A Nasa revolucionou nossa vida

lageos_model.jpgPor Ethevaldo Siqueira
05/05/2016 - Publico esta notícia com um toque pessoal, pois, como repórter especializado, tive a oportunidade cobrir há exatamente 40 anos, no dia 4 de maio de 1976, o lançamento do Satélite LAGEOS – abreviação em inglês de Satélite Geodinâmico de Laser (Laser Geodynamic Satellite), que é mostrado nesta foto da Nasa.

Esse satélite revolucionou nosso conhecimento da Terra, por ter sido a primeira sonda da Nasa dedicada à técnica de medição de precisão denominada Laser de Longo Alcance. Graças ao LAGEOS, os cientistas conseguiram medir o movimento das placas tectônicas da Terra, determinaram o peso do planeta com maior precisão, detectaram irregularidades em sua rotação e rastrearam pequenas mudanças no seu centro de massa.

 

O lançamento ocorreu na Base da Força Aérea dos EUA em Vandenberg, na Califórnia. Dois anos depois do lançamento do LAGEOS, entrevistei o astrônomo ítalo-brasileiro, prof. Giorgio Giacaglia, da USP, que mostrou diversos resultados do satélite, inclusive o fenômeno da deriva continental, no caso específico do afastamento da África e da América do Sul, da ordem de dois ou três centímetros por ano. Há milhões de anos, ambos os continentes estavam unidos.

Pequenos desvios na órbita do satélite foram usados para desenvolver modelos iniciais do campo gravitacional da Terra. Outras perturbações na órbita ajudaram a explicar como o aquecimento de pequenos objetos pela luz solar pode afetar suas órbitas, incluindo asteróides próximos da Terra.

Como satélite passivo, sem sensores de bordo ou eletrônica e sem partes móveis, com cerca de 400 kg de peso, o LAGEOS foi construído para durar muitas decadas em órbita. Seu núcleo de latão é coberto por uma capa de alumínio, pontilhada com 426 retrorefletores, que dão ao satélite a aparência de satélite como uma bola de golfe gigante.

"LAGEOS é elegantemente simples – uma bola coberta com prismas que refletem", explica Stephen Merkowitz, gerente do projeto espacial Geodésia da Nasa no Centro de Voo Espacial Goddard Space Flight, em Greenbelt, Maryland. Para esse espelista, entretanto, "ele estabeleceu um novo padrão para o alcance dos raios laser, e já prestou 40 anos de continuidade para estas medições."

O satélite foi lançado da Base da Força Aérea Vandenberg, na Califórnia. A concepção, desenvolvimento e construção do veículo orbital foi gerido pela NASA Marshall Space Flight Center, em Huntsville, Alabama.
Crédito: NASA's Goddard Space Flight Center

Acesse ao vídeo aqui:

Saiba mais:

Comentário (0) Hits: 357

Habitats modulares podem nos levar a Marte

habitat_marte.jpg16/05/2016 - Em filmes de ficção científica, habitats espaciais são enormes estruturas parecidas com um labirinto. Mas Hollywood não tem que lidar com os problemas reais que os engenheiros aeroespaciais enfrentam, quando projetam futuras casas do espaço - como a gravidade e restrições financeiras.

"Gravidade ... é realmente um problema sério", diz o fundador da Bigelow Aerospace, Robert Bigelow. Ele não está brincando. A NASA estima que a construição da Estação Espacial Internacional custou mais de US$ 100 bilhões na década de 1990 e exigiu mais de 115 vôos espaciais. Isso tudo a cerca de 250 milhas acima da Terra, que em termos de espaço, é relativamente perto. O que acontece quando planejamos viver em Marte?

 

Jason Crusan, director da NASA para Divisão de Sistemas de Exploração Avançada, diz que se fôssemos construir a estação espacial novamente hoje, seria "significativamente menor". Porque no espaço, menor significa muitas vezes mais barato - pelo menos para o lançamento.

É por isso que os cientistas estão trabalhando para desenvolver habitats espaciais modulares. Em vez de construir estruturas metálicas rígidas, eles estão construindo edifícios flexíveis que podem ser enviados para o espaço, quando forem necessários. Bigelow diz que a redução de peso e volume desse tipo de habitat agiliza e minimiza os custos do lançamento.

Fonte: CNN

Comentário (0) Hits: 301

Nasa cria primeiro modelo global de Mercúrio

messengerstill-mercurio.jpgPor Ethevaldo Siqueira
09/05/2016 - A Nasa acaba de divulgar as imagens de vídeo-animação do primeiro modelo digital de relevo global de Mercúrio, criado a partir dos dados levantados pelo satélite Messenger, da Nasa. Esse modelo global revela detalhes impressionantes da topografia do planeta e permitirá que os cientistas elaborem sua história geológica.

Mercúrio não tem grandes montanhas. A maior elevação do relevo do planeta tem 4,48 quilômetros de altura acima do nível médio da superfície do planeta e está localizada ao sul do equador de Mercúrio. A menor elevação está situada a 5,38 quilômetros abaixo da média de Mercúrio, no fundo da bacia de Rachmaninoff, mercury_craters.jpgdepressão criada por um impacto de duplo anel, ainda pouco conhecido, que talvez abrigue alguns dos mais recentes depósitos vulcânicos do planeta.

Com a décima-quinta e última liberação de dados relevantes, a missão Messenger passa a compartilhar com a comunidade científica mais de 10 terabytes de dados científicos sobre Mercúrio, incluindo cerca de 300.000 imagens.

Crédito: Nasa/US Geological Survey University/Arizona State Geological/Carnegie Institution of Washington/JHUAPL

Assista ao vídeo aqui

Saiba mais

Comentário (0) Hits: 320

Nasa tem missões quase impossíveis, parecem ficção

missao_impossivel.jpgPor Ethevaldo Siqueira
06/05/2016 - A Nasa tem missões tão ambiciosas que mais parecem coisas de ficção. São sete objetivos que a agência espacial se propõe alcançar no médio ou no longo prazo e que são sintetizados em sete perguntas.

Vale a pena conferir essas sete questões formuladas pela Nasa, em seu site para dar a mais ampla visão geral (overview) de suas missões ligadas ao Sistema Solar:

1. Como se originou e como se transformou nosso Sistema Solar ao longo do tempo?
2. Como começou e como evolui o Universo; e qual é o nosso destino?
3. Que fatores são responsáveis pelas variações ocorridas no Sol e como essas mudanças impactam o Sistema Solar e determinam a meteorologia espacial (space weather)?
4. Como e por que o clima e o ambiente da Terra estão mudando?
5. Como se originou e como mudou o Sistema Solar ao longo do tempo?
6. Como começou e evoluiu o Universo e qual será o seu destino?
7. Qual foi a origem da vida? Estaremos sós no Universo?

Explorar o nosso Sistema Solar e procurar novos mundos são as missões da Nasa. E seus cientistas têm encontrado água em lugares surpreendentes. Embora seja apenas uma parte da busca por planetas habitáveis fora da Terra, a presença da água se vincula de forma surpreendente a muitos mundos aparentemente não relacionados.

A boa notícia na busca de vida no Universo é o fato de o Sistema Solar estar inundado de água, segundo os cientistas da Nasa. As missões da Nasa são muito mais ambiciosas do que a busca de vida e de exoplanetas potencialmente habitáveis.

Saiba mais.

 

Comentário (0) Hits: 243

Zika chega aos EUA por via aérea e terrestre

virus-de-Zika.jpgPor Ethevaldo Siqueira
29/04/2016 - Este mapa da Nasa mostra a avaliação dos riscos do Aedes aegypti, bem como sua abundância potencial para julho de 2016 e as médias mensais das chegadas de visitantes aos Estados Unidos por via aérea e terrestre oriundos de países sob responsabilidade da consultoria de viagens do Centro de Controle da Zika.

Os pontos vermelhos representam áreas com elevado potencial de incidência da doença, enquanto pontos amarelos representam áreas de incidência potencial baixa. Regiões sombreadas representam áreas de probabilidade máxima de presença Aedes aegypti. A Nasa colabora com as autoridades de saúde pública, cientistas e comunidades para melhor entender o vírus zika e limitar a propagação da doença que provoca.

Crédito: UCAR

Saiba mais aqui.

Comentário (0) Hits: 209

Sucessor do Hubble tem espelho dourado

james-webb.jpgPor Ethevaldo Siqueira
03/05/2016- Está nascendo o Telescópio Espacial James Webb que irá suceder ao Hubble depois de 2018. Esta foto mostra o espelho de 6,5 metros de diâmetro, já coberto de uma camada microscopicamente fina de ouro, preparado para refletir a luz infravermelha, que é o principal comprimento de onda da luz em que irá operar o James Webb.

O espelho – formado por dezenas de segmentos hexagonais – foi fabricado com berílio, elemento químico que reúne duas qualidades essenciais ao telescópio: resistência e leveza. Nos próximos meses, os engenheiros desse centro vão instalar outros elementos-chave do James Webb, e realizar as tarefas complementares para que o telescópio esteja pronto para ser lançado ao espaço em 2018, por um foguete Ariane 5, a partir da Base Espacial da Guiana, em Kouru.

O espelho totalmente montado é maior do que qualquer foguete, de modo que os dois lados dela podem dobrar. Atrás de cada espelho há vários motores que permitirão aos astrônomos focalizá-los adequadamente em cada objeto cósmico.
O Telescópio Espacial James Webb é o sucessor científico do Telescópio Espacial Hubble da Nasa. Ele deverá ser localizado numa órbita muito especial, num ponto em que se equilibram as forças de gravidade entre o Sol, a Lua e a Terra, a uma distância de 1,5 milhão de quilômetros de nosso planeta.

A essa distância, o James Webb permitirá observações astronômicas sem interferência da atmosfera terrestre e fotos com melhor qualidade que as do Hubble. É, de longe, o mais poderoso telescópio espacial já construído, com a missão de estudar muitas fases da história de nosso Universo, incluindo a formação de sistemas solares capazes de suportar a vida em planetas semelhantes à Terra, bem como a evolução do nosso próprio sistema solar.

O telescópio James Webb é um projeto internacional liderado pela Nasa, com apoio de seus parceiros, a ESA (Agência Espacial Europeia) e a Agência Espacial Canadense.

Crédito: Nasa/Chris Gunn

Saiba mais:

Comentário (0) Hits: 298

newsletter buton