Serviço de telefonia móvel registra queda em junho

app_smartphone.jpg05/08/2019 - A participação de mercado dos pós-pagos cresceu seis pontos percentuais nos últimos 12 meses

O Brasil registrou 228,39 milhões de linhas móveis em operação em junho de 2019, redução de 6,69 milhões de unidades (-2,84%) nos últimos 12 meses segundo números divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Na comparação com o mês de maio de 2019, a redução foi de 250,23 mil linhas (-0,11%).

Apesar da diminuição no volume total, as linhas pós-pagas cresceram seis pontos percentuais em participação de mercado nos últimos 12 meses, totalizando 104,52 milhões em junho de 2019 (45,76% do mercado). Aumento de 11,40 milhões de unidades no período (+12,25%). Na variação entre maio e junho de 2019, as pós-pagas aumentaram em 877,05 mil (+0,85%). Em 12 meses, as linhas pré-pagas registraram 123,87 milhões de unidades em junho de 2019, redução de 18,09 milhões (-12,74%). Na variação mensal, as pré-pagas diminuíram 1,13 milhão de unidades (-0,90%).

As quatro maiores operadoras da telefonia móvel responderam por 97,49% do mercado em junho de 2019. A Vivo teve a maior participação no total com 73,74 milhões (32,29%), seguida da Claro com 56,43 milhões (24,71%), Tim com 54,97 milhões (24,07%) e Oi com 37,51 milhões (16,43%). Nos últimos 12 meses, todas apresentaram redução no volume de linhas móveis, Vivo menos 1,52 milhões (-2,02%), Claro menos 2,58 milhões (-4,37%), TIM menos 1,58 milhões (-2,80%) e Oi menos 1,35 milhões (-3,47%). Com exceção da Vivo, que registrou aumento de 53,34 mil linhas móveis (+0,07%) entre maio e junho de 2019, as demais reduziram a participação de mercado: Claro menos 49,37 mil (-0,09%), Tim menos 336,64 mil (-0,61%) e Oi menos 50,31 mil (-0,13%).

Na telefonia móvel, entre as prestadoras de pequeno porte, a Nextel registrou 3,49 milhões de linhas (1,53% do mercado) e a Datora totalizou 450,12 mil (0,20%) em junho de 2019. Ambas apresentaram crescimento nos últimos 12 meses, mais 415,49 mil linhas (+13,51%) e mais 204,34 mil (+83,14%) respectivamente, e na variação entre maio e junho, mais 12,31 mil (+0,35%) e mais 11,38 mil (+2,59%).

Tecnologias

Os dispositivos M2M (machine-to-machine), utilizados para comunicação entre máquinas, cresceram em 5,29 milhões de unidades (+31,28%) nos últimos 12 meses, totalizando 22,21 milhões em junho de 2019. Na variação mensal de maio a junho, o aumento foi de 441,31 mil (+2,03%). Na última quinta-feira (1º/8), o Conselho Diretor da Anatel aprovou a Consulta Pública nº 39, “relativa à reavaliação da regulamentação visando diminuir barreiras regulatórias à expansão das aplicações de internet das coisas e comunicações máquina-a-máquina”. A Agência receberá até o dia 18 de setembro contribuições da sociedade ao texto em Consulta por meio do seu Portal.

Também cresceram as linhas móveis em 4G, mais 23,66 milhões de unidades (+19,97%) nos últimos 12 meses, totalizando com 142,11 milhões em junho de 2019. Entre maio e junho de 2019, elas registraram mais 1,95 milhão de unidades (+1,39%).

Os números da telefonia móvel estão no Portal da Anatel. Nas planilhas disponibilizadas pela Agência, há informações sobre a quantidade de linhas do Serviço Móvel Pessoal (jargão técnico que o órgão regulador utiliza para se referir à telefonia móvel) por faixas de frequência, tecnologias, empresas, grupos econômicos, código nacional e unidades da Federação.

Comentário (0) Hits: 1627

TV por assinatura segue em queda em junho

tv_digital.jpg02/08/2019 - O Brasil registrou 16.709.668 domicílios com acesso à TV por Assinatura em junho de 2019, uma redução de 1,23 milhão (-6,86%), em 12 meses, de acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Quase a metade dos domicílios receberam (em junho) o serviço pelo Grupo Claro (NET), foram registrados 8.227.823 contratos (49,24% do mercado), em segundo lugar ficou a SKY, com 4.999.821 contratos (29,92% do mercado), seguidos pela Oi, com 1.584.397 contratos (9,48% do mercado) e pela Vivo com 1.460.281 contratos (8,74% do mercado).

Quase todas prestadoras apresentaram queda no número de clientes em junho em relação ao mesmo mês do ano passado, exceto a Oi que apresentou um pequeno crescimento de 1,77% (nos últimos 12 meses), com saldo de + 27.499 clientes. A Claro (NET) apresentou redução de 8,03% (uma perda de 718.818 clientes) e a Sky também apresentou redução de 3,85% (uma perda de 200.082 clientes).

Entre os estados, São Paulo registrou o maior número de clientes, foram registrados 6.209.795 contratos e Roraima registrou o menor número de clientes, no estado foram contabilizados 16.283 contratos de TV paga em junho.

Comentário (0) Hits: 1638

TIM atinge 80% em disponibilidade e latência 4G

4G.jpg29/07/2019 - O 9º Relatório de Experiência Móvel no Brasil, divulgado pela Opensignal, nesta quinta-feira, 25/07, mostra que o país pode se tornar um dos líderes da América Latina em 4G. O crescimento acontece pouco menos de um ano antes do início do leilão da tecnologia 5G, marcado para março de 2020.

O relatório identifica que a melhora tem relação com o desligamento do sinal de TV analógica, que liberou a faixa de frequência 700 MHz e impulsionou o alcance do 4G. Isso significa que os consumidores têm acesso a conexões mais rápidas com mais frequência.

Segundo a pesquisa, a TIM se tornou a primeira operadora brasileira a superar a marca de 80% em 4G, enquanto Claro e Vivo quebraram a barreira de 70%. Esse é um marco importante para a TIM, assim como para o Brasil como um todo, já que mostra que o setor de telefonia móvel está atingindo a maturidade.

Em termos de velocidade de download, a Claro segue à frente da concorrência. A TIM e a Oi cresceram em relação à pesquisa anterior, mas seguem longe da liderança, com 11,6 Mbps e 8,6 Mbps respectivamente.

Os usuários registraram aumentos na velocidade geral média de download em todas as quatro principais operadoras, mas os ganhos da TIM, Vivo e Oi não foram suficientes para preencher a lacuna imponente com o líder da Claro de Download Speed ​​Experience. A subsidiária da América Móvil estava com um índice de download de 20 Mbps, enquanto seu concorrente mais próximo, a Vivo, foi 5 Mbps mais lento em nossas medições.

TIM entra na liderança na Latency Experience

Temos um novo líder de tempo de resposta de rede no Brasil. A TIM levou o prêmio de Experiência de Latência, que pertencia à Claro com uma pontuação de 60,9 milissegundos em comparação com os 62,7 mil que os usuários experimentaram na rede da Claro. Dito isso, o Latency Experience ainda tem um longo caminho a percorrer antes de atingir os níveis abaixo de 40ms que vemos em muitos mercados desenvolvidos.

A TIM leva a melhor em disponibilidade de 4G nas cinco maiores cidades do país: São Paulo (90%), Rio de Janeiro (88,9%), Brasília (90,7%), Salvador (88,6%) e Fortaleza (90,4%). Em experiência de vídeo, a Claro tem vantagem em São Paulo e Rio. Em Salvador, tem empate técnico com a Vivo, que leva a melhor em Fortaleza. Em Brasília, o usuário da TIM tem a melhor qualidade de vídeos no 4G.

Comentário (0) Hits: 1119

Telefonia fixa perde 2,98 milhões de linhas em 12 meses

Telefonia-fixa.jpg16/07/2019 - O Brasil registrou 35,85 milhões de linhas de telefonia fixa em operação no mês maio de 2019, de acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Em relação ao mês anterior (abril de 2019), houve redução de 506,37 mil unidades e, nos últimos 12 meses, foram 2,98 milhões a menos.

Em maio de 2019, havia 15,93 milhões de linhas fixas registradas pelas autorizadas no país e 19,93 milhões pelas concessionárias. Em 12 meses, as autorizadas tiveram redução de 913,94 mil linhas (-5,43%) e, as concessionárias, queda de 2,07 milhões linhas (-9,40%). Comparado a abril, houve diminuição de 273,34 mil linhas (-1,69%) entre as autorizadas e, nas concessionárias, a redução foi de 233,03 mil linhas (-1,16%).

Grupos

Entre as autorizadas, no mês de maio de 2019, a Claro registrou a maior participação de mercado, com 10,09 milhões de linhas fixas no País (63,38%), seguida pela Vivo, com 3,90 milhões (24,50%), e TIM, com 968,00 mil linhas (6,07%).
Em relação às concessionárias, a Oi possui o maior volume de linhas fixas, 11,08 milhões de linhas (55,60%), seguida pela Vivo, 7,99 milhões (40,10%).

Comentário (0) Hits: 1381

O 5G e as inovações que irá permitir

5G_b.jpg*Por Federico Gomez Schumacher
15/07/2019 - As redes de telecomunicações 5G começaram a aparecer no mercado em fins de 2018; e espera-se que continue se expandindo por tod o o mundo ao longo de 2019 e nos anos seguintes.

Vemos que, além das melhorias lógicas de velocidade e conectividade, a tecnologia 5G liberará um ecossistema massivo da Internet das Coisas (IoT na sigla em inglês), que poderá satisfazer as necessidades de comunicação de milhões de dispositivos conectados à rede mundial, com equilíbrio perfeito entre velocidade e custo.

Esta quinta geração da comunicação vai muito além da mobilidade e permitirá grandes inovações tecnológicas e empresariais.

Na verdade, a transição para a 5G é muito diferente do que que aconteceu com o pulo das redes 3G para as 4G. Não se trata apenas de um aumento na capacidade de dados móveis, mas também, de uma redução da latência na transmissão desses dados, o que permit irá transmitir, de forma wireless, conteúdos de Realidade Virtual.

Mas precisamos entender o que realmente é a rede 5G e por que dizem que ela gerará uma nova revolução nas tecnologias de telecomunicação. Vamos ver alguns pontos:

5G é a próxima geração de tecnologia celular que promete melhorar muito a velocidade, cobertura e a capacidade de respostas das redes sem fio. O quão mais rápido estamos falando? Pense entre 10 e 100 vezes mais rápido que uma conexão atual de celular, e ainda mais rápido que qualquer equipamento que utilize fios de fibra ótica em nossas casas. Por exemplo: poderemos baixar uma temporada inteira de nossa série preferida em poucos minutos.

Como mencionei antes, uma das vantagens mais importantes é a baixa latência. Isso se refere ao tempo de resposta entre o click e a conexão, ou seja, quando a rede responde e te leva ao site ou começa a reproduzir seu vídeo. Nas redes atuais, o tempo de espera gira em torno de 20 milissegundos. Não parece muito, mas, com o 5G, a latência se reduz a 1 milissegundo. Este é um dos itens mais importantes, pois aumenta drasticamente o tempo de resposta ao diminuir o nível de latência. Isso permite fazermos coisas como controlar, de forma remota, um dispositivo.

Outro benefício do 5G é o aumento da cobertura, principalmente quando há aglomerações, como em eventos esportivos ou shows, por exemplo. Em casos assim, não só teremos à disposição um bom nível de cobertura como também poderemos enviar e receber dados a uma velocidade superior à que temos hoje.
Isso não apenas beneficiará os consumidores, mas também terá um grande impacto sobre a economia, já que o aumento drástico da velocidade de transmissão de dados, que diminui a latência, permite diferentes usos da tecnologia – como, por exemplo, controlar ônibus ou outra classe de veículos à distância. Além de realizar transações superágeis de todos os tipos.

Um outro fator para levar muito em consideração é que o 5G vem com muitos prós, mas também pode ampliar a desigualdade tecnológica entre cidades ou áreas com cobertura 5G e zonas rurais, onde essa rede pode demorar a chegar. Na realidade, em muitos povoados pequenos nem a tecnologia 4G funciona perfeitamente. Por isso, será importante pensar e implementar medidas para diminuir ao máximo esses possíveis efeitos negativos que a economia 5G pode vir a provocar.

O mais surpreendente de tudo isso é que, basicamente, o 5G muda todo o formato da tecnologia sem fio, facilitando a explosão da IoT. Sem ir muito longe, os smartphones mudarão completamente, porque não precisarão de toda a potência de processamento, o que diminuirá seus custos.

Nossa próxima pergunta é: quando poderemos ver a rede 5G em ação? As principais operadoras dos EUA estão trabalhando arduamente para criar as redes 5G, mas sua implementação em todo o país, contudo, demorará alguns anos – o que significa dizer que levará ainda mais tempo para chegar à América Latina.

Para concluir, devo dizer que há muitas coisas acontecendo com o avanço das tecnologias e nós, do PayPal, estamos atentos a todas elas, e analisando como podemos nos beneficiar para oferecer produtos melhores aos nossos clientes.

Os consumidores querem uma empresa na qual possam confiar para administrar seu dinheiro; por isso, devemos nos desafiar a mudar continuamente. E, por mais que mudanças possam ser, muitas vezes, incômodas e difíceis, estamos conscientes de que devemos mudar para progredir.

Além de tudo o que já foi dito aqui, o 5G terá seu impacto ampliado nos negócios, incluindo o aumento da produtividade dos funcionários, a redução de custos, a melhoria da experiência do cliente e a agilidade dos serviços. Nós, como tomadores de decisão de negócios, devemos estar focados na qualidade da experiência que trará essa tecnologia e como poderemos manter o ritmo dos grandes avanços.

*Por Federico Gomez Schumacher, diretor geral do PayPal Brasil e México

Comentário (0) Hits: 1531

Anatel aprova reajuste nas tarifas da telefonia fixa

Telefonia-fixa.jpg11/07/2019 - O Conselho Diretor da Anatel aprovou nesta quinta-feira, 11/7, reajuste dos planos básicos da telefonia fixa nas modalidades local e longa distância nacional (interurbano). Os percentuais de reajustes das concessionárias (Sercomtel, Algar Telecom, Telefônica, Claro e Oi) variam de 0,73% a 6,76%.

Também foi reajustado o valor do cartão de orelhão. O cartão indutivo mais simples, de 20 créditos, agora custa R$ 2,66. Foram aprovados os seguintes reajustes: Sercomtel (6,763%), Algar (0,733%), Telefônica (4,944%), Claro (6,092%) e Oi (6,052%).

As concessionárias Sercomtel, Algar, Telefônica, Claro e Oi solicitaram o aumento das tarifas à Agência. Segundo a Resolução 426/2005, as concessionárias podem solicitar reajuste a cada 12 meses.

Comentário (0) Hits: 1527

newsletter buton