagens de texto. Os stickers fazem parte também da estratégia de monetização da plataforma, já que algumas opções de adesivos são pagas.

Outras iniciativas como a ação de ligações gratuitas não são descartadas, mas não estão previstas para os próximos meses. "Os dados foram fanstásticos, mas a gente quer trazer novidades para o público também", comenta Barros.

http://corporate.canaltech.com.br/noticia/mercado/Viber-encerra-acao-de-ligacoes-gratuitas-com-crescimento-de-60-no-Brasil/

Comentário (0) Hits: 941

Anatel: proposta de edital de leilão 4G em 700 MHz

Anatel_fachada.jpgEstadão
02/05/2014 - A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou nesta sexta-feira a proposta de edital do leilão da frequência 700 MHz da Internet móvel de quarta geração (4G) que ficará em consulta pública até 3 de junho. A proposta de edital foi aprovada em 10 de abril pelo Conselho Diretor da agência, quando também foi aprovada a proposta do regulamento sobre a convivência desse serviço com a TV digital, que opera na mesma frequência.

A previsão é que o leilão ocorra em agosto, mas a proposta de edital não informa datas nem valores mínimos para a licitação. Na primeira rodada, serão leiloados seis lotes de 10 MHz. Os lotes 1, 2 e 3 têm cobertura nacional, enquanto o lote 4 cobre o Brasil inteiro, com exceção dos municípios de Londrina e Tamarana (PR), cobertos pela operadora Sercomtel, e alguns municípios do interior de Minas Gerais, Goiás e São Paulo, cobertos pela CTBC (Algar Telecom).

Os lotes 5 e 6 são lotes regionais e cobrem a área da CTBC e Sercomtel, respectivamente. Caso não haja demanda, poderá haver uma segunda rodada, com os lotes remanescentes divididos em espectros menores, de 5 MHz, informou a Anatel.


A agência determinou que os vencedores do certame terão de arcar com custos de medidas para superar eventuais interferências prejudiciais na TV digital, assim como gastos decorrentes da redistribuição dos canais de televisão, para a desocupação da faixa.


Com a utilização da faixa de 700 MHz, será adotado no Brasil o mesmo padrão de quarta geração do serviço móvel de outros países, lembrou a agência. Segundo especialistas, o alcance da frequência 700 MHz é maior que o da frequência de 4G atualmente utilizada no país, de 2,5 Ghz.


Em 2012, o leilão da faixa de 2,5 Ghz arrecadou R$ 2,93 bilhões, com ágio médio, contabilizado sobre o preço mínimo dos lotes negociados, de 31,3%. Na época, Claro, Oi, TIM e Vivo apresentaram os melhores lances para operar a frequência.

REUTERS
http://blogs.estadao.com.br/link/anatel-publica-proposta-de-edital-de-leilao-4g-em-700-mhz/

Comentário (0) Hits: 1874

TED e Google: como será o jornalismo do futuro

ted_google2.jpgEthevaldo Siqueira
29/04/2014 - Acabo de assistir a uma magnífica entrevista concedida pelo presidente executivo e co-fundador do Google, Larry Page, ao jornalista Charlie Rose, grande repórter norte-americano, num vídeo de 23min30seg – uma das melhores entrevistas a que já assisti no TED. O tema da entrevista é o próprio futuro do Google (Where's Google going next?)

Acompanho o Google desde que ele foi fundado em 1998, há cerca de 15 anos. Sob todos os aspectos é uma empresa da era digital – ou melhor, da Era da Internet – ou do século 21. Seu crescimento deslumbra e apavora. Não conheço empresa mais inovadora no planeta.

Já ouvi palestras e entrevistei o chairman atual do Google, Eric Schmidt, e confesso que fico impressionado com os horizontes quase ilimitados dessa empresa, que comprou o YouTube, a Motorola, o sistema operacional Android, e mais uma dúzia de empresas altamente criativas. E ainda investe bilhões em pesquisas em áreas tão diversas quanto a do carro automático (sem motorista), dos dispositivos vestíveis (como o Googleglass ou seus smartwatches) e propostas tão ousadas como deter o processo de envelhecimento humano ou o projeto de lançamento de um sistema de balões que poderão dar a volta ao mundo e permanecer 5 anos na estratosfera, para funcionar como estações repetidoras e levar a internet às regiões mais pobres do planeta.

Larry Page tem uma voz rouca e pouco inteligível. Por isso, recomendo que assistam à entrevista com legendas em português ou usem a transcrição do inglês, disponíveis também no TED.


Recomendo entusiasticamente o TED (www.ted.com), em especial aos jornalistas mais jovens que querem dominar este novo mundo do jornalismo virtual da internet e se manter atualizados com os grandes temas do jornalismo mundial.


Você, certamente, conhece esse portal de conteúdo (cujo foco originalmente era representado pelas três letras – TED – iniciais de Technology, Entertainment & Design. Hoje, os horizontes do TED são muito mais amplos.


TED – digo-lhes, sem medo de errar – é o portal de melhor qualidade de conteúdo disponível na web mundial. Nele falam inovadores, artistas, escritores, cientistas, políticos, economistas e contestadores de todos os tipos – de Snowden ao diretor da NSA.


Acesse o link abaixo e bom divertimento, neste Jornalismo do Futuro.

http://www.ted.com/talks/larry_page_where_s_google_going_next?language=pt-br

Comentário (0) Hits: 512

newsletter buton