WhatsApp avisa sobre mensagens encaminhadas

whatsapp_msn_2.jpg10/07/2028 - O WhatsApp anunciou hoje, 10 de julho a liberação, para 100% de sua base de usuários, a função de aviso de mensagens encaminhadas. A função ajudará a determinar se um amigo ou familiar realmente escreveu a mensagem que enviou ou se o texto veio originalmente de outra pessoa.

Para visualizar a nova etiqueta de "encaminhada", é necessário ter a atualização mais recente do WhatsApp.

Comentário (0) Hits: 1266

WhatsApp anuncia novos recursos para grupos

whatsapp_grupo.jpeg15/05/2018 - WhatsApp anuncia novas ferramentas para aprimorar a experiência nos grupos. Agora, os grupos podem ter descrições, também é possível saber se alguém mencionou seu nome em uma conversa ao clicar em um botão e os administradores tem mais controles de gerenciamento. E além dessas novidades, o WhatsApp promete dificultar o processo para as pessoas serem re-adicionadas a grupos dos quais saíram.

De acordo com a rede social, todas as mudanças começam a chegar aos usuários de Android e iOS hoje, 15 de maio. Confira as novidades:

- Descrição de grupo: Um pequeno descritivo abaixo das informações do grupo que permite os administradores a estabelecerem regras, tópicos mais importantes, direcionamentos etc. Quando uma pessoa entra em um grupo, a descrição vai aparecer no topo do chat.  

- Controles do administrador: Nas configurações do grupo, há um novo controle que permite que os administradores restrinjam quem pode mudar o assunto do grupo, ícone e descrição. Além disso, os administradores podem retirar permissões de gerenciamento de outros membros e os criadores dos grupos não podem ser excluídos dos grupos que criaram.

- Atualização de grupo: Quando você se ausenta de um grupo por um tempo, você pode se atualizar rapidamente sobre as mensagens que mencionaram você ao clicar no botão “@” no canto direito inferior da janela de conversa.

- Busca de participante: Encontre quem quiser nos grupos ao acessar a ferramenta de busca na página de informação do grupo.

 

 

Comentário (0) Hits: 1491

Vídeo é o formato escolhido da publicidade mobile

video_mkt.jpg*Por Alberto Pardo
18/04/2018 - Aperte o play! 2018 já está a todo vapor e se existe uma certeza é a de que o vídeo será o grande "rockstar" da publicidade mobile nos próximos anos. Segundo dados da Magna, este é o formato que mais crescerá em 2018 na América Latina, com acréscimo de 33% em investimentos. Outro dado relevante e que justifica essa aposta é que o consumo de vídeo em dispositivos móveis já supera as visualizações em desktop.

Uma estimativa da companhia de telecomunicações Ericsson revela a tendência de explosão no consumo de vídeo nos próximos anos. De acordo com o estudo, o tráfego de dados mobile de vídeo deve aumentar para 110 exabytes por mês até 2023, número oito vezes maior do que os 14 exabytes de 2017.

Ao levarmos em consideração esses dados é preciso que as estratégias de comunicação das marcas sejam orientadas por tais fatores e evoluam do formato display para as possibilidades existentes em vídeo. Será necessário pensar também não apenas no formato, mas na distribuição in-app como prioridade, especialmente por conta dos avanços dos bloqueadores de anúncios em mobile web, como o anunciado em fevereiro pelo Google Chrome.

Para o mercado brasileiro, a publicidade in-app merece ainda maior atenção por conta dos hábitos dos usuários, além do forte ecossistema de aplicativos presente no País. Dados da pesquisa The Global Mobile Report, realizada pela comScore, mostram que o brasileiro passa 95% do tempo em dispositivos móveis nos dez principais aplicativos do usuário. Outro fator interessante é que o tempo não é gasto apenas nos apps de troca de mensagens. Tem crescido substancialmente a preferência por aplicativos da categoria de viagens, por exemplo, e de serviços de maneira em geral.

Se por um lado as marcas devem ter este olhar focado na publicidade mobile em vídeo e in-app, por outro, as soluções deste segmento devem acompanhar essa necessidade. A boa notícia é que isso já está acontecendo. Hoje, não há justificativa para anúncios em vídeo que não estejam em HD full screen ou que se reproduzam com falhas e buffering no carregamento.

Além da qualidade técnica do vídeo, as soluções disponíveis permitem uma infinidade de alternativas de interações com o usuário durante e após a conclusão do conteúdo. É possível exercer a criatividade sem limitações! Em campanha recente, uma marca de desodorante, por exemplo, simulava a tela do dispositivo móvel embaçando, permitindo ao usuário limpá-la com o próprio dedo. O vídeo deixa de ser um simples anúncio e se torna um micro site com diversas possiblidades de conversão e caminhos para direcionar o usuário, seja para um download, visita a um site, agendamento de um test-drive, entre outras variáveis. O mercado também está amparado com soluções que contemplam ferramentas integradas de viewability e brand safety, que estão na pauta do dia dos anunciantes.

Sem dúvida, 2018 promete ser um excelente ano para aqueles que explorarem a combinação entre o uso adequado de dados e tecnologias com a criatividade na produção de campanhas focadas em publicidade em vídeo para dispositivos móveis.

*Alberto Pardo é CEO e fundador da Adsmovil

Comentário (0) Hits: 1707

Revista do MIT: Não acreditem no que Zuck disse

zuck_mit.jpgPor Ethevaldo Siqueira (com a MIT Technology Review)
13/04/2018 - A poeira baixou dez horas após as audiências dadas por Zuckerberg, CEO do Facebook, perante o Congresso, tempo suficiente para refletirmos sobre o que ele disse. E parte do que ele disse foi pura farofa.

1. Sobre novas regras de dados: ele disse que as diretrizes de privacidade de entrada da União Europeia, conhecidas como PIBR, seriam estendidas aos usuários em toda a América. Isso é totalmente errôneo.

2. Sobre a possibilidade de os usuários possuírem seus dados: Zuck disse aos legisladores que os usuários podem baixar um arquivo contendo “todos” os dados que o Facebook detém sobre eles. Sua equipe de operações de privacidade discorda.

3. Sobre censura com Inteligência Artificial (IA): Zuck diz que a aprendizagem de máquinas será em grande parte capaz de automatizar a censura. Ele está errado: isso pressupõe enormes avanços em andamento que terão ainda de acontecer.

4. Por outro lado: muitas pessoas sinalizaram concordância com movimento de suas cabeças durante suas respostas. E anunciantes ainda parecem amar o Facebook. E mais: o valor da empresa se elevou em US $3 bilhões durante o curso desta semana.

Comentário (0) Hits: 1683

Tesla e SpaceX deixam o Facebook após escândalo

elon_musk_ai.jpgPor Redação Link - O Estado de S.Paulo
23/03/2018 - Em série de tuítes após o escândalo, Elon Musk foi desafiado por seguidores e tirou ambas as páginas do ar

O bilionário americano, dono da montadora Tesla e da companhia aeroespacial Space X, excluiu as páginas das duas empresas na rede social Facebook, após ser desafiado por seus seguidores no Twitter. A conversa começou com uma resposta de Musk ao tuíte de Brian Acton, cofundador do WhatsApp, que sugeriu aos seus seguidores para pararem de usar o Facebook, após a revelação que dados pessoais de 50 milhões de usuários caíram nas mãos da empresa de inteligência Cambridge Analytica. "O que é Facebook?", perguntou Musk a Acton, por meio do Twitter.

A declaração deixou os seguidores de Musk inquietos. Logo, eles começaram a desafiar o executivo a retirar as páginas de suas empresas da rede social. Ele respondeu aos seguidores que iria retirar a página do ar e, minutos depois, ambas não funcionavam mais.

Apesar de ter excluído as páginas das empresas no Facebook, Musk afirmou que vai continuar utilizando o aplicativo de compartilhamento de fotos Instagram. Atualmente, Musk tem mais de 6,9 milhões de seguidores na rede social.

Desafetos. Não é a primeira vez que Musk faz provocações relacionadas ao presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, usando sua conta no Twitter. Musk sempre defendeu que as pessoas devem ter cautela em apostar em tecnologias como inteligência artificial, porque, segundo ele, essas tecnologias podem se tornar tão poderosas que tratariam os humanos como "ratos". Zuckerberg, que afirma que a inteligência artificial deve ser abraçada pela humanidade, foi questionado sobre as opiniões de Musk, a quem ele chamou de "pessimista" e classificou as declarações como "irresponsáveis".

A resposta de Musk veio rápido, via Twitter. Ele afirmou que Zuckerberg não entendia as implicações da inteligência artificial. "Eu já conversei com Mark sobre isso e sua compreensão sobre o assunto é limitada."

Comentário (0) Hits: 1973

Escândalo faz Facebook perder US$ 36 bilhões

facebook.jpgEstadão
20/03/2018 - A divulgação do vazamento de dados de 50 milhões de usuários do Facebook para uma empresa de análise que trabalhou para a campanha do presidente americano, Donald Trump, fez as ações da companhia despencarem. Com a queda, o Facebook perdeu US$ 36 bilhões de valor de mercado. Foi o maior recuo diário da empresa de tecnologia desde março de 2014.

A pressão política sobre a empresa também aumentou. Muitos republicanos e democratas exigiram na segunda-feira 19 que Mark Zuckerberg, dono do Facebook, vá ao Congresso dos EUA se explicar. Em 2016, a empresa Cambridge Analytica utilizou informações pessoais de usuários para a elaborar estratégias para a campanha de Trump.

 

 

Comentário (0) Hits: 1759

newsletter buton