ODATA tem o data center mais avançado do País

Por Ethevaldo Siqueira
20/07/2017 - Quem quiser visitar ou conhecer de perto um data center de última geração – capaz de mostrar o avanço da tecnologia nessa área não precisa mais ir aos Estados Unidos ou à Europa. Aqui mesmo na Grande São Paulo, no município de Santana do Parnaíba, como comprovei pessoalmente há poucas semanas, pode ser encontrado um exemplar dessa modernidade. É o novo Data Center SP 01 da Odata, inaugurado no dia 24 de maio de 2017.

Da esquerda para direita: Flavio Greve, Gerente de Produto e Pré Vendas; Marco Zanini, diretor da GlobalWeb; Karl Frias, Gerente de O&M e André Busnardo, CMO.

Esse marco da infraestrutura de TI e Telecom impressiona até aqueles que, como este jornalista, têm décadas de experiência no setor. Será aberto ao mercado brasileiro na modalidade “colocation”. No conceito internacional, um data center colocation é aquele que pode alugar seu espaço a servidores e outros hardwares de computação. Tipicamente, o DC Colocation provê o prédio, a refrigeração, a energia, a banda de frequencia e a segurança física enquanto o cliente provê os servidores e o armazenamento. O espaço ali é muitas vezes alugado por racks, gabinetes, gaiolas ou salas.

O impacto de um DC Colocation

Minha visita a esse data center ocorreu a convite de Marco Zanini, diretor e parceiro da GlobalWeb, Rodrigo Contreira, diretor de marketing e André Busnardo, diretor comercial da Odata.

Atualmente, a Odata já conta também com seu nível executivo completo. A equipe dirigente da Odata é formada por Ricardo Alário, ex-Intel Capital, na posição de CEO; Rafael Bomeny, ex-Pátria Infraestrutura, como CFO; Bruno Pagliaricci, ex-Promon e Tivit, como CTO; e André Busnardo, ex-Amazon e Oracle, na posição de diretor comercial. A companhia foi fundada a partir de um aporte inicial de R$ 200 milhões para começar a construir um centro de dados Tier 3 na cidade de Santana de Parnaíba, na Grande São Paulo.

Marco Zanini, diretor da GlobalWeb

Conhecer por dentro esse data center foi foi uma oportunidade altamente elucidativa e tutorial, não apenas pelo número de informações sobre os avanços da área, mas, em espacial, pela preocupação do projeto que leva em conta as mais avançadas exigências de proteção ambiental e sustentabilidade.

Empresa idealizada pelo Pátria Investimentos, a Odata já recebeu as certificações de seu data center na categoria Tier III Design e Facility do Uptime Institute, entidade máxima e reconhecida em todo o mundo pela indústria de data centers.

Após sete meses de obra e investimentos de R$ 400 milhões, o resultado é um prédio que reúne as mais modernas instalações, com destaque para a eficiência energética, segurança e telecomunicações.

André Busnardo, diretor comercial da Odata

A demanda de  DCs colocation

Data Centers como o da Odata podem revolucionar a computação em nuvem no País. Erguido em um terreno de 23.000 metros quadros, dos quais 14.200 m² de área construída, o DC SP 01 conta com 12 salas de TI e sua atuação está focada, principalmente, em colocation – ou seja – seu objetivo é disponibilizar espaço físico especificamente criado para o armazenamento de grandes volumes de informação. E, melhor do que tudo, já está em funcionamento comissionado.

“Estamos prontos para atender a um mercado que vem passando por grandes mudanças e vislumbramos ótimas perspectivas para o Brasil e América Latina. Com a tendência irreversível para a computação e armazenamento em nuvem, além da evolução de oportunidades como a Internet das coisas, Big Data e Inteligência Artificial, sabemos que o tráfego de dados crescerá a taxas muito altas nos próximos anos”, afirma Ricardo Alário, CEO da Odata.

Neste cenário é crescente a necessidade de locais físicos com as características ideais para a instalação de servidores, com garantia de pleno funcionamento. A Odata nasceu para antecipar-se a este movimento e estabelecer um elevado padrão de qualidade para os mercados brasileiro e latino-americano.

Segundo a empresa, o objetivo central da empresa é atender à demanda de um mercado que passa por grandes mudanças, e com ótimas perspectivas no Brasil e América Latina. Com a tendência irreversível para a computação e armazenamento em nuvem, além da evolução de oportunidades como a Internet das Coisas, Big Data e Inteligência Artificial, sabemos que o tráfego de dados crescerá a taxas muito altas nos próximos anos. Consequentemente, também é crescente a necessidade de locais físicos com as características ideais para a instalação de servidores, com garantia de pleno funcionamento.

A Odata nasceu para antecipar-se a este movimento, com a proposta de proporcionar um elevado padrão de qualidade para os mercados brasileiro e latino-americano. Segundo projeções da empresa, até 2018, o tráfego de dados móveis deve chegar a 1.200 exabytes, o equivalente a 11 vezes o volume registrado em 2013. O mercado de cloud, até 2020, portanto, deverá movimentar cerca de US$ 160 bilhões, demandando um grande crescimento do setor de data centers.

No Brasil, uma oferta ainda pequena

A oferta Data Centers de colocation ainda é relativamente pequena. Conforme dados levantados pela Odata, o Brasil vive um período de transição entre os data centers tradicionais e os cloud data centers. Enquanto nos Estados Unidos o número dessa classe de data centers supera 1,5 mil, e na Europa, mais de mil data centers de colocation, o Brasil como um todo, talvez tenha no máximo 35.

Projetado pela empresa Quark-Aceco, referência no segmento, o DC SP 01 conta com ampla disponibilidade de energia, com substação própria de 20 MVA, completa automação de controle de acesso, gerenciamento integrado de todas as instalações prediais, conectividade com diversas empresas de telecomunicações, operação própria e time de manutenção on-site.

A Odata, já preocupada com a sustentabilidade do projeto, também investiu em tecnologias para diminuir o consumo energético, como por exemplo, a refrigeração dos ambientes críticos são feitos com equipamentos que utilizam “indirect free cooling”, método que utiliza a baixa temperatura externa do ar para auxiliar na refrigeração. Além disso, toda a obra foi desenvolvida dentro dos padrões definidos pelo Green Building Council.

Matéria atualizada dia 20/07/2017 às 15:53

 

 

Deixar seu comentário

0
termos e condições.
  • Nenhum comentário encontrado

newsletter buton