Usuários estão dispostos a pagar mais por 5G

5g_tech2.jpgConverge
10/08/2017 - Pesquisa global feita pelo Gartner revela que 75% dos usuários corporativos estão dispostos a pagar mais para ter acesso às funcionalidades das redes 5G. No levantamento, apenas 24% das respostas foram negativas à adição de gastos sobre a tarifa do 4G.

Avaliando por indústria, o setor de telecomunicações é o menos resistente ao novo patamar de valores, enquanto que as verticais de manufatura, serviços e governo, por exemplo, estão menos dispostas a pagar um prêmio para o 5G.

O Gartner recomenda que, além de oferecer preços melhores para as indústrias em que os usuários estão menos convencidos dos benefícios empresariais do 5G, os provedores de serviços de comunicação (CSPs) criem ofertas de valor mais atraentes, a começar pela antecipação da migração para 5G.

Também entre aqueles que estão dispostos a aumentar os gastos, 8% esperam 5G para economizar custos ou aumentar as receitas. A nova tecnologia é vista principalmente como uma evolução da rede por 59%, e apenas secundariamente como um facilitador do negócio digital (37%).

A pesquisa também descobriu que os entrevistados do setor de telecomunicações estão menos convencidos do que aqueles em outras indústrias de que o 5G será uma alavanca de receita. "Eles tendem a ver a migração como uma evolução da infraestrutura, algo gradual e inevitável, e não como uma oportunidade para gerar novas receitas.

Quase metade dos entrevistados para o estudo pretende usar 5G para acessar vídeos e recursos fixos sem fio. Mais interessante, porém, é que a maioria (57%) acredita que a intenção principal de sua organização é usar 5G para pilotar a estratégia de internet das coisas (IoT).

Essa descoberta é surpreendente, já que, na maioria das regiões, o número de" coisas "implantadas que precisam de conectividade celular não excederá a capacidade das tecnologias IoT celulares existentes antes de 2023, segundo o Gartner. E mesmo quando estiver totalmente implementado, o 5G atenderá apenas a um subconjunto estreito de casos de uso de IoT que exigem uma combinação de taxas de dados muito altas e latência muito baixa.
Além disso, o 5G não estará pronto para suportar comunicações maciças de tipo máquina ou comunicações ultra-confiáveis e de baixa latência, até o início de 2020.

Essa descoberta também pode ser um sinal de confusão sobre a aplicabilidade de 5G, já que já existem alternativas comprovadas e menos dispendiosas para conectividade IoT sem fio – o uso de Wi-Fi, ZigBee ou bluetooth, por exemplo, evitaria o custo e a complexidade associados às comunicações celulares .

Um grau de mal-entendido provavelmente também é evidente na opinião expressa por uma grande maioria dos entrevistados (84%) de que o 5G estará amplamente disponível em 2020. Em contrapartida, os planos dos CSPs indicam que uma ampla disponibilidade pode não ser alcançada antes de 2022.

O Gartner prevê que, até 2020, apenas 3% dos CSPs móveis de rede do mundo terão lançado redes 5G comercialmente.

Deixar seu comentário

0
termos e condições.
  • Nenhum comentário encontrado

newsletter buton