Vale a pena assitir a esse vídeo sobre avanços de 2018

world_2018.jpgPor Ethevaldo Siqueira
05/01/2018 - Mesmo com mil problemas que nos irão afligir, o ano de 2018 será pródigo de avanços científicos e tecnológicos. Confira aqui.

 

Comentário (0) Hits: 1315

Estrelas próximas do buraco negro se despedaçam

estrelas_buraco_negro_2.jpgPor Ethevaldo Siqueira
27/11/2017 - Esta concepção artística mostra o evento de interrupção de maré denominado ASASSN-14li, em que uma estrela que vagou muito perto de um buraco negro de 3 milhões de massa solar foi despedaçada. Os detritos se juntaram para formar um disco ao redor do buraco negro. Os dados, do satélite Swift da NASA, mostram ainda que a formação inicial do disco foi moldada por interações entre fluxos de entrada e saída de detritos de maré.

Saiba mais aqui:

Comentário (0) Hits: 1706

TSIS-1, da NASA: de olho no poder do Sol sobre o ozônio

tsis_2.jpgPor Ethevaldo Siqueira
24/11/2017 - TSIS-1 é a missão científica da NASA definida pela própria sigla de: Total Solar Irradiance (TSI) Spectral Solar Irradiance (SSI), que mantém permanente vigilância sobre o possível poder do Sol sobre o ozônio da atmosfera terrestre.

Veja a foto do arco-íris. Como você sabe, a luz pode ser dividida em muitos comprimentos de onda e um arco-íris ilustra isso em luz visível. Cada cor é um comprimento de onda diferente da luz. A TSIS-1 é capaz de enxergar mais de 1.000 bandas de comprimento de onda de luz solar atingindo o topo da atmosfera, incluindo a luz que nossos olhos não podem detectar.

Seu diagnóstico nos mostra a concentração de ozônio na atmosfera em relação à Antártica em 10 de outubro de 2017. O buraco de ozônio antártico representado pelas cores era o seguinte: O roxo e o azul representam áreas de baixas concentrações de ozônio na atmosfera; Amarelo e vermelho são áreas de maior concentração.

Um dos gases que mais contribuíam para formar o buraco de ozônio da Antártida era o tetracloreto de carbono (CCl4), que era utilizado em aplicações como limpeza a seco e como agente extintor de incêndio, proibido ou regulamentado em 1987 no âmbito do Protocolo de Montreal, juntamente com outros clorofluorocarbonos que destroem o ozônio e contribuem para o buraco de ozônio sobre a Antártida.

O alto da atmosfera, acima dos sistemas meteorológicos, é na realidade uma camada de gás ozônio. O ozônio é o protetor solar natural da Terra, absorvendo a radiação ultravioleta mais prejudicial do Sol e protegendo os seres vivos abaixo. Mas o ozônio é vulnerável a certos gases produzidos por seres humanos que atingem a atmosfera superior. Uma vez lá, eles reagem na presença de luz solar para destruir moléculas de ozônio.

Depois de abrir o link abaixo, você poderá observar a foto do arco-íris. Como você sabe, a luz pode ser dividida em muitos comprimentos de onda e um arco-íris ilustra isso em luz visível.
Cada cor é um comprimento de onda diferente da luz. A TSIS-1 é capaz de enxergar mais de 1.000 bandas de comprimento de onda de luz solar atingindo o topo da atmosfera, incluindo a luz que nossos olhos não podem detectar.

Saiba mais aqui:

 

Comentário (0) Hits: 1843

Esta foi a imagem do adeus da sonda Cassini a Satuno

cassini.jpgPor Ethevaldo Siqueira
22/11/2017 - Depois de mais de 13 anos contornando Saturno e com seu destino selado, a nave espacial Cassini da NASA despediu-se do sistema Saturno "disparando as persianas de sua câmera grande angular" e capturando este último mosaico completo de Saturno e seus anéis dois dias antes da nave espacial mergulho dramático na atmosfera do planeta.

Em uma despedida adequada para o planeta, a espaçonave Cassini levou um último e persistente olhar para Saturno e seus anéis esplêndidos durante a etapa final da jornada e lançou uma série de imagens que foram montadas em um novo mosaico.

A câmera de grande angular da Cassini captou 42 imagens vermelhas, verdes e azuis, cobrindo o planeta e seus anéis principais de uma extremidade para outra, em 13 de setembro de 2017. Os cientistas de imagens combinaram esses quadros para criar uma visão de cor natural. A cena também inclui as luas Prometheus, Pandora, Janus, Epimetheus, Mimas e Enceladus.
Imagem completa e legenda

NASA / JPL-Caltech / Space Science Institute

Saiba mais aqui:

Comentário (0) Hits: 1965

ScanPyramids descobre vazio na Grande Pirâmide

scanpyramids_1.jpg21/11/2017 - De acordo com a Dassault Systèmes, o projeto egípcio-internacional ScanPyramids utiliza técnicas de detecção não-invasivas e não-destrutivas para escanear as pirâmides egípcias e, desta forma, tentar descobrir seus segredos por meio da tecnologia. O projeto é coordenado pelo Heritage Innovation Preservation Institute (HIP) – Instituto de Preservação da Inovação do Patrimônio – e pela Faculdade de Engenharia do Cairo a partir da continuação de uma pesquisa anterior feita pela Fundação Dassault Systèmes.

Após a descoberta do início de um corredor atrás de vigas em outubro de 2016, a ScanPyramids acabou de publicar na famosa revista científica Nature a presença de um grande vazio na Grande Pirâmide (Khufu Pyramid), batizado como "ScanPyramids Big Void" (Grande Vazio da ScanPyramids). Essa câmara de 30 metros de comprimento é comparável em tamanho ao que é conhecido como a "Grande Galeria". Essa é uma descoberta muito importante para a história da humanidade, já que nenhuma estrutura arquitetônica importante foi encontrada dentro da pirâmide Khufu desde a Idade Média.

scanpyramids_2.jpgA Fundação Dassault Systèmes e a Emissive fornecem apoio tecnológico e conhecimento ao Instituto HIP e à Universidade do Cairo, que planejaram e coordenaram essa aventura multidisciplinar excepcional com uma experiência de realidade virtual única para trazer essas descobertas à vida.

O ScanPyramids é um dos projetos selecionados pela Fundação Dassault Systèmes, que visa transformar o futuro da educação e da pesquisa, aproveitando os poderosos recursos de aprendizagem e descoberta da tecnologia 3D e dos universos virtuais para reunir equipes multidisciplinares em colaboração. Graças à poderosa experiência e configuração idealizada e desenvolvida pela Emissive, a imersão oferece uma melhor compreensão da realidade, neste caso, o interior da pirâmide, permitindo colaboração e impulsionando os limites do conhecimento. A descoberta de espaços inacessíveis torna-se possível para todos os estudantes, pesquisadores, público e pessoas com deficiência.

Um laboratório de pesquisa de realidade virtual para imaginar o futuro da imersão colaborativa nos campos culturais e educacionais do Museu da Arquitetura e do Patrimônio (Cité de l'architecture et du patrimoine) em Paris.

Foi desenvolvido um protótipo de uma experiência de realidade virtual para transportar grupos de pessoas dentro da Grande Pirâmide, onde podem se deslocar e explorar essas descobertas em um ambiente imersivo. Utilizando um equipamento de realidade virtual, eles têm acesso ao interior da Grande Pirâmide para um novo tipo de visita guiada virtual – uma experiência imersiva inovadora que mostra o futuro das atividades culturais e educacionais por meio de acesso sem precedentes aos monumentos famosos.

 

 

Comentário (0) Hits: 2033

Floresta Amazônia surpreende cientistas

amazonia_chuva.jpg22/08/2017 - Cientistas descobriram que na Amazônia, as árvores produzem nuvens de chuva.

“Tudo o que se observou eram nuvens em volta das árvores, mas não conseguíamos entender como isso poderia acontecer”, disse Rong Fu, da Universidade da Califórnia.

Eles descobriram que as árvores produziam vapor como resultado da fotossíntese, num processo chamado transpiração. E toda essa umidade cria nuvens baixas, que produzem chuva na floresta.

As chuvas por sua vez induzem a floresta a aquecer, favorecendo a circulação de ventos, atraindo mais umidade no oceano, fazendo chover ainda mais.

Conclusão dos cientistas: As árvores são mais inteligentes do que pensávamos!

Fonte: Science

Comentário (0) Hits: 2662

newsletter buton