Cisco: tráfego global em nuvem deverá crescer

  • Imprimir

15/10/2013 - 2013 – A terceira edição do Índice Global de Nuvem da Cisco publicado hoje, (15) prevê que o tráfego global em nuvem deve crescer 4.5 vezes, de 1.2 zettabytes em 2012 para 5.3 zettabytes em 2017. Pela taxa de crescimento anual composto (CAGR no acrônimo em inglês) será uma elevação de 35%. De acordo com o estudo, o tráfego geral mundial em data centers vai crescer três vezes e alcançar um total de 7.7 zettabytes em 2017.

Um zettabyte equivale a um bilhão de terabytes. Para contextualizar, 7.7 zettabytes são equivalentes a:

• 107 trilhões de horas em stream de músicas – Cerca de um ano e meio de música contínua por stream para a população mundial em 2017.

• 19 trilhões de horas em web conferências de negócios – Aproximadamente 14 horas diárias de web conferências de negócios para todos os trabalhadores do mundo em 2017.
• 8 trilhões de horas de transmissão de vídeo de alta definição on-line - Cerca de duas horas e meia diárias de vídeos em alta definição por streaming para a população global em 2017.

Aproximadamente 17% do tráfego serão alimentados por usuários finais acessando nuvem para navegar na web, fazer streaming de vídeos, colaboração e uso de dispositivos conectados que compõem a Internet de Todas as Coisas (IoE – Internet of Everything), ou seja, a conexão de rede entre pessoas, dados, processos e coisas.


Outra parte do tráfego de data centers não é causada diretamente por usuários finais, mas por data centers e cargas de processamento de computação em nuvem usadas em atividades que são virtualmente invisíveis aos indivíduos. No período de 2012 a 2017, a Cisco projeta que 7% do tráfego de data center serão gerados entre data centers impulsionados principalmente pela replicação de dados e atualizações de sistema e software. Um adicional de 76% do tráfego em data centers vai permanecer dentro dos próprios data centers, e será gerado em grande parte por armazenamento de dados, produção e desenvolvimento em ambientes virtualizados.


"Pessoas de todo o mundo continuam a exigir a capacidade de acessar conteúdo pessoal, negócios e entretenimento em qualquer lugar em qualquer dispositivo, e cada transação em um ambiente de nuvem virtualizado pode causar efeitos em cascata na rede", afirma Doug Merritt, vice-presidente sênior de Marketing de produtos e soluções da Cisco. "Devido a esta tendência contínua, estamos vendo um enorme aumento na quantidade de tráfego de nuvem dentro, entre e além dos data centers ao longo dos próximos quatro anos."


De uma perspectiva regional, o Índice Global de Nuvem da Cisco prevê que, durante 2017, o Oriente Médio e a África terão a maior taxa de crescimento em tráfego na nuvem (57% na taxa de crescimento anual composto), seguidos de Ásia (43%) e Europa Central e Oriental (36%).

Visão geral:

• O Índice Global de Nuvem da Cisco (2012–2017) foi desenvolvido para estimar o crescimento e as tendências do tráfego global de data center e cloud baseado em IP. Este índice serve como um complemento a outros estudos de tráfego de rede existentes, fornecendo novas informações e visibilidade para as tendências emergentes que afetam data centers e arquiteturas em nuvem. A previsão ganha ainda mais importância diante da intrínseca conectividade dos data centers com a oferta de serviços na nuvem.

• O estudo inclui uma previsão de "transição de carga de processamento" de data centers tradicionais para servidores em nuvem mais virtualizados.
• A previsão também inclui um suplemento de Detalhamento Regional de Facilidade de Acesso à Nuvem, que examina as habilidades fixas e móveis de cada região (de cerca de 150 países) para apoiar negócios e aplicações e serviços de computação em nuvem para o consumidor.
• O índice é gerado a partir de uma modelagem e análise de diversas fontes primárias e secundárias, incluindo 40 terabytes de tráfego mensal da amostra a partir de uma variedade de data centers globais ao longo do ano passado, resultados de mais de 90 milhões de testes de rede e relatórios de pesquisas de mercado realizadas por terceiros.

Principais destaques:

O crescimento do tráfego de data center aumentará três vezes até 2017 – A Cisco prevê que o tráfego de data center global vai triplicar de 2,6 zettabytes em 2012 para 7,7 zettabytes por ano em 2017, representando um CAGR de 25%.

O tráfego global de cloud crescerá mais rápido do que todo o tráfego global de data center - A transição para os serviços em nuvem impulsionando o tráfego de nuvem global em uma taxa de crescimento maior do que o tráfego de data center global. O tráfego de data center global vai crescer três vezes (CAGR de 25% ) 2012-2017 , enquanto o tráfego de nuvem global vai crescer 4,5 vezes (CAGR de 35% ) em relação ao mesmo período.

O tráfego de nuvem global será responsável por mais de dois terços do tráfego de data center total global - Globalmente , o tráfego de cloud crescerá de 46% do total do tráfego de data center (98 exabytes por mês ou 1,2 zettabytes por ano ) do total do tráfego de data center em 2012 a 69% do tráfego total de data centers ( 443 exabytes por mês ou 5,3 zettabytes por ano ) de tráfego total de data centers em 2017.

Crescimento do tráfego na nuvem por região: o Oriente Médio e a África terão a maior taxa de crescimento do tráfego em nuvem a partir de 2012 – 2017: O Índice Global de Nuvem da Cisco agora inclui dados de previsão regionais para crescimento do tráfego em nuvem.

Em 2012, a América do Norte gerou mais tráfego em nuvem (469 exabytes por ano), seguida pela região Ásia-Pacífico (319 exabytes por ano) e Europa Ocidental (225 exabytes por ano).
Até 2017, a América do Norte vai gerar mais tráfego em nuvem (1.886 zettabytes por ano), seguida por Ásia-Pacífico (1,876 zettabytes por ano) e Europa Ocidental (770 exabytes por ano).

Transições de carga de processamento: de 2012 a 2017, as cargas de processamento de data centers crescerão 2,3 vezes; as cargas de processamento em nuvem crescerão 3,7 vezes – Em 2012, 39% da carga de processamento foi processada na nuvem, com 61% em data centers convencionais.

2014 será o primeiro ano em que a maior parte da carga de processamento será transferida para a nuvem; 51% de toda a carga serão processada em nuvem, contra 49% em espaços tradicionais de TI.
Até 2017, aproximadamente dois terços ou 63% das cargas de processamento serão processadas em data centers na nuvem; 37% em data centers convencionais.
A relação de cargas de processamento de servidor em nuvem não-virtualizado crescerá de 6,5 em 2012 para 16,7 até 2017. Comparativamente, a relação de cargas de processamento de servidores de data centers tradicionais não-virtualizados crescerá de 1,7 em 2012 para 2,3 até 2017.

Crescimento da carga de processamento por região: Até 2017, a América do Norte terá processado a maior parte da carga de processamento na nuvem, seguida pela Ásia-Pacífico: O Índice Global de Nuvem da Cisco agora oferece dados de previsão regionais para crescimento da carga de processamento.

Em 2012, a América do Norte teve o maior volume de cargas de processamento em nuvem (15,2 milhões ou 47% da carga de processamento em nuvem global), seguido pela região Ásia-Pacífico, que teve 6,8 milhões ou 21% das cargas de processamento globais em 2012.

Até 2017, a América do Norte irá processar a maioria das cargas em nuvem (48,2 milhões ou 41% da carga de processamento em nuvem global), seguida pela região Ásia-Pacífico, que terá 36,5 milhões ou 31% das cargas de processamento globais até 2017.

De 2012 a 2017, é esperado que a região do Oriente Médio e África tenha a taxa de crescimento da carga de processamento em nuvem mais alta (45% na taxa de crescimento anual composto), seguidos por Ásia-Pacífico (40%), e Europa Central e Oriental (31%).

Globalmente, exceto no Oriente Médio, África e Ásia-Pacífico, as cargas de processamento de data centers tradicionais (ao invés de cargas de processamento em nuvem) terão crescimento de apenas um dígito entre 2012 e 2017.

Facilidade de Acesso à Nuvem:

Para avaliar a facilidade de acesso à nuvem vários atributos de rede fixa e móvel foram analisados. A velocidade e latência média e mediana de upload e download foram analisadas (este ano foi adicionado aos valores medianos para compreender a variação da facilidade de acesso à nuvem para os usuários finais dentro de cada país): Características de desempenho de rede são fornecidas em cada região geográfica: Ásia-Pacífico, Europa Central e Oriental, América Latina, Europa Ocidental, Oriente Médio e África, América do Norte e Europa Oriental. Para este estudo, foram aplicadas as seguintes amostras de categorias de aplicação:

• Aplicativos básicos na nuvem / Requisitos de rede
Velocidade de download: até 750 kbps; Velocidade de upload: até 250 kbps; Latência: Acima de 160 ms

Amostra de serviços básicos para consumo: comunicações de texto (e-mail, mensagens instantâneas), navegação na web, conteúdo pessoal (não multimídia), e-banking, único jogador em games, redes sociais (apenas texto), vídeo / streaming básico de música; Amostra de serviços básicos para negócios: comunicações de texto (e-mail, mensagens instantâneas), VoIP, web conferência
• Aplicativos intermediários na nuvem / Requisitos de rede

Velocidade de download: 751-2,500 kbps, Velocidade de upload: 251-1,000 kbps; Latência: 159-100 ms

Amostra de serviços intermediários de consumo: casa inteligente, conteúdo pessoal (multimídia), compras on-line, multi-player games, redes sociais (multimídia / interativa), vídeo / música streaming de HD, IM bate-papo de vídeo; Amostra serviços intermediários de negócios: ERP / CRM, IP audioconferência, videoconferência.

• Aplicativos avançados na nuvem / Requisitos de rede
Velocidade de download :> 2500 kbps, Velocidade de upload: Superior a 1.000 kbps; Latência: <100 ms

Amostra de serviços avançados de consumo: educação conectada, medicina conectada, chat de vídeo HD, super streaming de vídeo HD, streaming de vídeo em 3D; Amostra serviços avanaçdos de negócios: escritório virtual, conferência de áudio HD, videoconferência HD.

• O desempenho atual da rede fixa de todas as regiões pode suportar o nível intermediário de serviços da nuvem hoje.
• As redes fixas da Ásia-Pacífico, América do Norte, Europa Oriental e Central, Europa Ocidental e na América Latina podem suportar aplicações na nuvem avançadas.
• O desempenho atual da rede móvel de todas as regiões pode suportar alguns níveis de serviços da nuvem hoje.
• As redes móveis da Ásia-Pacífico, Oriente Médio e África e América Latina podem suportar aplicações básicas na nuvem.
• O desempenho médio das redes móveis da Europa Central e Oriental, América do Norte e Europa Ocidental pode suportar aplicações intermediárias na nuvem.

• A maioria das regiões tem alguns países em anexo com resultados de desempenho de rede fixa e móvel que são superiores à média de facilidades de acesso à nuvem em sua própria região. Por exemplo, as redes móveis de países como Hong Kong e Cingapura na Ásia-Pacífico, e Emirados Árabes, no Oriente Médio que podem suportar aplicações de cloud avançadas.

* O uso concomitante de múltiplas aplicações requer capacidades de desempenho de rede ainda mais elevadas do que os requisitos para o apoio de aplicações individuais mostrados acima. Requisitos para aplicações simultâneas são abordados no Cisco Global de Nuvem Índice de Previsão e Metodologia, 2012 - 2017.

In Press Porter Novelli

Deixar seu comentário

0
termos e condições.
  • Nenhum comentário encontrado