telequestCBN Facebook Youtube

Imagine um robô que come poluição (no mar)

robot_poluicao.jpg24/02/2017 - Assista este vídeo do TED - é sobre o "Row-bot", um robô que limpa a poluição marinha enquanto gera a eletricidade necessária para se regarregar, engolindo água suja. O roboticista Jonathan Rossiter explica como essa máquina faz para neutralizar por exemplo manchas de óleo derrubadas no mar. Este projeto poderá ser um precursor de robôs biodegradáveis e autônomos de combate à poluição marinha.

Assista ao vídeo do TED aqui

Comentário (0) Hits: 30

A importância da performance de vídeos online

online-video.jpg*Por Flávio Mizukawa
31/01/2017 - O aumento da qualidade de conexão e a capacidade de criar e distribuir vídeos na Internet transformam o modo como a mídia é consumida e as formas de comunicação entre marcas e pessoas. Um levantamento da comScore, datado de setembro de 2015, mostra que as marcas que utilizam vídeos online apresentam de 20 a 40% de crescimento nas vendas. Ainda, o levantamento traz que na América Latina há mais pessoas assistindo a vídeos on demand do que a TV aberta - sendo 81% versus 70%, respectivamente.

Essas e outras pesquisas apontam essa nova forma de interação com o público que, por conta dos novos hábitos de consumo e nova rotina, tem aderido e criado expectativas em relação a essa modalidade de mídia. Por isso, provedores de conteúdo, instituições de ensino à distância e empresas de outros segmentos precisam cada vez mais garantir que o seu conteúdo seja entregue sem falhas, com rapidez e sem interrupções na reprodução.

Outras tendências e comportamentos, como 85% dos usuários do Facebook assistirem vídeos sem áudio – quantidade considerável uma vez que a rede social registra diariamente mais de 8 bilhões de reproduções de conteúdo do tipo – devem ser observadas pelas empresas para que ofereçam cada vez mais uma melhor experiência aos seus clientes.

Que fatores interferem na qualidade dos vídeos?

Quando um usuário não tem uma boa experiência no consumo de um vídeo online, o impacto está relacionado diretamente ao não retorno dele ao site. Estudos mostram que apenas 8% dos usuários voltaram ao site após terem tido uma experiência de vídeo que falhou, contra 11% que retornariam se a experiência tivesse ausência de erro. Ainda, afirmam que a chance de um usuário voltar ao site no mesmo dia se não houver falhas na execução do vídeo é 37% maior.

Em relação a isso, devemos considerar os diversos fatores que interferem na qualidade da reprodução de um vídeo, tais como: qualidade do conteúdo (imagens), bitrate (taxa que mede a quantidade de informação contida num determinado tempo em Kbps) e a performance na execução. Assim, indicadores de bom desempenho estão ligados à diminuição da taxa de abandono, pois melhoram o engajamento do usuário e aumentam o retorno da audiência. Para o sucesso de um negócio baseado em vídeo online é preciso buscar soluções que garantam esse desempenho e qualidade na experiência. Algumas soluções chave são:

· Rede altamente distribuída: duas causas geralmente relacionadas a uma performance baixa de reprodução do vídeo são o congestionamento de rede e a latência entre o usuário final e o servidor de origem, fatores que sofrem interferência conforme a distância e o número de redes que o arquivo tem que percorrer. Uma rede altamente distribuída, com servidores ligados entre si e difundidos globalmente, minimiza o tempo de entrega de conteúdo, levando as informações num ponto mais próximo do usuário final. Assim, é possível fornecer uma melhor qualidade de vídeo e bitrates maiores.

· Adaptive Bitrate Streaming: esta tecnologia permite que o vídeo seja entregue em várias qualidades com bitrates diferentes, adaptando a qualidade do conteúdo às condições da conexão do usuário final. Se a qualidade estiver boa o vídeo sempre será entregue com um bitrate maior, mas quando a qualidade da conexão cai, o bitrate automaticamente é reduzido, evitando experiências como rebuffer ou até mesmo interrupção da transmissão.

· Media Analytics: tão importante quanto a infraestrutura de entrega de vídeo é a capacidade e habilidade de analisar as métricas de performance. Uma boa ferramenta de analytics permite o monitoramento da entrega do conteúdo, sendo uma importante ferramenta de marketing e estratégia de negócios. A partir das métricas coletadas é possível entender porque os usuários estão abandonando o vídeo (por um problema técnico ou conteúdo desinteressante, por exemplo). Ainda, é possível avaliar se o conteúdo está adequado aos devices que estão carregando o conteúdo para consumo.

Para medir os resultados e tornar as ações de melhora na qualidade dos vídeos ainda mais eficientes, as empresas aplicam métricas. As mais frequentemente consideradas nesse cenário são: taxa de retenção, assinantes, engajamento, tempo de carregamento, taxa de abandono e rebuffer.

Concluindo, como os vídeos online têm sido a mídia mais consumida entre os usuários, a qualidade do conteúdo e a experiência devem ser cuidadosamente consideradas pelas marcas, com objetivo de conquistar seus clientes e, consequentemente, obter retorno em vendas.

*Flávio Mizukawa é especialista em streaming e media analytics na Exceda e representante da Akamai.

Comentário (0) Hits: 110

Conhecendo melhor seu cliente com a IoT

*Por Fernanda Benhami
16/01/2017 - Nos últimos anos, temos ouvido falar e muito sobre a Internet das Coisas (IoT). Como se sabe, os dispositivos conectados por ela emitem dados que as empresas coletam e utilizam da forma que for mais conveniente para os seus negócios. Aparelhos móveis, sistemas de automação residencial, transportes e até mesmo plataformas de petróleo estão disponibilizando hoje um fluxo enorme de informações durante todo o momento em que estão em funcionamento. O mais comum é que elas sejam usadas para a execução de ações de manutenção preventiva ou na identificação de possíveis falhas, mas há muitas outras áreas de negócio que podem se beneficiar da IoT e das ideias que podem ser extraídas dos dados.

Varejo - As empresas estão fazendo uso da Internet das Coisas por meio dos beacons, pela tecnologia Bluetooth, para entender a movimentação dos clientes dentro das lojas. Com o GPS do smartphone do cliente habilitado, uma marca poderá saber sua posição exata na loja ou no shopping. Se ele tiver concordado em receber mensagens de marketing, esses dados podem ser combinados com registros históricos, como informações demográficas ou histórico de compras, por exemplo, e o varejista pode lançar mão de uma nova oferta, usando canais como e-mail marketing, SMS ou o aplicativo da loja. Há também a opção das geofences, áreas delimitadas por meio de coordenadas pelas quais, toda vez que o cliente entrar ou sair delas, as marcas podem divulgar suas ofertas diretamente nos aplicativos.

Manufatura - O setor manufatureiro é, provavelmente, o único no qual se ouve falar sobre Internet das Coisas e dispositivos conectados com mais frequência. Carros, aviões e outros meios de transporte têm computadores e sensores com tecnologia embarcada enviando dados para vários locais e de forma constante. Agora, esses dados estão sendo aplicados com maior freqüência em aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos. Os fabricantes os usam para melhorar a qualidade e também o design de seus produtos. Eles também podem usar a IoT para vender diretamente ao cliente, sem a necessidade de intermediários. Grandes fabricantes vendem por meio de concessionárias. Conforme os modelos de negócios vão mudando e novas práticas de vendas vão sendo adotadas, as marcas têm acesso direto e um maior envolvimento com o cliente final, sem depender de um revendedor ou parceiro de marketing.

Seguros - Os dados telemáticos coletados dos veículos pelos equipamentos de bordo fornecem informações sobre o comportamento do motorista, o desempenho do veículo e possíveis surgimentos de falhas. Com frequência, os agregadores e fornecedores vendem esses dados às seguradoras, que podem usá-las para informar os clientes sobre a política de subscrição e assim ampliar suas vendas. Imagine receber um e-mail de sua seguradora informando que seu filho está dirigindo muito rápido e de forma imprudente. Com essas informações, você pode sentir a necessidade imediata de fazer um seguro para o carro da família.

Telecom - Para as operadoras telefônicas, o streaming analítico está surgindo como uma maneira de avaliar informações valiosas sobre os clientes. É cada vez mais comum elas coletarem dados sobre como os clientes usam sua rede, quanto do plano de dados vem sendo usado, bem como a frequência e a velocidade de consumo. Essas informações, somadas a muitas outras, permitem que as operadoras estejam mais bem preparadas antes de tomar qualquer decisão junto ao marketing. A partir daí, o preço, o volume e a validade das ofertas podem ser checados em tempo real, de modo que garantam sua relevância e eficácia na comunicação com os clientes.

Finanças - Os bancos tradicionais estão implementando mudanças na maneira como vêm operando no mercado financeiro. Por isso, é importante que as empresas do setor coletem dados por outros canais. Sites, aplicativos móveis e serviços de call center estão se tornando muito valiosos como fontes de informação. Hoje, há mais dados sendo transmitidos em caixas eletrônicos e aplicativos móveis, usados como insights para a oferta de conteúdo relevante aos clientes pelos canais digitais. Quanto ao call center, quando um cliente entra em contato, as empresas estão usando dados de streaming, junto com registros históricos, no intuito de realizar uma oferta mais relevante e personalizada.

A Internet das Coisas veio para ficar. É um caminho sem volta. Os dados coletados são usados para melhorar a qualidade de nossas experiências com as marcas, em diversos setores. E são esses grandes avanços na tecnologia que vão continuar a melhorar e a remodelar os modelos de negócios de diversas indústrias, não se limitando apenas às ações de marketing, mas levando a uma experiência com os consumidores mais pessoal, relevante e eficaz.

*Fernanda Benhami, gerente de Customer Intelligence do SAS América Latina

Comentário (0) Hits: 181

Amazon Prime Video chega ao Brasil

amazon-prime.jpgTI Inside Online, Converge
15/12/2016 - A Amazon anunciou nesta quarta-feira, 14, que o Amazon Prime Video está agora disponível para clientes em mais de 200 países, incluindo o Brasil, ao preço promocional de US$ 2,99 ao mês, cerca de R$ 10,50. Seu concorrente, a Netflix, tem seu preço inicial de R$16,90.

"Nós estamos felizes em anunciar que, a partir de hoje, fãs no mundo todo terão acesso ao Prime Video", disse Tim Leslie, vice-presidente internacional da  Prime Video. "The Grand Tour e outras séries originais da Amazon aclamadas pela crítica, como Transparent, Mozart in the Jungle e The Man in the High Castle, além de centenas de filmes e outras séries populares de Hollywood. E o que é realmente emocionante é que estamos apenas começando".

Para aderir ao Prime Video, clientes devem inscrever-se no site PrimeVideo.com e assistir aos vídeos em smartphones e tablets Android e iOS, tablets Fire, além de modelos mais conhecidos de TVs LG e Samsung. Membros do Amazon Prime na Bélgica, Canadá, França, Índia, Itália e Espanha podem começar a assistir hoje, sem nenhum custo adicional à sua associação ao Prime. Clientes nos outros novos países do Prime Video podem inscrever-se por um valor promocional de lançamento de US$2,99 (ou €2,99) por mês pelos primeiros seis meses, começando com sete dias grátis, em PrimeVideo.com.

Como assistir

Membros podem assistir ao Amazon Prime Video em inglês, com versões legendadas e dubladas em português, francês, italiano e espanhol disponíveis para muitos títulos. É possível assistir a qualquer hora e em qualquer lugar pelo app Amazon Prime Video em celulares e tablets Android e iOS, tablets Fire, além de TVs LG e Samsung mais conhecidas, ou online em PrimeVideo.com. Membros também podem baixar todos os filmes e séries selecionados para assistir offline – o que lhes permite assistir em um avião, metrô ou em qualquer lugar, sem qualquer custo adicional.

Membros do Prime Video também podem controlar a quantidade de dados que querem usar quando estão assistindo ou baixando conteúdo ao selecionar entre as qualidades de visualização Good (Boa), Better (Melhorada) e Best (Melhor). Todas utilizam a tecnologia de compressão de vídeo do Amazon Prime Video para ter menor uso de dados, sem reduzir a qualidade visual.

Os sistemas automatizados e de machine learning do Amazon Prime Video também selecionarão as melhores configurações de streaming para um determinado cliente com base em seu dispositivo, local e provedor de serviços de internet, proporcionando melhor qualidade visual e menos interrupções, mesmo quando a velocidades da conexão à internet for lenta ou instável.

O que assistir

Clientes do Amazon Prime Video podem agora assistir a The Grand Tour, a maior estreia já feita pelo Prime Video; Transparent, a série vencedora de múltiplos Globos de Ouro, Emmy e BAFTA; Mozart in the Jungle,vencedora de diversos Globos de Ouro; e The Man in the High Castle, uma das séries originais da Amazon mais assistidas por membros Amazon Prime mundialmente. A maioria das séries infantis originais da Amazon também está disponível, incluindo asérie animada de aventura Creative Galaxy, o live-action sobre amizade na transição da infância para a idade adulta, Gortimer Gibbon's Life on Normal Street, a série animada vencedora do Emmy, Tumble Leaf, entre outras.

Outras séries originais da Amazon, como Crisis in Six Scenes, de Woody Allen; Goliath produzido por David E. Kelley e com atuação de Billy Bob Thornton; American Playboy: The Hugh Hefner Story e Sneaky Pete, produzidas por Bryan Cranston e Graham Yost, respectivamente, que contam com atuação de Giovanni Ribisi, serão incluídas no próximo ano. Membros do Prime Vídeo também podem assistir a centenas de filmes e séries populares das mais importantes redes de televisão e estúdios de Hollywood.

 

 

 

Comentário (0) Hits: 404

Mais imposto: Netflix e Spotify vão aumentar

netflix_spotify2.jpg15/12/2016 - Senado aprova Projeto de Lei que permite cobrança de imposto de serviços como Netflix e Spotify. PL foi legitimado pelos parlamentares nesta quarta-feira e agora segue para sanção do presidente Michel Temer.

O Projeto de Lei (PL) SCD 15/2015, que reforma o sistema de cobrança do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) permite a cobrança de tributos sobre serviços como Netflix e Spotify. Atualmente os serviços de vídeo e áudio sob demanda não são tributados no País, o que motiva os preços acessíveis aos consumidores de conteúdo audiovisual pela internet.

Esta nova versão do texto não inclui os serviços de “disponibilização de aplicativos em página eletrônica” e “elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos”. Na prática, isto poderia encarecer as compras em lojas virtuais de aplicativos, como a Google Play e loja do Windows, além de aumentar o valor do desenvolvimento de aplicativos e games no País.

Fonte: Oficina da Net

Comentário (0) Hits: 452

Saiba tudo sobre a ciberexposição de seus filhos

oito.jpg14/12/2016 - Na época de festas de fim de ano, crianças e adolescentes já não estão mais de olho em brinquedos ou jogos de tabuleiro, mas na última versão do smartphone do momento, smart toys ou dispositivos que se conectam à famosa Internet das Coisas.

Pensando nisso, a equipe de Pesquisa em Ameaças Futuras (FTR) da Trend Micro criou um kit com tudo que você precisa saber sobre quais medidas adotar quando os seus filhos dão início ao uso de dispositivos:

Aqui você confere o infográfico dividido em duas partes: 08 pontos a considerar ao escolher um dispositivo para seus filhos e 08 dicas simples para proteger seus filhos no uso de dispositivos.

No Guia Eletrônico de Controle Parental, os pais podem se e saber de todos os riscos que seus filhos podem estar expostos no universo da Internet.

Abaixo algumas dicas listadas pela Trend Micro e que podem ser colocadas na prática!

- Monitore as atividades das crianças no dispositivo;

- Supervisione as postagens de imagens ou vídeos do seu filho (a);

- Peça à criança para te informar caso um estranho tente entrar em contato com ele ou ela;

- Caso o dispositivo colete dados biométricos, verifique se é possível desativar essa função;

- Ajuste as definições de localização do dispositivo para àquelas de sua preferência;

- Desative o microfone do dispositivo quando não estiver em uso;

- Tome cuidado com a forma que o dispositivo armazena dados na nuvem.


Comentário (0) Hits: 375

newsletter buton