Greve pode afetar serviços de internet e celular

bomba_gasolina.jpg28/05/2018 - As prestadoras de telecomunicações, preocupadas com a falta de combustível, fizeram uma solicitação formal para que seja priorizado o abastecimento da frota de veículos utilizados na manutenção das redes, para proteger a operação de infraestrutura crítica de telecomunicações. Também foi solicitada a escolta de caminhões-tanque até os reservatórios de abastecimento dos geradores usados nas centrais de telecomunicações, que são acionados em casos de falta de energia comercial.

As prestadoras informam ainda, que estão com seus estoques de combustível praticamente zerados e que, se não forem tomadas medidas emergenciais, os serviços de manutenção e reparo não poderão ser realizados. Isso poderá prejudicar não só o consumidor individual, mas principalmente órgãos com atividades essenciais, como hospitais, bombeiros, segurança pública, que poderão ter serviços de telefone, SMS e internet suspensos por eventuais falhas que não possam ser corrigidas, pela impossibilidade de deslocamento das equipes.

O SindiTelebrasil alertou principalmente para a dificuldade de atendimento de falhas massivas, que, quando ocorrem, atingem milhares ou até milhões de pessoas, interrompendo diversos serviços de telecomunicações.

Comentário (0) Hits: 168

MCTIC propõe moratória tributária para IoT

thiago_camargo.jpgPor Telebrasil
25/05/2018 - Ao participar do Painel Telebrasil 2018 nesta quinta-feira, (24), o secretário de Políticas Digitais do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), informou que está trabalhando em uma proposta de moratória tributária para Internet das Coisas (IoT) por um período de 10 anos. Camargo explicou que a moratória tem impacto apenas nos tributos federais e abrange plataformas e dispositivos. Os equipamentos de rede não serão beneficiados pela desoneração.

“Não se trata de redução de tributos, porque hoje não há arrecadação em Internet das Coisas. Então, não se pode falar em perda de tributo em relação a isso”, afirmou. Segundo o secretário, o momento da proposta é de negociação com o Ministério da Fazenda e com a Casa Civil. “Parte da Fazenda entende a necessidade de redução tributária para o desenvolvimento econômico, mas ainda não conversamos com a Receita Federal. Estamos tentando alavancar mais e mais apoio dentro do governo para que fique feio alguém não apoiar”, disse.

Thiago Carmargo afirmou que a Secretaria de Políticas Digitais do MCTIC espera garantir apoio à moratória tributária nos próximos três meses. Do contrário, a pasta avançará apenas com o decreto que classifica IoT como infraestrutura e tenta fugir das taxas incidentes sobre telecom. A regulação, porém, caberá à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Comentário (0) Hits: 189

“Precisamos mudar para sermos mais competitivos”

algar_jean_borges.jpgPor Telebrasil
25/05/2018 - Para avançar nos próximos 20 anos, é necessário ter coragem para implementar as mudanças necessárias para impulsionar os investimentos, destacou o presidente da Algar Telecom, Jean Carlos Borges, no Painel Telebrasil 2018. Segundo ele, há três anos discute-se a atualização do modelo regulatório, mas há uma grande dificuldade para a sua aprovação. “E se ele for aprovado ainda este ano, como queremos, ainda vamos precisar aguardar a sua regulamentação”, afirmou.

Em entrevista à Agência Telebrasil, Jean Borges enfatizou ainda o caminho da Algar Telecom rumo à transformação digital. Segundo ele, foi relevante investir em novas tecnologias como o big data e a inteligência artificial.

Comentário (0) Hits: 164

Estônia: Como funciona uma sociedade digital

erico_alberto.jpg*Por Eric Alberto
25/05/2018 - Estive na Estônia com a missão de conhecer a fundo o que é e como funciona o ecossistema de uma sociedade digitalizada. Muito ouvimos falar sobre evolução, futuro e tendências do mundo digital, mas para este pequeno país no leste Europeu este futuro já é realidade.

Com aproximadamente 1,25 milhões de habitantes, distribuídos em uma área total de 45,2 mil km2, a Estônia possui 99% dos serviços públicos disponíveis online. O ecossistema denominado de "e-Estônia" permite que o acesso a diversos serviços públicos, documentos pessoais, receitas e histórico médico, fechamento e assinatura de contratos, transações bancárias, registro de nascimento, declaração de impostos, pagamento de taxas, abertura de empresas e até de votar, tudo com alguns cliques.

E quais são os pilares deste ecossistema? Identificação única do cidadão; internet é um direito social; segurança, verdade e confiança por definição ideológica; e uma plataforma (denominada X-Road) para a conexão de diferentes sistemas, formaram a base para que "e-Estônia" se tornasse realidade. Com uma identidade única e milhares de dados trafegando na internet, a estrutura de segurança e de privacidade dos dados ganha evidência.

O Governo preza pelos dados dos cidadãos, contudo, em caso de vazamento de informações procura sempre tratar o assunto com muita transparência perante o cidadão. Com isso, todo cidadão tem acesso para saber exatamente quando e quem acessou seus dados, tendo autonomia de restringir o acesso a eles e de denunciar acessos indevidos. Esse registro unificado e imutável é a fórmula que levou o país a encabeçar tendências tecnológicas, como o "blockchain", e a se tornar referência mundial no assunto.

Preocupada com o futuro deste ecossistema digital a Estônia incentiva crianças, desde os sete anos de idade, a aprendem programação e robótica. Os professores, por sua vez, já estão sendo preparados para o uso de material didático 100% digital. Com isso, as novas gerações são influenciadas, capacitadas e engajadas por um senso coletivo necessário para o mundo digital.

*Eric Alberto é especialista em Segurança da Informação

Comentário (0) Hits: 155

Embratel anuncia serviço de Loja Online

embratel_loja.jpg25/05/2018 - Ferramenta é indicada para micro e pequenas empresas estruturarem sites de comércio eletrônico

A Embratel lança esta semana o serviço Loja Online, uma ferramenta completa para micro e pequenas empresas que desejam ter sites de comércio eletrônico. A solução é oferecida no modelo SaaS (Software como Serviço) e tem a segurança de estar hospedada na Nuvem da Embratel, uma das mais modernas do País. A nova oferta tem uma interface intuitiva para rápida criação de lojas virtuais e funcionalidades interessantes como o design personalizado das páginas, integração com os Correios, conexão com redes sociais e a integração com diferentes meios de pagamento eletrônico.

"A Loja Online Embratel permite que micro e pequenas empresas tenham suporte completo para a estruturação de seus negócios on-line, tendo a Embratel como um parceiro de TI com soluções que apoiam na alavancagem de seus negócios", diz Mário Rachid, Diretor Executivo de Soluções Digitais da Embratel.

A oferta da Embratel atende as demandas de todos os tipos de segmentos, incluindo cosméticos, alimentação, decoração e eletrônicos. O setor de moda e de acessórios, por exemplo, deve ser um dos segmentos de maior crescimento, pois hoje é mais um dos preferidos pelos empreendedores brasileiros para investir e que, consequentemente, possui grande concorrência.

Com o anúncio de hoje, a Embratel está de olho no mercado de e-commerce que está em expansão e movimenta cerca de 70 bilhões de reais ao ano. Segundo Rachid, apesar do aumento das lojas virtuais, grande parte dos empreendedores aponta que a dificuldade de encontrar ferramentas e parceiros tecnológicos para os negócios estão entre os principais obstáculos para o aumento do faturamento dessas empresas. "Temos uma grande oportunidade de negócios porque oferecemos a solução completa para os empreendedores".

De acordo com a empresa, a Loja Online Embratel pode ser adaptada e personalizada para a identidade visual de cada negócio. Seu layout é adaptado e compatível com qualquer dispositivo (PC, tablet ou smartphone). Os empreendedores que adquirirem o produto da Embratel podem construir um número ilimitado de páginas para acomodar demandas como catálogo de produtos, atendimento a clientes finais, carrinho de compras e até um blog para divulgação de conteúdo. Ao optar pela contratação do plano anual, a companhia tem direito ainda ao uso gratuito do domínio no primeiro ano. O gerenciamento da ferramenta pode ser realizado por meio do Portal Loja Online, disponível na Internet.

A Loja Online Embratel possibilita a integração com meios de pagamento, tais como boleto bancário, transferência ou adquirentes de pagamentos on-line. O novo serviço da Embratel também viabiliza a integração das lojas virtuais aos Correios, além de oferecer a opção de retirada das compras pessoalmente pelo cliente, nas lojas físicas. Para uma comunicação mais eficiente, as micro e pequenas empresas que contratarem a Loja Online Embratel podem criar de 3 a 10 contas de e-mails diferentes atreladas ao e-commerce.

 

Práticas de marketing importantes para a fidelização de clientes, como a distribuição de cupons de desconto, também são viáveis por meio da ferramenta da Embratel. "Outra característica da Loja Online Embratel é a integração com Analytics, que permite às empresas o acesso a informações estratégicas sobre os visitantes de suas páginas, permitindo a tomada de decisões mais certeiras para os seus negócios", explica Rachid.

Por meio da funcionalidade de estatística, os clientes desse serviço da Embratel têm acesso a dados sobre o acesso às suas lojas virtuais, como volume de vendas, número de visitantes da página, consumidores que efetivamente realizaram as transações e visitantes que abandonaram os carrinhos de compras, entre outras. A ferramenta conta com a funcionalidade de backup, o que mitiga o risco de perda de informações em caso de falhas ou erro humano.

A Loja Online Embratel custa partir de R$ 50. Não é cobrada taxa por cada venda efetuada. Para mais informações, acesse: www.embratel.com.br/lojaonline.

 

Comentário (0) Hits: 166

O futuro digital exige um novo marco regulatório

garcia_telebrasil.jpgPor Telebrasil
24/05/2018 - Os últimos 20 anos foram muito prósperos para as telecomunicações, e os próximos 20 anos exigem uma evolução das regras atuais para se obter maior eficiência dos investimentos das prestadoras, segundo o presidente da Telebrasil, Luiz Alexandre Garcia.

A digitalização tem o forte poder transformador de levar países ainda em desenvolvimento, como o Brasil, ao patamar de países desenvolvidos. Daí a necessidade de políticas públicas que incentivem essa transformação, alerta o presidente da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), Luiz Alexandre Garcia.

Entre elas, o executivo destaca a atualização do marco legal do setor. “Vinte anos passam rápido. Foi um período muito próspero para as telecomunicações, a privatização foi um sucesso e a Lei Geral de Telecomunicações funcionou muito bem. Mas o futuro é diferente, é digital, é baseado na internet e nas tecnologias da informação e comunicação, as TICs. Temos que evoluir as regras. E temos a grande oportunidade, através do PLC 79/16, de olharmos para o futuro e trazermos mais eficiência aos investimentos de capital das prestadoras.”

“É o momento para discutirmos os desafios do presente e as oportunidades para acelerar a implementação de soluções digitais com TIC.”, reforça Luiz Alexandre Garcia durante a Telebrasil, realizada nos dias 22, 23 e 24 de maio, em Brasília.

 

Comentário (0) Hits: 203

newsletter buton